Mostrando postagens com marcador Lc 24. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lc 24. Mostrar todas as postagens

20210407

VEJAM MINHAS MÃOS E MEUS PÉS


08 de abril de 2021
Quinta-feira da Oitava da Páscoa

EVANGELHO


Lc 24,35-48

Naquele tempo, 35os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. 36Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!”
37Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. 38Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? 39Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”.
40E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. 41Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” 42Deram-lhe um pedaço de peixe assado. 43Ele o tomou e comeu diante deles. 44Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.
45Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, 46e lhes disse: “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47e no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. 48Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

MEDITAÇÃO


Vejam minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! (Lc 24, 39)

Não foi fácil para os discípulos assimilarem o fato histórico da ressurreição de Jesus. Nem de longe, estavam esperando que isso acontecesse. Mesmo que Jesus tenha falado disto com os doze, explicado várias vezes que ele seria vítima de uma morte dolorosa e ressuscitaria ao terceiro dia, não estava no horizonte deles tudo o que aconteceu. Consideremos também que a ressurreição de Jesus não foi como a de Lázaro, em que o morto ficou vivo de novo e continuou sua vida normal, morrendo no tempo certo. A ressurreição de Jesus foi algo completamente novo e diferente.

O fato de os discípulos estranharem tanto, por um lado, foi bom para alguém não acusar que a ressurreição tenha sido uma saída honrosa que eles arrumaram para o aparente fracasso do seu Mestre. No evangelho lido hoje, vemos Jesus tentando convencê-los de que é ele mesmo. E isso, é claro, está valendo pra nós. Nós também não temos ideia do que seja mesmo a ressurreição de Jesus e a nossa ressurreição com ele.

Quando a comunidade dos discípulos estava reunida, e os discípulos de Emaús estavam contando como eles tinham se encontrado com o Senhor Ressuscitado, ele mesmo apareceu no meio deles e lhes fez a saudação de paz. Eles ficaram assustados, com medo, cheios de dúvida, pensando que era um fantasma. Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Neles, estavam os sinais da crucificação. “Vejam minhas mãos e meus pés. Eu não sou um fantasma. Toquem em mim. Um fantasma não tem carne, nem osso”. Mesmo assim, eles ainda continuavam duvidando. Então, Jesus pediu algo para comer. Deram-lhe um pedaço de peixe assado e ele comeu à vista de todos.

Essa é a primeira lição da ressurreição. Jesus não é um fantasma. Não é alguém que voltou do mundo dos mortos e está perambulando por aí. É ele mesmo, vivo, saudável, com um corpo glorioso, mas numa nova situação, situação difícil de se entender e de se explicar. E é bom a gente tentar captar alguma coisa porque essa é a nova condição que alcançaremos, se estivermos em comunhão com Cristo. Ele foi o primeiro, é o primogênito de muitos irmãos, como diz São Paulo. Nós vamos atrás dele.

Jesus venceu definitivamente a morte. Não levantou-se da morte para continuar vivendo biologicamente a mesma vida. Foi elevado a um novo patamar de existência. É a vida plena em Deus. É a existência em Deus. Não é um espírito vagando por aí, como alguém poderia pensar. Ele tem um corpo. Seu corpo está marcado pelas chagas da crucificação, ele pode ser visto, ouvido, tocado e, nessa passagem, mostrou que também pode se alimentar. Tem um corpo, um corpo glorioso com que ele entrou na sala com as portas fechadas. Agora, sim, ele pode estar conosco até à consumação dos séculos, como nos prometeu. A primeira lição é essa: ele não é um fantasma, nem uma aparição de alguém que voltou do mundo dos mortos.

A segunda lição a ser assimilada está na explicação do próprio Jesus nessa cena. Tudo isso é cumprimento do que está escrito nos livros de Moisés, nos Profetas e nos Salmos, isto é, nas Escrituras Sagradas. Sua morte e sua ressurreição são a realização das promessas de Deus, como se pode ler nas Escrituras. O que Deus prometeu? Vida plena, a vitória completa do seu servo. Seu servo não conheceria a corrupção da carne, como diz o salmo 16.

A terceira lição a ser assimilada por nós, como o foi para a primeira geração dos discípulos, é que a força da ressurreição nos faz testemunhas e anunciadores de sua obra. A conversão e o perdão dos pecados serão anunciados a todos os povos, em seu nome, por nós.

Guardando a mensagem

Falamos de ressurreição, mas não entendemos ainda bem o que seja. Ela já aconteceu em Jesus. É uma mudança radical no nosso ser biológico e espiritual. Pela ressurreição, entraremos na esfera divina, ultrapassando os limites de espaço e tempo. A nossa alma já foi criada imortal, mas faltava essa plenificação em Deus. Pela ressurreição, teremos também um corpo transformado. Jesus é o primogênito da grande família dos filhos de Deus que vai à nossa frente. Ele não é um fantasma, uma aparição. Ele levou para a esfera de Deus a nossa própria humanidade. Essa novidade que irrompeu na história pela ressurreição ao terceiro dia era já uma promessa na história e nos livros santos do povo de Deus. Nós agora somos testemunhas de tudo isso, levando ao mundo o anúncio da salvação em Cristo, pelo perdão dos pecados que ele alcançou por sua morte e ressurreição.

Vejam minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! (Lc 24, 39)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
queremos compreender um pouco mais da tua ressurreição e da nossa ressurreição contigo. Não se trata de um jogo de palavras, mas de uma realidade que nos ultrapassa, que só pode ser acolhida na fé. Não nascemos para a morte, nascemos para a vida, para a plenitude. É a nossa vocação de seres criados à imagem e semelhança de Deus. Em ti, Senhor Jesus, já vemos a realização plena do ser humano. Sendo Deus, tu te fizeste humano. Estavas já na glória com o Pai e o Santo Espírito. Mas, agora, estás também como humano. Em ti, contemplamos nossa condição humana glorificada, em Deus. Aspiramos a isso. Sonhamos com isso. Estamos vocacionados para a completa realização, como filhos de Deus. Continua, Senhor, a ser para nós, caminho, verdade e vida. E agora, com esta pandemia, quando experimentamos nossa fragilidade e nossa pequenez, aumenta em nosso coração a virtude da esperança. Que em nossos sofrimentos, em nossas pelejas humanas nos sustente a certeza da completa vitória que a tua ressurreição nos assegura. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Recomende, em oração, a Jesus ressuscitado as pessoas suas conhecidas que estejam em situação de aflição e sofrimento, neste momento de uma nova alta do novo coronavírus.

Sábado próximo, temos um encontro marcado em sua casa, no Show da Páscoa: Padre João Carlos e Banda cantando a esperança. Você nos acompanha pelo youtube, com acesso exclusivo. Adquira o seu ingresso no site www.sympla.com. Na dúvida, faça contato com a gente pelo whatsapp 81 9964-4899.

Hoje, quinta-feira da oitada pascal, temos a nossa Missa de Páscoa, às 11 horas, com ouvintes e associados. E você nos acompanha pelas nossas redes sociais. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200426

OS DISCÍPULOS DE EMAÚS



Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras? (Lc 24, 32)

26 de abril de 2020

E chegamos ao terceiro Domingo da Páscoa. No dia do Senhor, fazemos memória de sua vitória sobre a morte e sobre todas as forças que se opõem ao bem, à justiça, à verdade. Na vitória de Jesus, reconhecemos a nossa vitória também. Nós ressuscitamos com ele. Sua morte nos trouxe a reconciliação com Deus. Vida nova pra nós, também. 

Mas, tem uma coisa triste, nessa história. Bom, primeiro na nossa história, pois estamos no meio de um momento muito difícil, que nos fala mais da morte do que da vida. Muita gente está triste. Estamos todos um tanto desorientados. Estamos meio cegos. Nesse clima, a ressurreição de Jesus... bom, não estamos vendo bem. No evangelho de hoje, também estão dois discípulos tristes, voltando pra casa, bem desanimados. Eles também estão meio cegos. 

Lucas, capítulo 24. Dois discípulos, passados os três dias do sepultamento, estão voltando pra casa. Os dois vão conversando pelo caminho, na maior tristeza. Eles estão tão cegos que não reconhecem Jesus ressuscitado que caminha e conversa com eles. Esse peregrino pergunta o que estava acontecendo. Eles contam o que tinha acontecido com Jesus de Nazaré em Jerusalém, sua prisão, morte de cruz e sepultamento. E o peregrino vai explicando como, nas Escrituras, estava claro que o Messias iria sofrer muito. Chegam ao seu povoado de Emaús e eles oferecem hospedagem ao peregrino. Como estava ficando tarde, eles acharam mais seguro que ele dormisse por ali mesmo. Na hora do jantar, o hóspede toma o pão e faz os mesmos gestos da multiplicação dos pães e da última ceia. É aí que seus olhos se abrem. Eles o reconhecem. O peregrino é Jesus e ele está ali, vivo, ressuscitado. Aí eles retornam à Jerusalém, de onde tinham vindo. Reencontram a comunidade dos discípulos e discípulas. Contam o que tinha acontecido e ficam sabendo que Jesus tinha aparecido também a Pedro. Estava todo mundo contente, muito feliz mesmo.

Você viu? Os dois estavam como cegos. Eles ficaram desencantados com a morte e o sepultamento de Jesus. Naquele domingo (o mesmo da ressurreição), eles largaram a comunidade e voltaram pra casa. E nem reconheceram Jesus, o peregrino que andara com eles pelo caminho. Mas, chegou uma hora em que eles o viram claramente. E voltaram para a comunidade, com o maravilhoso testemunho de que Jesus está vivo, ressuscitado. Eles o encontraram no caminho. 

Podemos perceber cinco passos ou etapas nesse caminho de superação da cegueira. Jesus perguntou o que estava acontecendo. Eles contaram tudo o que aconteceu com Jesus, tim-tim por tim-tim. É o passo da ATENÇÃO À REALIDADE, o primeiro passo. Partir do que lhe está acontecendo. É a sua história, os acontecimentos, o que está lhe causando apreensão neste momento. 

Jesus saiu explicando como nas Escrituras aparecia o projeto de Deus de um messias-servo. O coração deles ardia, nesse momento. É o passo da ILUMINAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS, o segundo passo. Não basta saber o que está acontecendo, é preciso acolher o que Deus nos revela, como o projeto de Deus vai se realizando em nossa história.    

Quando chegaram ao povoado, estava já tarde, eles o acolheram em casa. Puseram em prática o ensinamento de Jesus: “Eu era peregrino e vocês me acolheram”. Este é o terceiro passo do caminho: a VIVÊNCIA DA CARIDADE, amar como Jesus amou. Não dá pra chorar na crucificação de Jesus e não sentir a dor do irmão que caminha ao seu lado. A caridade tem nome nessa pandemia: solidariedade, responsabilidade com a saúde e a fome dos outros. 

Em casa, chegou a hora de se sentarem ao redor da mesa para o jantar. Jesus fez igualzinho como na ceia de páscoa (a última ceia): tomou o pão, deu graças, partiu e o entregou a eles. É a CELEBRAÇÃO DA EUCARISTIA, o quarto passo. Na Santa Missa, como chamamos a Eucaristia, fazemos memória da morte e ressurreição do Senhor Jesus. Nós experimentamos a sua presença na comunidade, na palavra e no pão, fortalecendo nossa comunhão com ele e com os irmãos. De maneira especial, sua presença é real no sacramento do pão e do vinho. Foi nesse momento que seus olhos se abriram. Experimentaram claramente que o crucificado está vivo e vitorioso. 

Naquela mesma noite, eles voltaram para Jerusalém, para a comunidade. Lá receberam o testemunho de que o Senhor tinha aparecido a Simão e deram o testemunho de que o encontraram no caminho. É o passo da PARTICIPAÇÃO NA COMUNIDADE, o quinto passo. Conhecer, crer, amar, celebrar e integrar-se à comunidade cristã. 

Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras? (Lc 24, 32)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
neste terceiro domingo da páscoa, ainda em quarentena, não estamos conseguindo vibrar com a alegria deste tempo de páscoa. Mas, sabemos, Senhor, na tua ressurreição, Deus está fazendo novas todas as coisas. Senhor, cura as nossas cegueiras. Caminha conosco, por meio de teus catequistas e evangelizadores, nos ajudando a compreender as Escrituras e crer em ti. Que eles nos ajudem a amar e servir os sofredores, com quem foste solidário até à morte de cruz. Que pela participação na Santa Missa, através dos meios de comunicação, renovemos a nossa comunhão contigo e com os irmãos de nossas comunidades. Com eles, queremos carregar nossa cruz como teus discípulos e discípulas, na esperança e na fé. Seja o teu santo nome bendito, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Seria muito proveitoso você ler o texto da Meditação de hoje, assim poderá rever melhor os cinco passo da superação da cegueira. Para chegar ao texto, é só clicar no link que estou lhe enviando.

Estou lhe mandando também o áudio do canto FICA CONOSCO, que compus alguns anos atrás, meditando esse evangelho dos discípulos de Emaús. 

Seguem também a letra e as cifras deste canto. Se não tiver recebido, solicite a quem lhe repassou a meditação ou acesse www.padrejoaocarlos.com. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



FICA CONOSCO, SENHOR

Andavam pensando tão tristes
De Jerusalém a Emaús
Os dois seguidores de Cristo
Logo após o episódio da cruz
Enquanto assim vão conversando
Jesus se chegou devagar
De que vocês estão palestrando?
E ao Senhor não puderam enxergar

Fica conosco, Senhor!
É tarde e a noite já vem!
Fica conosco Senhor
Somos teus seguidores também 

Não sabes então forasteiro
Aquilo que aconteceu?
Foi preso Jesus Nazareno
Redentor que esperou Israel
Os chefes a morte tramaram
Do santo profeta de Deus
O justo foi crucificado
A esperança do povo morreu

Três dias enfim se passaram
Foi tudo uma doce ilusão
Um susto as mulheres pregaram
Não encontraram seu corpo mais não
Disseram que Ele está vivo
Que disso souberam em visão
Estava o sepulcro vazio
Mas do Mestre ninguém sabe não

Jesus foi então relembrando
Pro Cristo na glória entrar
Profetas já tinham falado
Sofrimentos devia enfrentar
E pelo caminho afora
Ardia-lhes o coração
Falava-lhes das Escrituras
Explicando a sua missão

Chegando afinal ao destino
Jesus fez que ia passar
Mas eles demais insistiram
Vem, Senhor, vem conosco ficar
Sentado com eles à mesa
Deu graças e o pão repartiu
Dos dois foi tão grande a surpreso
Jesus Cristo, o Senhor, ressurgiu


Fica Conosco Senhor 

Padre Joao Carlos




Tom: G

G Bm G Am
Andavam pensando tão tristes, de Jerusalém a Emaús
D7 G D
Os dois seguidores de Cristo, logo após o episódio da cruz
G G7 C
Enquanto assim vão conversando, Jesus se chegou devagar
G Am D7 G
De que vocês estão palestrando? E ao Senhor não puderam enxergar
G Bm
Fica conosco, Senhor!
Am
É tarde e a noite já vem!
D7
Fica conosco Senhor
G
Somos teus seguidores também
G Bm Am
Não sabes então forasteiro, aquilo que aconteceu?
D7 G D
Foi preso Jesus Nazareno, Redentor que esperou Israel
G G7 C
Os chefes a morte tramaram, do santo profeta de Deus
G Am D7 G
O justo foi crucificado, a esperança do povo morreu
G Bm Am
Três dias enfim se passaram, foi tudo uma doce ilusão
D7 G D
Um susto as mulheres pregaram, não encontraram seu corpo mais não
G G7 C
Disseram que Ele está vivo, que disso souberam em visão
G Am D7 G
Estava o sepulcro vazio, mas do Mestre ninguém sabe não
G Bm Am
Jesus foi então relembrando, pro Cristo na glória entrar
D7 G D
Profetas já tinham falado, sofrimentos devia enfrentar
G G7 C
E pelo caminho afora, ardia-lhes o coração
G Am D7 G
Falava-lhes das Escrituras, explicando a sua missão
G Am
Chegando afinal ao destino, Jesus fez que ia passar
D7 G D
Mas eles demais insistiram, vem, Senhor, vem conosco ficar
G G7 C
Sentado com eles à mesa, deu graças e o pão repartiu
G Am D7 G
Dos dois foi tão grande a surpresa, Jesus Cristo, o Senhor, ressurgiu

20200416

SOU EU MESMO!!!

Vejam minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! (Lc 24, 39)


16 de abril de 2020

Não foi fácil para os discípulos assimilarem o fato histórico da ressurreição de Jesus. Nem de longe, estavam esperando que isso acontecesse. Mesmo que Jesus tenha falado disto com os doze, explicado várias vezes que ele seria vítima de uma morte dolorosa e ressuscitaria ao terceiro dia, não estava no horizonte deles tudo o que aconteceu. Consideremos também que a ressurreição de Jesus não foi como a de Lázaro, em que o morto ficou vivo de novo e continuou sua vida normal, morrendo no tempo certo. A ressurreição de Jesus foi algo completamente novo e diferente.

O fato de os discípulos estranharem tanto, por um lado, foi bom para alguém não acusar que a ressurreição tenha sido uma saída honrosa que eles arrumaram para o aparente fracasso do seu Mestre. No evangelho lido hoje, vemos Jesus tentando convencê-los de que é ele mesmo. E isso, é claro, está valendo pra nós. Nós também não temos ideia do que seja mesmo a ressurreição de Jesus e a nossa ressurreição com ele.

Quando a comunidade dos discípulos estava reunida, e os discípulos de Emaús estavam contando como eles tinham se encontrado com o Senhor Ressuscitado, ele mesmo apareceu no meio deles e lhes fez a saudação de paz. Eles ficaram assustados, com medo, cheios de dúvida, pensando que era um fantasma. Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Neles, estavam os sinais da crucificação. “Vejam minhas mãos e meus pés. Eu não sou um fantasma. Toquem em mim. Um fantasma não tem carne, nem osso”. Mesmo assim, eles ainda continuavam duvidando. Então, Jesus pediu algo para comer. Deram-lhe um pedaço de peixe assado e ele comeu à vista de todos.

Essa é a primeira lição da ressurreição. Jesus não é um fantasma. Não é alguém que voltou do mundo dos mortos e está perambulando por aí. É ele mesmo, vivo, saudável, com um corpo glorioso, mas numa nova situação, situação difícil de se entender e de se explicar. E é bom a gente tentar captar alguma coisa porque essa é a nova condição que alcançaremos, se estivermos em comunhão com Cristo. Ele foi o primeiro, é o primogênito de muitos irmãos, como diz São Paulo. Nós vamos atrás dele.

Jesus venceu definitivamente a morte. Não levantou-se da morte para continuar vivendo biologicamente a mesma vida. Foi elevado a um novo patamar de existência. É a vida plena em Deus. É a existência em Deus. Não é um espírito vagando por aí, como alguém poderia pensar. Ele tem um corpo. Seu corpo está marcado pelas chagas da crucificação, ele pode ser visto, ouvido, tocado e, nessa passagem, mostrou que também pode se alimentar. Tem um corpo, um corpo glorioso com que ele entrou na sala com as portas fechadas. Agora, sim, ele pode estar conosco até à consumação dos séculos, como nos prometeu. A primeira lição é essa: ele não é um fantasma, nem uma aparição de alguém que voltou do mundo dos mortos.

A segunda lição a ser assimilada está na explicação do próprio Jesus nessa cena. Tudo isso é cumprimento do que está escrito nos livros de Moisés, nos Profetas e nos Salmos, isto é, nas Escrituras Sagradas. Sua morte e sua ressurreição são a realização das promessas de Deus, como se pode ler nas Escrituras. O que Deus prometeu? Vida plena, a vitória completa do seu servo. Seu servo não conheceria a corrupção da carne, como diz o salmo 16.
A terceira lição a ser assimilada por nós, como o foi para a primeira geração dos discípulos, é que a força da ressurreição nos faz testemunhas e anunciadores de sua obra. A conversão e o perdão dos pecados serão anunciados a todos os povos, em seu nome, por nós.

Guardando a mensagem

Falamos de ressurreição, mas não entendemos ainda bem o que seja. Ela já aconteceu em Jesus. É uma mudança radical no nosso ser biológico e espiritual. Pela ressurreição, entraremos na esfera divina, ultrapassando os limites de espaço e tempo. A nossa alma já foi criada imortal, mas faltava essa plenificação em Deus. Pela ressurreição, teremos também um corpo transformado. Jesus é o primogênito da grande família dos filhos de Deus que vai à nossa frente. Ele não é um fantasma, uma aparição. Ele levou para a esfera de Deus a nossa própria humanidade. Essa novidade que irrompeu na história pela ressurreição ao terceiro dia era já uma promessa na história e nos livros santos do povo de Deus. Nós agora somos testemunhas de tudo isso, levando ao mundo o anúncio da salvação em Cristo, pelo perdão dos pecados que ele alcançou por sua morte e ressurreição.

Vejam minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! (Lc 24, 39)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

queremos compreender um pouco mais da tua ressurreição e da nossa ressurreição contigo. Não se trata de um jogo de palavras, mas de uma realidade que nos ultrapassa, que só pode ser acolhida na fé. Não nascemos para a morte, nascemos para a vida, para a plenitude. É a nossa vocação de seres criados à imagem e semelhança de Deus. Em ti, Senhor Jesus, já vemos a realização plena do ser humano. Sendo Deus, tu te fizeste humano. Estavas já na glória com o Pai e o Santo Espírito. Mas, agora, estás também como humano. Em ti, contemplamos nossa condição humana glorificada, em Deus. Aspiramos a isso. Sonhamos com isso. Estamos vocacionados para a completa realização, como filhos de Deus. Continua, Senhor, a ser para nós, caminho, verdade e vida. E agora, com esta pandemia, quando experimentamos nossa fragilidade e nossa pequenez, aumenta em nosso coração a virtude da esperança. Que em nossos sofrimentos, em nossas pelejas humanas nos sustente a certeza da completa vitória que a tua ressurreição nos assegura. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Recomende, em oração, a Jesus ressuscitado as pessoas suas conhecidas que estejam em situação de aflição e sofrimento, neste momento da ameaça do novo coronavírus.

Nós nos encontramos, às 10 da noite, no facebook e no aplicativo Tempo de Paz. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200415

ENCONTRO COM JESUS RESSUSCITADO


Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando (Lc 24, 29)

15 de abril de 2020.

Um texto maravilhoso, que eu não me canso de ouvir, ler e explicar. Lucas 24. Os discípulos de Emaús. Numa canção que fiz e vocês conhecem, coloquei no refrão esse convite insistente dos dois discípulos: “Fica conosco, Senhor, é tarde, a noite já vem. Fica conosco, Senhor, somos teus seguidores também”.

Bem no domingo da ressurreição, dois discípulos voltam para casa, desanimados, entristecidos. Tinham todas as informações do que havia acontecido com Jesus na sua paixão e morte em Jerusalém e conheciam inclusive os rumores de sua ressurreição. Mas, estavam como que cegos, sofrendo pela ausência física de Jesus. A ressurreição não era uma nova luz na sua caminhada. 

A história dos discípulos de Emaús é uma linda catequese sobre a ressurreição; uma catequese dirigida aos seguidores de Jesus, nas comunidades. O texto tem claramente cinco partes. Poderíamos dar um título a cada parte: Caminho, Palavra, Caridade, Ceia Eucarística, Missão. Em cada parte, faz-se uma catequese sobre a Ressurreição do Senhor.

Na primeira parte, dois discípulos estão voltando de Jerusalém a Emaús, tristes e desanimados. Conversam e discutem entre si. Entra na conversa deles, um peregrino, que se mostra interessado no que está acontecendo. Pergunta o que aconteceu e escuta o relato deles: o profeta Jesus que eles seguiam morreu e não ressuscitou, apesar dos boatos. A catequese aqui é esta: O Senhor ressuscitado caminha conosco, interessado em nossos dramas, em nossos problemas. Ele é nosso companheiro de viagem. No caminho de sua existência humana, você tem um encontro com Jesus ressuscitado.

Na segunda parte, o peregrino é quem fala, ele relembra as Escrituras, mostrando como na vida do Galileu cumpriram-se as promessas e as profecias. A catequese aqui é esta: O Senhor ressuscitado ilumina o nosso caminho, a nossa vida, com a Palavra Deus. Na Palavra de Deus, você tem um encontro com Jesus ressuscitado.

Na terceira parte, o peregrino faz que vai passar adiante e eles insistem e o acolhem em casa. Acolher significa providenciar água, comida e dormida para aquele companheiro de viagem. Acolher o peregrino é um gesto de amor ao irmão que, no evangelho, consta na lista dos serviços ao próprio Jesus. A catequese aqui é esta: O Senhor ressuscitado tem um encontro marcado conosco no necessitado. Na caridade, você tem um encontro com Jesus ressuscitado.

Na quarta parte, eles põem a mesa e ceiam com o peregrino. Ele toma o pão, dá graças, parte o pão e o distribui. Ao partir do pão, gesto próprio da Ceia Pascal, eles se dão conta que o peregrino é o próprio Jesus ressuscitado. Ele desaparece. Claro, se acreditamos na ressurreição, não precisamos ver Jesus. A catequese aqui é esta: O Senhor ressuscitado continua oferecendo sua vida em nosso favor, no memorial de sua paixão, na santa Ceia. Na Eucaristia, você tem um encontro com Jesus ressuscitado.

Na quinta parte, eles voltam a Jerusalém, àquela hora da noite mesmo e se reintegram à comunidade dos discípulos, de onde tinham se destacado. Lá eles recebem o testemunho dos apóstolos de que Jesus ressuscitou. Lá, eles contam a história do seu encontro com Jesus na sua volta para Emaús. A catequese aqui é esta: O Senhor ressuscitado nos faz testemunhas de sua ressurreição. Na Missão, você tem um encontro com Jesus ressuscitado.

Guardando a mensagem

Sem a experiência do encontro com Jesus ressuscitado, nossa vida fica opaca, sem transcendência, sem horizontes. Sem integrar a ressurreição na sua vida ou na sua religião, tudo vira tristeza e desencanto. Mas, você pode encontrar o Senhor ressuscitado, ou melhor ele vem ao seu encontro, no seu caminho existencial, na audição da Palavra de Deus, no serviço da caridade aos sofredores, na Santa Eucaristia e no seu Testemunho missionário.

Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando (Lc 24, 29)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Nossa prece hoje é a dos discípulos de Emaús: “Fica conosco, Senhor. É tarde, a noite já vem!”. Sem tua presença de ressuscitado em nosso caminho, caminhamos para a noite, para o sem sentido, para o fracasso. Se estiveres conosco, o nosso caminho se ilumina, a Palavra santa que ouvimos enche-se de sentido, o serviço aos pobres enche o nosso coração de alegria. Pela tua ressurreição, por tua presença ao nosso lado, a celebração da Santa Missa é verdadeira comunhão com o teu sacrifício redentor e a Missão sai reforçada pelo nosso testemunho.
Fica conosco, Senhor!
Amém.

Vivendo a palavra

Hoje, dia 15 do mês, é um dia especial para nossa Associação Missionária Amanhecer, a AMA. É o nosso dia missionário. Reze pelo nosso trabalho. Reze por toda a Igreja para que nesta hora tão dramática da pandemia, sejamos testemunhas do Ressuscitado e de nossa vitória com ele. 

Por causa do dia missionário, vou estar numa programação especial, hoje, às 10 da manhã e às 10 da noite, no facebook e no aplicativo Tempo de Paz. A rádio Tempo de Paz está na loja de aplicativos do seu celular. É só baixar. É leve e tem uma programação muito especial. Você vai gostar.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...