Mostrando postagens com marcador Jo 17. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jo 17. Mostrar todas as postagens

20200529

CUIDA DAS MINHAS OVELHAS

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).
29 de maio de 2020


Mesmo Pedro tendo sido purificado pela palavra de Jesus, caiu na tentação. Negou o Mestre, por três vezes. Acovardou-se diante do risco de ser sua testemunha. Negou conhecê-lo, ser seu discípulo, ter parte com ele. E o galo cantou duas vezes, denunciando a fraqueza do apóstolo, reprovando a covardia do profeta. E a palavra de Jesus ecoou forte no coração de Pedro: “Antes que o galo cante duas vezes, tu me negarás três vezes”. É, Pedro estava devendo uma conta a Jesus. Mas, coitado, quando Jesus preso passando o olhou, Pedro, envergonhado e decepcionado consigo mesmo, chorou amargamente. Um pecador arrependido de sua falta, precisando redimir-se.

Mas, Pedro, não fique triste! Você negou Jesus três vezes. É hora de professar que o ama, por três vezes. Pedro, é o amor que nos redime dos nossos pecados: o amor de Jesus que o levou a morrer por nós e o nosso amor por ele, que nos faz acolher a sua obra redentora, de coração aberto. Pedro, é o amor que passa a limpo a nossa vida de erros e pecados. E, mais, Pedro: Jesus é fiel no seu amor. Ele chamou você para ser pescador de gente, pois vai confirmá-lo à frente do seu rebanho. E você, Pedro, fique certo, só poderá realizar essa missão de pastor se você amar muito a Jesus, se o amar mais do que os outros.

Ressuscitado, o Mestre voltou a olhar Pedro de frente. E Pedro já não desviou o olhar. Seu coração arrependido tinha acompanhado o Mestre na descida à mansão dos mortos. Mas, subira com ele. Ressuscitara com ele. Como se fazia quando se descia às águas, na piscina batismal do início do cristianismo. Nascemos de novo. Já não tem mais vez o Adão que nos habitava. O Ressuscitado traz pela mão o Pedro renascido na sua morte redentora. Três vezes traiu. Três vezes vai declarar seu amor incondicional ao Mestre. Como um neófito, um catequizando, vai subindo degrau por degrau da piscina batismal. “Simão, tu me amas?”. “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo.” “Então, cuida dos meus carneiros”. Sim, é isso, nossa fraqueza não conta mais. Conta a força da ressurreição do Senhor que nos ergue. Conta o amor com que respondemos ao seu chamado. Mais um degrau. “Simão, tu me amas?”. “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. “Então, toma conta das minhas ovelhas”. 

Tantos quantos foram os degraus que descemos, tantos subimos, ressuscitando com ele. E assumindo a sua mesma missão. Identificando-nos com ele. “Já não sou eu que vivo. É Cristo que vive em mim”. “Simão, tu me amas?”. E Pedro um pouco entristecido: “Sim, Senhor, tu sabes tudo, tu sabes que eu te amo”. “Então, toma conta do meu rebanho”. Apóstolo é que o foi escolhido. E enviado. Não porque é o melhor, o mais santo, o mais douto, mas porque amado pelo Mestre, porque escolhido por ele. Escolhido e enviado, porque ama o Senhor, porque confia apenas na fidelidade do seu Senhor, não na sua força, no seu poder, na sua sabedoria.

Guardando a mensagem

É para você a mensagem do evangelho de hoje, mesmo que você não se chame Pedro. O pecado leva você a se esconder de Deus, a se sentir indigno de estar em sua presença, como Pedro. O amor de Jesus por você, provado na sua morte na cruz, comunica-lhe vida nova, por sua ressurreição. É o amor que passa sua vida a limpo, cancelando as manchas do pecado, e fazendo de você uma testemunha do amor de Deus, um missionário de sua misericórdia, um cuidador, uma cuidadora do seu rebanho.

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Na palavra de hoje, entendemos que é o amor por ti que nos sustenta na missão. Pai e mãe, como bons pastores de sua família, receberam de ti essa missão e, apesar de sua fraqueza, são confirmados na sua missão na medida em que te amam verdadeiramente. Ao assumirmos o cuidado com os outros, nas muitas funções que a vida nos reserva, todos nos espelhamos em ti. Tu és o bom pastor que, por amor, dá a vida por suas ovelhas. Concede-nos, como Pedro, amar-te verdadeiramente e, nesse amor, cuidar daqueles que nos confias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em suas orações, hoje, inclua uma prece em favor dos padres que você conhece, dos líderes de sua comunidade, do bispo de sua Diocese. Peça em favor deles, para que sejam bons pastores do rebanho de Deus.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200528

O DOM DA UNIDADE

Eu lhes dei a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um (Jo 17,22)
28 de maio de 2020

Ao aproximar-se a festa de Pentecostes, quando celebramos a vinda do Santo Espírito, a Igreja nos lê a oração sacerdotal de Jesus, em João capítulo 17. Na última ceia, com os discípulos, Jesus ora por nós. Ontem, ficamos encantados como ele pediu ao Pai que não nos tirasse do mundo, mas nos livrasse do mal. Hoje, ele fez um pedido ainda mais especial: ‘que todos sejamos um’, isto é, que vivamos em perfeita unidade.


O que será essa ‘unidade’ que Jesus está pedindo ao Pai para nós? O que podemos pensar de ‘unidade’, nós um povo marcado por tanta divisão, nós mesmos tão egoístas e interesseiros, com tanta gente desencantada pelo desamor e até pela traição. A gente fala de unidade, mas nem sabe mesmo o que realmente seja, nem acredita que realmente ela possa existir entre nós.

Jesus pediu ao Pai que nós sejamos um, como ele e o Pai são um, isto é, como eles estão identificados no amor. Olha como ele disse: “para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste”.

Então, entre Jesus e o Pai existe essa unidade perfeita. A unidade é uma expressão do amor. Jesus, entre nós, manifestou o amor do Pai. Ele nos deu a conhecer quem é o Pai. O Pai amou o mundo e enviou Jesus. O que é de um é do outro. “O que é meu é teu e o que é teu é meu”. No dizer de Jesus, o Pai lhe deu suas palavras e a sua glória. Jesus ama o Pai e realiza com todo amor a sua vontade. Nada do que Jesus diz ou faz, o faz por sua conta, mas porque o Pai mandou fazer ou dizer. É tanta identificação, que, mesmo sendo duas pessoas, os dois são um, estão em perfeita unidade.

Essa unidade entre o Pai e Jesus é o modelo de unidade que ele está nos apresentando. É assim que devemos viver na comunidade, em unidade, como Jesus e o Pai. O mandamento que ele nos deu foi o amor fraterno - ‘amem-se uns aos outros’ - com um finalzinho muito, muito sério: ‘como eu amei vocês’. E como foi que Jesus nos amou? Dando-se por nós, entregando-se em nosso favor, tomando o nosso lugar na morte. Esse é o amor com que ele nos amou: ‘morrendo por nós’. Então, esse é o amor que devemos aos irmãos: acolher, ser solidário, compreender, perdoar, sacrificar-se pelos outros,... A unidade é uma expressão do nosso amor.

O que Jesus pediu ao Pai, então? Que ele nos ajude a amar; a permanecer nele, nos identificando com ele; a amar os irmãos, como ele nos amou. Jesus nos deu a glória do Pai, que é o seu amor, cuja máxima expressão é o dom do seu Espírito. É o Espírito Santo que nos faz filhos de Deus, que nos forma como discípulos, com os mesmos sentimentos de Jesus. É o Espírito da verdade que nos conduz para a unidade perfeita entre nós e com o Pai e o Filho.

Guardando a mensagem

Jesus pediu para os que crerem nele o dom da unidade, sermos um, vivermos em perfeita unidade entre nós e com Deus. Não somente imitemos o Pai e o Filho, mas estejamos neles, na sua própria unidade. Isso é possível, particularmente, pelo grande dom do Espírito Santo, que nos faz filhos, unidos a Cristo. A unidade é possível, porque ela já existe entre Jesus e o Pai, no Espírito Santo. E nós fomos alcançados pelo amor de Deus manifestado em Jesus, por suas palavras e suas obras e, sobretudo, pelo dom de sua vida em nosso favor.

Eu lhes dei a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um (Jo 17,22)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Nós estamos na Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Tu disseste, Senhor, que a unidade é a condição para que o mundo creia. Perdoa, Senhor, nossas faltas contra a unidade do teu rebanho, pelo pouco amor que demonstramos por tua Igreja e pela distância que alimentamos dos que creem em ti, mas pertencem a outras tradições cristãs. Pelo dom do teu Espírito, estamos unidos a ti, que nos amas de verdade. Por este mesmo dom, estamos unidos a todos os que creem em ti. Que o nosso amor, vivido nas comunidades cristãs e espalhado na sociedade, seja motivo de alegria e de glória para o Pai. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Se se apresentar, hoje, uma ocasião, fale com respeito e amor de sua comunidade cristã. Com igual afeto, faça referências a outras denominações cristãs. A unidade começa no coração.

Participe da Santa Missa que presido, hoje, às 11 horas da manhã, com transmissão pelas redes sociais (youtube, facebook e pelo aplicativo Tempo de Paz). Aproveite e me mande logo seu pedido de oração. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200527

LIVRA-NOS DO MAL

Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno (Jo 17, 15)

27 de maio de 2020


Na oração que Jesus fez ao Pai, rogando por nós, ele disse que não pedia que o Pai nos tirasse do mundo, mas que nos guardasse do maligno. De fato, no Pai Nosso, ele nos ensinou a pedir ao Pai que nos livre do mal. Não que nos tirasse do mundo, mas que nos guardasse do mal que está no mundo, foi o pedido dele.

Neste sentido, há uma outra expressão nessa oração de Jesus muito especial: “Eles não são do mundo, como eu também não sou do mundo”. Nós não somos do mundo, estamos no mundo. Jesus também não é do mundo. Mas, veio ao mundo com a missão de salvá-lo.

No evangelho de João, aparece muito clara a oposição entre Jesus e o mundo. O mundo seria a ruindade que está no nosso meio, essa parte perversa em nós e na sociedade que se opõe a Deus, o domínio do pecado. Poderíamos entender essa palavra ‘mundo’ como a humanidade decaída. E Jesus identifica que o mal desse mundo tem sua inspiração e seu comando no demônio, sendo este, no seu dizer, o pai da mentira. Este está em oposição ao Espírito da Verdade, o Santo Espírito de Deus.

O mundo é, então, esse conjunto de forças que está longe de Deus e que se opôs a Jesus, levando-o à morte. E que se opõe também aos discípulos, penalizando-os com a mesma perseguição. A rejeição e a perseguição foram muito fortes nas primeiras gerações de cristãos. O mundo que rejeitou Jesus rejeitou também a pregação e o modo de vida dos seus seguidores.

Às vezes, somos tentados a pensar numa separação completa entre o que é do mundo e o que é de Deus. E pensamos, erradamente, que de Deus são as coisas religiosas e do mundo são as coisas seculares. Engano. Tudo é de Deus, ele está em tudo e em todos. Deus se manifesta e comanda também o que nos parece secular, fora da órbita do sagrado. O que Deus criou é dele. O sonho é que tudo seja reino de Deus.

Às vezes, somos tentados também a pensar que, de um lado está o bem e do outro está o mal. Também este é um engano. As coisas podem estar misturadas, como Jesus mostrou na parábola do joio e do trigo. Não dá para arrancar logo o joio, senão prejudica o trigo que está crescendo ao seu lado. E só dá pra saber mesmo certinho quem é quem quando chega a hora de dar frutos. Quer coisa mais santa do que o grupo dos apóstolos, que Jesus pessoalmente escolheu, depois de uma noite de oração?! Pois, o traidor foi um dos doze apóstolos. As coisas, realmente, estão misturadas.

Mesmo habitado pelo mal, o mundo foi amado por Deus. E Jesus veio para convidá-lo à conversão. “Deus tanto amou o mundo que enviou o seu filho unigênito”. E o próprio Jesus explicou, para escândalo dos fariseus: “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”.

Guardando a mensagem

Na ceia, Jesus pediu ao Pai por nós: que ele nos livrasse do maligno. Nós não somos mais do mundo, somos de Deus. Mas, estamos no mundo. Jesus também não era do mundo, mas veio ao mundo para salvá-lo. Mesmo não sendo do mundo, estamos nele e temos uma missão dentro dele. Reconhecemos que esse mundo que Deus criou está cheio de coisas boas e promissoras. Mas, experimentamos também que há muita perversidade e maldade no meio do mundo. E temos certeza, como Jesus tinha, que sem desmerecer a responsabilidade humana, por trás de tanto mal há a atuação do inimigo da humanidade e de Deus. E temos consciência que o mal não está só fora do ambiente religioso. Também entre nós, há sementes de egoísmo, de violência e desamor.

Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno (Jo 17, 15)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Que a mentalidade do Reino de Deus – a fraternidade, a justiça, o amor, a paz – marque nossa vida de cristãos e nossos compromissos nesse mundo. E que a mentalidade do mundo – o individualismo, a luxúria, a exploração, o consumismo – não enfraqueça o espírito cristão que professamos. Livra-nos, Senhor, de todo o mal. Amém.

Vivendo a palavra

Estamos na semana de oração pela unidade dos cristãos. É possível que na sua família haja alguém que não seja católico. Hoje, dedique um momento de oração em favor dessa ou dessas pessoas. Peça pelo seu bem, pela sua felicidade, pela sua fidelidade ao evangelho.

A gente se reencontra às 22 horas, na Live da Oração da Noite, nas redes sociais: facebook, youtube e no aplicativo Tempo de Paz. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200526

JESUS REZANDO POR NÓS

Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus (Jo 17, 9)

26 de maio de 2020

Você já viu um pai rezando por seus filhos? Uma mãe rezando por seus filhos? O que eles pedem a Deus? Eles começam agradecendo pelos filhos que têm, não é verdade? Reconhecem que eles lhes foram confiados por Deus para que cuidassem deles. E rogam todo bem em seu favor: a saúde, a solução dos seus problemas, a fortaleza para vencerem as adversidades. Os mais idosos também dizem a Deus que já cumpriram sua tarefa, a missão que receberam. E, assim, pedem a Deus que, no dia em que partirem, seus filhos se conservem firmes na fé que receberam. Assim é a oração dos pais cristãos.

No evangelho de hoje, podemos ver Jesus rezando pelos seus discípulos, rezando por nós. Durante a ceia, num certo momento, Jesus se dirige ao Pai, com toda intimidade, e reza por nós, seus discípulos. “Eu te rogo por eles, porque são teus”. Estamos começando a leitura do capítulo 17 de São João, que é chamado de “a oração sacerdotal de Jesus”. E como foi a oração de Jesus naquele momento?

Primeiro, ele reconheceu que foi o Pai que lhe confiou aquele grupo, de quem ele se tornou tão próximo e tão amigo. Ele disse: “Eles eram teus e tu os confiaste a mim”. Os discípulos ali estavam no lugar de todos os seguidores de Jesus, eles nos representavam ali. Depois, Jesus disse ao Pai que tinha feito tudo quanto ele tinha mandado. “Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer”. Disse que tinha manifestado o nome do Pai aos discípulos, isto é, lhes revelara o Pai. E como ele tinha feito bem a obra de Deus, ele disse que também os discípulos fizeram bem a sua parte: guardaram a sua palavra, as palavras do Pai que ele lhes comunicou, acreditaram que ele era o enviado do Pai. Aí Jesus pediu para nós uma coisa muito especial. Queria nos dar a vida eterna. Foi isso que ele pediu ao Pai. ‘Quero comunicar a vida eterna a eles, com o poder que me deste’. E a vida eterna, disse o próprio Jesus, é que te conheçam, Pai, a ti e a mim, que tu enviaste. E ele insistiu: “Não rogo pelo mundo, rogo por eles. Eu já não estou no mundo. Eles permanecem no mundo”. Aí pediu que nos livrasse do maligno, do mal que está no mundo; que o Pai nos consagrasse na verdade; e nos conservasse unidos a ele. Quanta coisa bonita Jesus pediu pra gente ao Pai, naquela bela oração de despedida!

Guardando a mensagem

Jesus rezou por nós, que coisa maravilhosa. Aprendemos muitas coisas com sua prece. O Pai nos confiou a Jesus, para que ele cuidasse de nós, nos conduzisse de volta para sua casa. Em obediência ao Pai, Jesus nos revelou o amor deste Deus maravilhoso. E valorizou a nossa resposta: a nossa fé, o nosso amor por ele, o zelo que temos por sua palavra. O presente mais precioso que podemos receber, conforme Jesus rogou ao Pai, é a vida eterna. A vida eterna é a nossa vida humana cheia da glória de Deus, plenificada pelo seu amor, vida que a morte não mata mais; vida que desemboca na eternidade como felicidade e realização em Deus. E essa foi a obra de Jesus, por excelência. Pela doação de sua vida, ele nos comunica a vida eterna. Continuamos no mundo, mas não somos do mundo. Somos de Cristo, somos de Deus. Mas, continuamos no mundo, onde temos a grande responsabilidade de transformá-lo, promovendo a verdade, construindo a unidade e vencendo o mal.

Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus (Jo 17, 9)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu realizaste bem a obra que o Pai te deu para fazer. Tu nos revelaste o imenso amor do Pai por nós, pelo mundo, por todos. Nesta tua oração sacerdotal, nos sentimos todos incluídos e abraçados por tua preocupação, por teu carinho, por tua prece. É a oração de quem ama, de quem dá a vida pelos seus. Sabias bem, Senhor, que iríamos encontrar muitas dificuldades nesse mundo e que, por isso, precisaríamos da força de Deus. Continua, Senhor, orando por nós: para que não nos deixemos seduzir pelo mal da injustiça, da mentira, da violência. Ora por nós para que não cedamos à tentação da divisão, da indiferença e da incredulidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

À imitação de Jesus, pastor do rebanho, reze hoje, de maneira especial, em favor dos seus filhos, dos seus afilhados, dos seus netos, dos seus liderados, por aqueles sobre os quais você tem responsabilidade.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20190606

FRAQUEZA E GRANDEZA DO PASTOR

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).
07 de junho de 2019
Mesmo Pedro tendo sido purificado pela palavra de Jesus, caiu na tentação. Negou o Mestre, por três vezes. Acovardou-se diante do risco de ser sua testemunha. Negou conhecê-lo, ser seu discípulo, ter parte com ele. E o galo cantou duas vezes, denunciando a fraqueza do apóstolo, reprovando a covardia do profeta. E a palavra de Jesus ecoou forte no coração de Pedro: “Antes que o galo cante duas vezes, tu me negarás três vezes”. É, Pedro estava devendo uma conta a Jesus. Mas, coitado, quando Jesus preso passando o olhou, Pedro, envergonhado e decepcionado consigo mesmo, chorou amargamente. Um pecador arrependido de sua falta, precisando redimir-se.
Mas, Pedro, não fique triste! Você negou Jesus três vezes. É hora de professar que o ama, por três vezes. Pedro, é o amor que nos redime dos nossos pecados: o amor de Jesus que o levou a morrer por nós e o nosso amor por ele, que nos faz acolher a sua obra redentora, de coração aberto. Pedro, é o amor que passa a limpo a nossa vida de erros e pecados. E, mais, Pedro: Jesus é fiel no seu amor. Ele chamou você para ser pescador de gente, pois vai confirmá-lo à frente do seu rebanho. E você, Pedro, fique certo, só poderá realizar essa missão de pastor se você amar muito a Jesus, se o amar mais do que os outros.
Ressuscitado, o Mestre voltou a olhar Pedro de frente. E Pedro já não desviou o olhar. Seu coração arrependido tinha acompanhado o Mestre na descida à mansão dos mortos. Mas, subira com ele. Ressuscitara com ele. Como se fazia quando se descia às águas, na piscina batismal do início do cristianismo. Nascemos de novo. Já não tem mais vez o Adão que nos habitava. O Ressuscitado traz pela mão o Pedro renascido na sua morte redentora. Três vezes traiu. Três vezes vai declarar seu amor incondicional ao Mestre. Como um neófito, um catequisando, vai subindo degrau por degrau da piscina batismal. “Simão, tu me amas?”. “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo.” “Então, cuida dos meus carneiros”. Sim, é isso, nossa fraqueza não conta mais. Conta a força da ressurreição do Senhor que nos ergue. Conta o amor com que respondemos ao seu chamado. Mais um degrau. “Simão, tu me amas?”. “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. “Então, toma conta das minhas ovelhas”. Tantos quantos foram os degraus que descemos, tantos subimos, ressuscitando com ele. E assumindo a sua mesma missão. Identificando-nos com ele. “Já não sou eu que vivo. É Cristo que vive em mim”. “Simão, tu me amas?”. E Pedro um pouco entristecido: “Sim, Senhor, tu sabes tudo, tu sabes que eu te amo”. “Então, toma conta do meu rebanho”. Apóstolo é que o foi escolhido. E enviado. Não porque é o melhor, o mais santo, o mais douto, mas porque amado pelo Mestre, porque escolhido por ele. Escolhido e enviado, porque ama o Senhor, porque confia apenas na fidelidade do seu Senhor, não na sua força, no seu poder, na sua sabedoria.
Guardando a mensagem
É para você a mensagem do evangelho de hoje, mesmo que você não se chame Pedro. O pecado leva você a se esconder de Deus, a se sentir indigno de estar em sua presença, como Pedro. O amor de Jesus por você, provado na sua morte na cruz, comunica-lhe vida nova, por sua ressurreição. É o amor que passa sua vida a limpo, cancelando as manchas do pecado, e fazendo de você uma testemunha do amor de Deus, um missionário de sua misericórdia, um cuidador, uma cuidadora do seu rebanho.
Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Na palavra de hoje, entendemos que é o amor por ti que nos sustenta na missão. Pai e mãe, como bons pastores de sua família, receberam de ti essa missão e, apesar de sua fraqueza, são confirmados na sua missão na medida em que te amam verdadeiramente. Ao assumirmos o cuidado com os outros, nas muitas funções que a vida nos reserva, todos nos espelhamos em ti. Tu és o bom pastor que, por amor, dá a vida por suas ovelhas. Concede-nos, como Pedro, amar-te verdadeiramente e, nesse amor, cuidar daqueles que nos confias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Em suas orações, hoje, inclua uma prece em favor dos padres que você conhece, dos líderes de sua comunidade, do bispo de sua Diocese. Peça em favor deles, para que sejam bons pastores do rebanho de Deus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 07 de junho de 2019

20190604

ORANDO PELOS SEUS

Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus (Jo 17, 9)
04 de junho de 2019.
Você já viu um pai rezando por seus filhos? Uma mãe rezando por seus filhos? O que eles pedem a Deus? Eles começam agradecendo pelos filhos que têm, não é verdade? Reconhecem que eles lhes foram confiados por Deus para que cuidassem deles. E rogam todo bem em seu favor: a saúde, a solução dos seus problemas, a fortaleza para vencerem as adversidades. Os mais idosos também dizem a Deus que já cumpriram sua tarefa, a missão que receberam. E, assim, pedem a Deus que, no dia em que partirem, seus filhos se conservem firmes na fé que receberam. Assim é a oração dos pais cristãos.
No evangelho de hoje, podemos ver Jesus rezando pelos seus discípulos, rezando por nós. Durante a ceia, num certo momento, Jesus se dirige ao Pai, com toda intimidade, e reza por nós, seus discípulos. “Eu te rogo por eles, porque são teus”. Estamos começando a leitura do capítulo 17 de São João, que é chamado de “a oração sacerdotal de Jesus”.  E como foi a oração de Jesus naquele momento?
Primeiro, ele reconheceu que foi o Pai que lhe confiou aquele grupo, de quem ele se tornou tão próximo e tão amigo. Ele disse: “Eles eram teus e tu os confiaste a mim”. Os discípulos ali estavam no lugar de todos os seguidores de Jesus, eles nos representavam ali. Depois, Jesus disse ao Pai que tinha feito tudo quanto ele tinha mandado. “Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer”.  Disse que tinha manifestado o nome do Pai aos discípulos, isto é, lhes revelara o Pai. E como ele tinha feito bem a obra de Deus, ele disse que também os discípulos fizeram bem a sua parte: guardaram a sua palavra, as palavras do Pai que ele lhes comunicou, acreditaram que ele era o enviado do Pai. Aí Jesus pediu para nós uma coisa muito especial. Queria nos dar a vida eterna. Foi isso que ele pediu ao Pai. ‘Quero comunicar a vida eterna a eles, com o poder que me deste’.  E a vida eterna, disse o próprio Jesus, é que te conheçam, Pai, a ti e a mim, que tu enviaste. E ele insistiu: “Não rogo pelo mundo, rogo por eles. Eu já não estou no mundo. Eles permanecem no mundo”. Aí pediu que nos livrasse do maligno, do mal que está no mundo; que o Pai nos consagrasse na verdade; e nos conservasse unidos a ele. Quanta coisa bonita Jesus pediu pra gente ao Pai, naquela bela oração de despedida!
Guardando a mensagem
Jesus rezou por nós, que coisa maravilhosa. Aprendemos muitas coisas com sua prece. O Pai nos confiou a Jesus, para que ele cuidasse de nós, nos conduzisse de volta para sua casa. Em obediência ao Pai, Jesus nos revelou o amor deste Deus maravilhoso. E valorizou a nossa resposta: a nossa fé, o nosso amor por ele, o zelo que temos por sua palavra. O presente mais precioso que podemos receber, conforme Jesus rogou ao Pai, é a vida eterna. A vida eterna é a nossa vida humana cheia da glória de Deus, plenificada pelo seu amor, vida que a morte não mata mais; vida que desemboca na eternidade como felicidade e realização em Deus. E essa foi a obra de Jesus, por excelência. Pela doação de sua vida, ele nos comunica a vida eterna. Continuamos no mundo, mas não somos do mundo. Somos de Cristo, somos de Deus. Mas, continuamos no mundo, onde temos a grande responsabilidade de transformá-lo, promovendo a verdade, construindo a unidade e vencendo o mal.
Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus (Jo 17, 9)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tu realizaste bem a obra que o Pai te deu para fazer. Tu nos revelaste o imenso amor do Pai por nós, pelo mundo, por todos. Nesta tua oração sacerdotal, nos sentimos todos incluídos e abraçados por tua preocupação, por teu carinho, por tua prece. É a oração de quem ama, de quem dá a vida pelos seus. Sabias bem, Senhor,  que iríamos encontrar muitas dificuldades nesse mundo e que, por isso, precisaríamos da força de Deus. Continua, Senhor, orando por nós: para que não nos deixemos seduzir pelo mal da injustiça, da mentira, da violência. Ora por nós para que não cedamos à tentação da divisão, da indiferença e da incredulidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
À imitação de Jesus, pastor do rebanho, reze hoje, de maneira especial, em favor dos seus filhos, dos seus afilhados, dos seus netos, dos seus liderados, por aqueles sobre os quais você tem responsabilidade.

Pe. João Carlos Ribeiro – 04 de junho de 2019

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...