Mostrando postagens com marcador Bendita és tu entre as mulheres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bendita és tu entre as mulheres. Mostrar todas as postagens

20181221

7º dia da novena - O TESTEMUNHO DE ISABEL

Bendita és tu entre as mulheres (Lc 1, 42)
21 de dezembro de 2018.
Apresentação do tema
Izabel está radiante com a visita inesperada de Maria. Seu bebê de seis meses de gestação esperneia de contentamento. Izabel, cheia do Espírito Santo, festeja a chegada da jovem prima: "Bendita és tu entre as mulheres. Bendito é o fruto do teu ventre". A saudação de Izabel continua de boca em boca, cumprindo a profecia da Virgem: "Todas as gerações me chamarão bem-aventurada". E ela mesma deu a razão: "porque o Senhor fez em mim maravilhas".
A Igreja proclama as maravilhas que Deus fez em Maria. Uma delas foi a imaculada conceição. Todos nós nascemos com o pecado original, somos herdeiros da distância em que o ser humano se colocou de Deus. Ela foi preservada desse estado de separação de Deus, desde a sua concepção.
Ela é a “cheia de graça”. A concepção virginal também é obra do Senhor na vida de sua humilde serva. O filho de Deus foi gerado no seu seio por obra e graça do Espírito Santo. "Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, pecadores". Mãe de Deus: foi o reconhecimento dos cristãos reunidos no Concílio de Éfeso no ano 431. Jesus é homem e Deus, ao mesmo tempo, filho de Deus e de Maria. Ela é mãe do Filho, em quem o humano e o divino estão unidos. Ao término de sua vida terrestre, ela foi levada à glória celeste em corpo e alma. Chamamos isso de Assunção. Maria acompanha a condição de seu Filho. Está ressuscitada com ele, como nós estaremos um dia. Quando fazemos festa para Maria, na verdade, festejamos quem nela fez maravilhas.
Bendita és tu entre as mulheres (Lc 1, 42)
Oração do dia
Unamo-nos a todas as gerações que a proclamam bendita e façamos nossa a prece do anjo Gabriel, de Izabel e de toda a Igreja:
Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.
Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.
Bênção
O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Para você viver a palavra deste 7º dia da novena:
- O que você mais admira na pessoa da mãe de Jesus e nossa?
Amanhã, a gente se encontra para o 7º dia da novena.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.12.2018

20181212

A VISITA DE MARIA E A VISITA DE JESUS


Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? (Lc 1, 43)
12 de outubro de 2018.
Foi assim que Izabel mostrou a sua alegria ao receber Maria em sua casa. Aliás, tudo o que Izabel disse naquele encontro foi muito precioso, porque, diz o evangelho, ela ficou cheia do Espírito Santo. E uma das coisas que ela disse foi: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre”, louvação à Virgem que nós continuamos a fazer na Ave Maria.
Izabel tinha sido agraciada com a maternidade e já estava no sexto mês de gravidez. Ela estava vivendo dias de graça, de bênçãos. Depois de uma vida de humilhações pela esterilidade, já em idade avançada,  estava gerando um filho anunciado pelo Anjo a Zacarias, seu esposo. Sua vida é, agora, uma emoção só. E com a chegada de Maria, ela se sente tomada de alegria, cheia do Espírito Santo, como diz o Evangelho.
Ao chegar, Maria lhe fez a saudação de praxe, o Shalom, a paz de Deus. E essa saudação provocou uma enorme alegria em Izabel e na sua criança que estremeceu em seu ventre, pulando de alegria. A visita de Maria não foi uma simples visita. Na Bíblia, o povo fala da intervenção salvadora de Deus como de uma visita. Quando Jesus esteve em Naim, e ressuscitou o filho da viúva, espalhou-se o comentário: “Deus visitou o seu povo”. A visita de Maria é a visita de Deus. Ela leva a bênção de Deus, aliás, ela leva Deus mesmo, pois estava grávida de Jesus.
Maria foi à casa de Izabel, viajando de tão longe, para servir à sua prima idosa, naquela hora delicada de sua vida. Foi para oferecer sua companhia e seus préstimos, amparando a vida que estava chegando e a saúde de sua parenta. Foi também levar o testemunho silencioso da obra de Deus em sua vida. E demorou-se por lá por três meses, os últimos meses de gravidez de Izabel até o parto. Talvez não haja nenhuma ligação, mas note que a visita de Jesus, isto é o seu ministério público, demorou três anos.
Guardando a mensagem

Como foi preciosa a visita da mãe do Senhor à família de Izabel. Ela não levou nenhum presente especial, a não ser o filho de Deus em suas primeiras semanas de gestação. Izabel reconheceu na visita de Maria uma graça especial de Deus, ficou radiante, sua criança pulou de alegria. Quem deu a Izabel o conhecimento de que Maria era a mãe do seu Senhor? O Espírito Santo. Precisamos hoje do Espírito Santo para reconhecer a graça da visita do Senhor. Celebramos hoje, com a Igreja, a Virgem que apareceu no México ao índio Juan Diego, um catequista santo, em sinal de proteção aos pequenos e oprimidos: Nossa Senhora de Guadalupe.  Essa aparição foi como uma visita de Maria ao povo sofrido da América Latina, de quem agora é padroeira. Ela nos traz Jesus e o seu evangelho, evangelho da vida e da fraternidade.

Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? (Lc 1, 43)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A visita de tua mãe Maria à sua prima necessitada, em sua condição de idosa e gestante, era já uma imagem de tua visita à nossa humanidade. Inclusive, ela se demorou lá por três meses, como te demoraste por três anos em teu ministério público. Na oração diária, sempre repetimos as palavras do canto de Zacarias: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo”. Tua primeira vinda foi celebrada, então, como uma visita,
“a visita do sol nascente que vem iluminar os que estão nas trevas”. Queremos te recomendar, Senhor, as visitas que faremos ou receberemos neste final de ano. Que, em todas elas, possamos, como Maria, te levar aonde formos; e como Izabel, reconhecer a graça de Deus que nos visita. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, faça uma lista das pessoas que pretende saudar ou visitar neste final de ano. Firme o propósito de em cada visita, abrir portas para a visita de Jesus.
Pe. João Carlos Ribeiro – 12.12.2018

20171221

AS SURPRESAS DE DEUS NO ENCONTRO DE DUAS MULHERES GRÁVIDAS

MEDITAÇÃO
PARA A QUINTA-FEIRA,
DIA 21 DE DEZEMBRO

Bendito é o fruto do teu ventre (Lc 1, 42)
A visita de Maria à sua prima Isabel é uma cena que você conhece bem. É, inclusive, a meditação da segunda dezena dos mistérios gozosos do Terço. Ao saber da gravidez de risco de sua prima idosa, Maria logo viajou para a Judeia. Chegando, entrou na casa e saudou Isabel. O bebê de seis meses de gestação pulou de alegria no ventre de Isabel e ela cheia do Espírito Santo disse coisas maravilhosas sobre Maria e sobre Jesus. Vamos prestar atenção no que Isabel disse, aliás, proclamou quase aos gritos.
O que Isabel falou com tanta ênfase e entusiasmo pode ser organizado em sete afirmações: Tu és bendita entre as mulheres;  O fruto do teu ventre é bendito; Eu não mereço que a mãe do meu Senhor venha me visitar;  A tua saudação chegou aos meus ouvidos; E a criança pulou de alegria no meu ventre; Bendita é aquela que acreditou; O que o Senhor lhe prometeu será cumprido. Sete afirmações.
Isabel dá um belo testemunho sobre Jesus. Mas, o não separa  de sua mãe. Ele é o bendito fruto do ventre de Maria, seu filho bendito. Ele é o Senhor. “Ela é a mãe do meu Senhor”, disse Isabel. Jesus é filho de Deus e de Maria. Ela é grande pela sua fé. “Bem-aventurada aquela que acreditou”.
Vejamos: quanto tempo de gravidez tem Maria nesse momento? Bom, quando o anjo lhe comunicou que engravidaria por obra do Espírito Santo, naquela mesma hora ficou sabendo da gravidez de sua prima. E, segundo o evangelho, partiu apressadamente para encontrá-la. Então, mesmo que tenha demorado alguns dias de viagem, ela está com menos de um mês de gravidez, no máximo duas ou três semanas.  
Ao chegar à casa de Isabel, a saudação que ela dirigiu à prima - com certeza um simples  Shalom, como todo hebreu piedoso fazia -  provocou uma revolução em Isabel e no seu bebê de seis meses de gestação. Ele se contorceu de alegria. Ela ficou cheia do Espírito Santo. E uma das coisas que proclamou com entusiasmo foi “bendito é o fruto do teu ventre”. E mais: que Maria era a mãe do seu Senhor. Conclusão:  neste embriãozinho, em suas primeiras semanas de gestação, Isabel, iluminada pelo Espírito, já enxerga o seu Senhor, o Messias. Que grande lição para nossa sociedade que caminha a passos acelerados para a liberalização do aborto. A vida humana existe desde a concepção. Nosso dever é protegê-la.
Vamos guardar a mensagem de hoje
O testemunho de Isabel sobre Jesus é maravilhoso:  ele é o bendito fruto de Maria, a bendita entre as mulheres. Ele é o Senhor, sua origem é divina. E ela o reconhece, pelo Espírito Santo, em suas primeiras semanas de vida uterina. A vida humana já existe desde a concepção. A vida é sagrada. Sejamos seus guardiões.
Bendito é o fruto do teu ventre (Lc 1, 42)
Vamos acolher a mensagem com uma prece
Senhor Jesus,
a visita de tua mãezinha à sua prima necessitada, em sua condição de idosa e gestante, era já uma imagem de tua visita à nossa humanidade. Inclusive, ela se demorou lá por três meses, como tu te demorast  e por três anos em teu ministério público. Na oração diária, sempre repetimos as palavras do cântico de Zacarias: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo”. Tua primeira vinda foi celebrada, então, como uma visita, “a visita do sol nascente que vem iluminar os que estão nas trevas”. Obrigado, Senhor, por tua visita, por tua primeira vinda. Agora, toda a Igreja aguarda e clama por tua segunda vinda. Vem, Senhor Jesus!
Vamos vivenciar a palavra que meditamos  hoje
Na Ave Maria, repetimos as palavras de Isabel à Maria. “Bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre”. Hoje, durante o seu dia, procure repetir várias vezes essa linda prece.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.12.2017

20171212

O SENHOR FEZ EM MIM MARAVILHAS!


MEDITAÇÃO PARA A TERÇA-FEIRA,
DIA 12 DE DEZEMBRO,
DIA DE NOSSA SENHORA DE GUADALUPE,
PADROEIRA DA AMÉRICA LATINA
Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! (Lc 1, 42)
É a saudação da prima Izabel, quando Maria chega à sua casa.  Izabel está radiante com aquela visita inesperada. Seu bebê de seis meses de gestação esperneia de contentamento. Izabel, cheia do Espírito Santo, festeja a chegada da jovem prima: "Bendita és tu entre as mulheres. Bendito é o fruto do teu ventre". A saudação de Izabel continua de boca em boca, cumprindo a profecia da Virgem: "Todas as gerações me chamarão bem-aventurada". E ela mesma deu a razão: "porque o Senhor fez em mim maravilhas". Quando fazemos festa para Maria, na verdade festejamos quem nela fez maravilhas.
Izabel, movida pelo Espírito Santo, louvou Maria e o filho do seu ventre. Honrou Maria e Jesus. Nosso amor a Maria não escanteia Jesus. Pelo contrário, ela nos leva ao seu filho. Desde o casamento de Caná, ele vem nos recomendando que realizemos a palavra de Jesus. “Façam tudo o que ele vos disser”.
A Igreja proclama as maravilhas que Deus fez em Maria. Uma delas foi a imaculada conceição. Foi o que festejamos sexta-feira passada, dia 08 de dezembro. Todos nós nascemos com o pecado original, somos herdeiros da distância em que o ser humano se colocou de Deus. Ela foi preservada desse estado de separação de Deus, desde a sua concepção. Isso foi graça de Deus. Para nos livrar do pecado original, nós nos batizamos. Ela não precisou ser batizada. Já estava purificada desde o primeiro momento de sua existência. Obra de Deus.
"O Senhor fez em mim maravilhas", Maria reconheceu isso. A "Cheia de Graça" concebeu o seu filho Jesus sendo Virgem. Os evangelhos falam disso: Jesus foi concebido de maneira milagrosa. O filho de Deus foi gerado no seio da Virgem por obra e graça do Espírito Santo. A concepção virginal é obra do Senhor na vida de sua humilde serva.
"Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, pecadores". Mãe de Deus: foi o reconhecimento dos cristãos reunidos no Concílio de Éfeso no ano 431. Jesus é homem e Deus, ao mesmo tempo. Filho de Deus e de Maria. Ela é mãe do Filho, em quem o humano e o divino estão unidos.
Reconhecemos também que ela participou ativamente da paixão e da morte do Senhor. Esteve ao seu lado, entregou-se com ele, partilhou sua dor. Por isso, reconhecemos também que ela participou dos frutos de sua ressurreição. Maria não teve que esperar a ressurreição do último dia. Ao término de sua vida terrestre, ela foi levada à glória celeste em corpo e alma. Chamamos isso de Assunção. Maria acompanha a condição de seu Filho. Está ressuscitada com ele. Como nós estaremos um dia.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Quando fazemos festa para Maria, na verdade festejamos quem nela fez maravilhas. E festejamos o que em nós ele fez, faz e fará: o novo nascimento, a santificação, a ressurreição. Fez em Maria, fará em nós. "O Senhor fez em mim maravilhas": o canto de Maria é nosso canto também.
Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! (Lc 1, 42)
Vamos acolher a mensagem com uma prece
Nesta festa de N. Senhora de Guadalupe, que celebramos hoje, unamo-nos a todas as gerações que a proclamam bendita e façamos nossa a prece do anjo Gabriel, de Izabel e de toda a Igreja:
Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.
Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.
Vamos vivenciar a palavra que meditamos
Faça uma prece, hoje, à Virgem Maria em favor dos povos da América Latina.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.12.2017

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...