06 junho 2017

É lá que eu quero morar

Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! (Mc 12, 26-27)

Um grupo de saduceus traz uma questão a Jesus, como se fazia nos debates dos rabinos. Até chamam Jesus de ‘Mestre’. Os saduceus eram uma espécie de partido político-religioso, com forte influência no Sinédrio. O Sinédrio era um plenário das lideranças do povo de Israel. Eram saduceus os sumos-sacerdotes, escribas e os anciãos, representantes da aristocracia rural que faziam parte do Sinédrio. Os saduceus discordavam dos fariseus em vários pontos. Um deles era a ressurreição dos mortos. Para eles, gente rica e preocupada com a manutenção de sua condição social, a vida termina por aqui mesmo.

Trazem, então, uma questão, que com certeza, já tinham debatido com os fariseus. A Lei do Levirato do tempo de Moisés mandava o irmão se casar com a cunhada viúva, no caso de ela não ter filhos, isso para garantir a propriedade dos bens do falecido, uma vez que a mulher não tinha direito de posse. Mas isso, claro, não impedia desse irmão ter sua família. No caso inventado pelos saduceus, um irmão morreu, o outro teve se casar com a cunhada viúva. Morreu também esse, e lá foi o outro se casar com ela. Afinal, a mulher terminou se casando com os sete irmãos – olha que história! Se existir outra vida, pensavam, vai ser uma confusão: de quem essa mulher vai ser esposa? Isso prova, pensavam eles, que não existe outra vida depois da morte, não tem ressurreição coisa nenhuma.

Jesus explicou duas coisas: 1ª – Deus é Deus dos vivos. Há ressurreição, sim senhor. 2ª – Na ressurreição, não tem mais casamento. Estamos todos na casa do Pai, como irmãos.


Jesus foi explicando.... No episódio da sarça ardente, Deus falou com Moisés e se apresentou: “Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó”. Ele não disse: eu fui o Deus de Abraão, não, ele disse “eu sou o Deus de Abraão”. Então, Abraão está vivo, embora tenha morrido há séculos. Deus é o Deus de Isaac, é o Deus de Jacó. Não foi o Deus deles quando eles estavam na terra. Eles estão vivos com Deus. Deus é o Senhor deles, o seu Deus. Então, existe ressurreição. Foi o que Jesus concluiu: “Deus não é Deus de mortos, mas de vivos”

Para aquela gente materialista, Jesus deu uma grande lição. A vida futura não é uma simples continuação da atual. É uma nova forma de viver, uma condição perfeita de existir. E é para esta vida em Deus que nos preparamos aqui. É para lá que nós estamos indo, se estivermos marchando no caminho certo. Então, é o caso de orientarmos nossa existência atual na direção da eternidade.

Senhor Jesus,

Concede-nos, viver esta nossa vida humana como uma graça preciosa que de Deus recebemos. Não nos permitas que nos fixemos apenas nas coisas que a nossa vista alcança, pois os verdadeiros bens ainda estão por vir. Vivendo, estamos apenas a caminho da vida verdadeira e plena que concedes aos que creem. A nossa verdadeira casa é a tua, a casa do teu Pai, pela qual já ansiamos de coração inquieto. Dá-nos, Senhor, que não nos apeguemos demais às coisas dessa terra, pois nosso verdadeiro lar é contigo, por toda a eternidade, como filhos do único Deus e Pai, na grande festa do teu amor.
Amém.


Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! (Mc 12, 26-27)

Pe. João Carlos Ribeiro - 06.06.2017
Postar um comentário