20210215

O FERMENTO DE JESUS


16 de fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mc 8,14-21

Naquele tempo, 14os discípulos tinham se esquecido de levar pães. Tinham consigo na barca apenas um pão. 15Então Jesus os advertiu: “Prestai atenção e tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”.
16Os discípulos diziam entre si: “É porque não temos pão”. 17Mas Jesus percebeu e perguntou-lhes: “Por que discutis sobre a falta de pão? Ainda não entendeis e nem compreendeis? Vós tendes o coração endurecido? 18Tendo olhos, não vedes, e tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais 19de quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas? Quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?”
Eles responderam: “Doze”. 20Jesus perguntou: “E quando reparti sete pães com quatro mil pessoas, quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?” Eles responderam: “Sete”. 21Jesus disse: “E ainda não compreendeis?”

MEDITAÇÃO


Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

Os discípulos estavam discutindo a respeito de pão, de comida. Eles tinham se esquecido de levar pão para a viagem. E olha que eles tinham presenciado Jesus alimentar a multidão com poucos pães, por duas vezes. E até, nesta ocasião, tinham recolhido vários cestos de sobra de pães. Mas, estavam discutindo, se desentendendo, um pondo a culpa no outro... a discussão estava esquentada. Foi quando Jesus fez uma advertência que eles não entenderam: "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes". Eles não entenderam. E você entendeu?

Jesus aproveitou a situação para ajudá-los a pensar. Ele queria que eles prestassem atenção ao modo como ele conduzia a sua missão. Esse era o bom fermento que eles precisavam imitar. Era assim que eles precisavam agir. Ficassem atentos ao modo como Jesus fazia as coisas. Mas também prestassem atenção ao modo como os fariseus se comportavam em suas práticas. Comparando, poderiam perceber uma grande diferença. "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes!"

E como era o fermento de Jesus, isto é, com que sentimentos, atitudes e valores Jesus estava no meio do povo? Com que fermento, ele fazia o seu pão, realizava a sua missão? Os discípulos podiam ver... Jesus agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Aqui estava toda a diferença. Agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Vamos explicar melhor. Compaixão é uma palavra frequente nos evangelhos falando do encontro de Jesus com os sofredores, os doentes, os excluídos. Compaixão é amor, misericórdia, ternura, solidariedade, tudo junto. Agia movido pela compaixão. E valorizava a partilha, isto é, a participação de cada um, colocando o seu pouco em comum. Ele recebeu a partilha da criança – alguns pães e poucos peixes – e repartiu com todos. Ele mesmo estava a serviço do seu povo. Não se comportava como um senhor poderoso, mas como um servo. Veio para servir, não para ser servido. No final, lavou os pés dos discípulos, para não restar qualquer dúvida sobre isso. Compaixão, partilha e serviço. Esse é o fermento de Jesus.

Os discípulos precisavam estar atentos também ao fermento dos fariseus e de Herodes, para ver a diferença. E tomar distância do estilo deles. Em que consistia o fermento deles? Consistia em agir com hipocrisia, com desprezo às pessoas e buscando sempre os próprios interesses. Jesus desmascara o comportamento hipócrita deles: exigem dos outros, mas eles mesmos não praticam; criam leis para os outros, fingindo que as cumprem. Hipocrisia. Mas também desprezavam os pobres, tomando-os por ignorantes, iletrados, pecadores. O que Herodes queria mesmo era riqueza e poder. Herodes é o poder opressor que perseguiu e decapitou João Batista. Esse é o fermento mal, o dos fariseus e o de Herodes: hipocrisia, desprezo ao povo e busca de privilégios.

Guardando a mensagem

O fermento de Jesus é o modo como ele se conduz na realização de sua missão. Três palavras podem definir o bom fermento do Mestre: compaixão, partilha e serviço. O estilo dos fariseus e o estilo de Herodes continuam hoje de outra forma. No fundo é o mesmo: buscando vantagens para si mesmos, desprezando os mais simples e fazendo apenas o jogo da aparência. Esse estilo não pode ser imitado por nós, nem pelos nossos líderes, nem pelos ministros da Igreja. Somos imitadores de Jesus. Precisamos guiar nossas ações pelo fermento de Jesus.

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Nós somos os teus discípulos. E tomamos para nós essa tua chamada de atenção. Em nossa vida, em nosso trabalho, em nossa convivência em família ou em sociedade, é assim que precisamos viver: com o bom fermento do teu modo de agir. O teu fermento é o amor solidário, a valorização da partilha na busca de soluções e o espírito de serviço aos outros. Disseste para termos cuidado com o fermento dos fariseus e de Herodes. O fermento dessa turma é conhecido: não fazerem o que ensinam, discriminarem tudo que é popular e a gananciosa corrida para se dar bem a qualquer custo. Obrigado, Senhor, por teu ensinamento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Amanhã, com a Quarta-feira de Cinzas, iniciaremos a Quaresma. Vá preparando o coração para entrar neste novo tempo com toda disposição. A Quaresma é uma caminhada de quarenta dias com o Senhor Jesus e sua Igreja, cultivando a conversão e o seguimento do Mestre.

E eu tenho um convite para lhe fazer. Toda quinta-feira, celebramos a Missa dos Ouvintes e Associados, às 11 horas, com transmissão pelo rádio e pelas redes sociais. Com a Santa Missa desta quinta depois das cinzas, iniciaremos as celebrações dos 25 anos de nossa Associação Missionária Amanhecer, a AMA. A Missa desta quinta será excepecionalmente às 9 horas da manhã e será transmitida pela Rede Vida de Televisão.  O convite é para você se unir a nós nesta celebração, rezando conosco pela missão. 

Pe João Carlos Ribeiro, sdb

20210214

OS SINAIS DE DEUS


15 de fevereiro de 2021


EVANGELHO



Mc 8,11-13

Naquele tempo, 11os fariseus vieram e começaram a discutir com Jesus. E, para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu. 12Mas Jesus deu um suspiro profundo e disse: “Por que esta gente pede um sinal? Em verdade vos digo, a esta gente não será dado nenhum sinal”. 13E, deixando-os, Jesus entrou de novo na barca e se dirigiu para a outra margem.

MEDITAÇÃO


Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)

Os fariseus fizeram muita raiva a Jesus. Puxa vida! Eles, os mais praticantes da lei de Moisés, foram os que mais lhe criaram problema. Naquele dia, eles vieram e começaram a discutir com Jesus. Jesus gostava de dialogar com as pessoas. O diálogo é sempre útil para quem quer, de verdade, partilhar seus pontos de vista e se enriquecer com a verdade dos outros. Eles, por fim, queriam uma prova, um sinal do céu. Queriam que Jesus mostrasse algo poderoso, algo forte, convincente, que tirasse todas as suas dúvidas. Dúvidas sobre os seus ensinamentos, dúvidas sobre sua identidade.

Naquela altura da discussão, Jesus desistiu. Eles queriam um sinal do céu. Deus não gosta de agir dessa forma. Não pretende convencer com poderosos sinais, com manifestações extraordinárias de poder e autoridade. Isso está fora da lógica da encarnação. A lógica da vinda de Jesus foi a encarnação do Verbo. O Deus onipotente fez-se pequeno, humano. E desceu mais ainda na escala da grandeza, fez-se servo obediente. É o que nos diz o apóstolo Paulo na carta aos Filipenses. Então, os fariseus não contem com um sinal do céu para convencê-los.

Um sinal do céu: isto é para quem abre o coração para a ação de Deus, para quem crê. Nos milagres de Jesus, muitas vezes ele diz: “A tua fé te salvou”. A fé é essa abertura do coração humano para o amor de Deus, para a ação dele. Sem a fé, sem o coração aberto para Deus, impedimos a sua obra em nós. Em Nazaré, Jesus não pode fazer muitos milagres, porque o povo de lá não tinha fé. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê. A Virgem Maria reconheceu: “O Senhor fez em mim maravilhas”. E Izabel tinha lhe dito: “Bem-aventurada a que acreditou”. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê.

Os fariseus queriam um sinal do céu, um milagre retumbante. Só assim, pensavam eles, acreditariam em Jesus. Como tanta gente que você conhece, eles estavam se movendo na lógica do poder, da força. Julgavam que acreditariam presenciando um milagre espantoso. Mas, eles já tinham presenciado tanta coisa maravilhosa operada por Jesus. Mesmo diante de um outro poderoso sinal, eles levantariam novas suspeitas, arrumariam novas desculpas… Nessa lógica do poder, Deus se imporia com sua grandeza acachapante. A lógica da encarnação do Verbo é outra. No menino perseguido de Belém, está o próprio Deus, a pessoa do Filho. No sofredor, no humilhado, nos desvalorizados da sociedade, você encontra e alimenta, veste, visita, defende o próprio Filho de Deus. Crer não é o resultado de um impactante milagre. Crer é um ato livre, amoroso em resposta à manifestação de Deus na encarnação do Verbo. Os sinais de Deus e do seu amor estão por toda parte, em nossa vida, no cotidiano de nossa existência, bem pertinho da gente. Milagres? Claro, para quem o acolheu na fé.

Guardando a mensagem

Os fariseus queriam um sinal do céu para acreditar em Jesus. Olha o comentário do Mestre: “por que essa gente quer um sinal? A essa gente não será dado nenhum sinal”. E foi embora. A lógica de Deus é a encarnação do Verbo. Jesus veio nos salvar assumindo nossa condição humana, inclusive nossa morte. Os sinais de Deus estão por toda parte, no cotidiano de nossa existência. Coisas maravilhosas, graças, milagres continuam a acontecer... na vida de quem crê. A fé é a porta aberta para a ação maravilhosa de Deus. Então, não fique esperando uma impactante manifestação de Deus para passar a viver intensamente o seguimento de Jesus. A proclamação da Palavra (que vem de Deus, na fraqueza dos evangelizadores) pede uma resposta de sua parte. Sua resposta é a fé. A fé é a aposta do amor que acolhe o Senhor na Gruta de Belém ou na Cruz do Calvário. Entendeu? Deus se manifestou em nossa fraqueza. Que coisa maravilhosa!

Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,
A tua encarnação – que é a lógica de Deus – está na contramão de nossa cultura. Admiramos e nos dobramos à visão do palácio, não do casebre; da catedral, não da capela; do doutor, não do gari. Tu assumiste a nossa condição humana, e abaixando-te ainda mais, te fizeste servo e servidor de todos. No mais humilde, te manifestas com maior eloquência. No mais sofrido, falas com mais vigor. No oratório humilde, resplende ainda mais a tua glória. Ensina-nos a tua lógica, Senhor. Liberta-nos da lógica do poder e da grandeza. Seja bendito o teu santo, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno de anotações (o seu caderno espiritual), faça uma lista dos sinais de Deus em sua vida.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210213

UM DOMINGO E DOIS LEPROSOS

 

14 de fevereiro de 2021
6º. Domingo do Tempo Comum


EVANGELHO


Mc 1,40-45

Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado.
43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!” 45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.

MEDITAÇÃO


Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade, ficava fora, em lugares desertos (Mc 1, 45)

Neste 6º Domingo do Tempo Comum, temos dois leprosos na liturgia da palavra. Naamã foi purificado pelo profeta Eliseu. Eliseu mandou um recado: "vá se lavar sete vezes no Rio Jordão". O leproso do evangelho foi purificado por Jesus. Nos gestos de Jesus, vemos sua compaixão e sua proximidade dos sofredores. 

Um leproso chegou perto de Jesus e pediu para ser curado. Jesus, cheio de compaixão, tocou nele e o curou. Mas, lhe pediu para não dizer nada a ninguém. Que fosse logo ao Templo para comprovar que já estava bom e fazer a oferenda necessária, para ser reintegrado em sua comunidade. Mas, ele saiu divulgando o acontecido. Resultado: Jesus já não podia mais entrar publicamente numa cidade. Tinha que ficar fora, em lugares desertos.

No tempo da Bíblia, lepra era qualquer doença de pele que se apresentasse um tanto repulsiva. Nem tudo era propriamente a hanseníase como nós a conhecemos. Não havia cura para esse mal, diferentemente de hoje. E o leproso era afastado da convivência da família e da sociedade de uma maneira muito dramática. As leis, a um tempo civis e religiosas, estavam codificadas no Livro do Levítico, o terceiro livro da Bíblia. Por essas leis, o leproso tinha que ser excluído da comunidade, andar com as roupas rasgadas e cabelo desgrenhado, o rosto ou a barba cobertos e permanecer sempre fora das áreas de moradia. Leproso era um condenado. Devia ficar fora, excluído, afastado de todos. E ainda mais, ao se aproximar de qualquer um devia gritar que era impuro, pra ninguém chegar perto.

Impureza era um conceito a um tempo religioso e sanitário. Impuro era quem estivesse afastado da bênção de Deus. No tempo de Jesus, impuro, além do leproso, era quem entrasse em contato com estrangeiros, com sangue ou mesmo tivesse tocado num corpo sem vida. A impureza só se resolvia no Templo, oferecendo-se um sacrifício. Quem ficasse bom da lepra devia comparecer no grande Santuário, e comprovada a sua cura, oferecer um cordeiro em reparação expiatória para ser declarado puro e, só então, retornar ao convívio familiar. Por isso, Jesus sempre manda os leprosos se apresentarem aos sacerdotes, para serem declarados puros. Mas, claro, não é o Templo quem os purifica, mas sim o próprio Jesus.

O leproso no fundo é um representante do pecador. O pecador, sim, é esse impuro que se distanciou de Deus e está fora da comunhão com o seu Deus e Criador. O pecador é o Adão que foi expulso do paraíso, ficou fora. Ele e Eva, sua mulher e companheira de desobediência. João Batista identificou Jesus como o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Na verdade, não é o cordeiro sacrificado no Templo que limpa o pecador, é Jesus quem nos liberta do pecado. Ele, sim, é o cordeiro de Deus que tira o pecado. E como ele fez isso? Tomando o nosso lugar, pagando por nós.

Guardando a mensagem

O leproso é um representante do pecador. São Paulo escreveu com todas as letras: "o salário do pecado é a morte". Essa é a sorte do pecador, sua pena: a morte. Na cruz, Jesus tomou o nosso lugar, morreu por nós, isto é, morreu em nosso lugar. Expiou o nosso pecado. Ele o fez oferecendo-se a si mesmo ao Pai, como humano que era e como Deus verdadeiro que sempre foi. O Pai recebeu essa oferenda expiatória: seu filho, humano e divino, ofereceu sua vida, morreu em nosso lugar. Foi expiada nossa culpa. Note como termina o evangelho de hoje. Jesus já não podia entrar na cidade, tinha que ficar fora, em lugares desertos. Ele assumiu o lugar do leproso. O leproso é quem devia ficar fora, excluído, marginalizado. Jesus tomou o nosso lugar de pecador, de leproso, ficou do lado de fora. Fisicamente, morreu fora da cidade, banido, executado como malfeitor, como pecador. Tomou o nosso lugar. Foi assim que expiou o nosso pecado.

Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade, ficava fora, em lugares desertos (Mc 1, 45)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Essa história do leproso é surpreendente. Os leprosos, somos nós os pecadores. O pecador está excluído da comunhão com Deus e com os irmãos. Pôs-se do lado de fora. O pecado nos conduz à morte. Mas, tu, na tua compaixão, nos purificaste, assumindo o nosso lugar de pecadores. Morreste no nosso lugar. Na santa missa, repetimos teus gestos e palavras ao ofereceres tua vida por nós: "Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados". Tua morte - teu sangue derramado como um cordeiro oferecido em sacrifício - expiou nossa culpa, remiu nosso pecado. Obrigado, Senhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Seria bom você ler a história do leproso Naamã. Isso lhe dará mais compreensão da história do leproso do evangelho de hoje. Então, procure na sua Bíbia: 2 Reis 5, 9-14. 

Um domingo de saúde e de paz pra você e sua família! Sem carnaval e sem coronavírus.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210211

OS SETE PÃES E A EUCARISTIA



13 de Fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mc 8,1-10

1Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2“Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não tem nada para comer. 3Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”.
4Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”. 6Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíram ao povo.
7Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram. 9Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

MEDITAÇÃO


Jesus pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem (Mc 8,6 ).

O povo está com Jesus numa região deserta. É uma multidão numerosa, umas quatro mil pessoas. Estão com fome. Jesus, com pena daquela gente, quer alimentá-los. Mas, como? - perguntam os discípulos. Com os sete pães que os discípulos tinham, Jesus alimentou todo mundo. O povo se sentou, Jesus pegou os pães, deu graças e os deu aos discípulos que os distribuíram com a multidão. O mesmo fez com alguns peixinhos. As sobras encheram sete cestos.

Uma história tão simples e tão cheia de significados Sete pães e sete cestos de sobras. Esse mesmo evangelista Marcos conta outra multiplicação de pães. Na outra, sobraram doze cestos. Doze é o número do povo de Deus. Tudo bem. Deus alimenta o seu povo. Nesta, Jesus está em território pagão. Sete é o número das nações pagãs, quando o povo chegou em Canaã. Também os pagãos têm lugar no banquete de Jesus.

Bom, mas eu queria que a gente se concentrasse no lindo significado que tem esse texto, como uma catequese que é da Eucaristia, da Santa Missa. Veja só a pista que o evangelista deixou. Os discípulos comentaram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?”. Pense comigo: quando foi que o povo foi saciado de pão no deserto? Pensou?.... lembrou-se do “maná”? Perfeito. No tempo antigo, o povo que peregrinava no deserto, com fome, sem comida, foi alimentado por Deus com o maná. Deus teve compaixão do seu povo e mandava toda manhã o maná, o pão que descia do céu.

Jesus tem compaixão daquele povo que está com ele já há três dias, com fome, e providencia o alimento. Agora, acompanhe os gestos de Jesus: “Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíam ao povo”. Deu pra todo mundo. Ficou todo mundo satisfeito. As sobras foram recolhidas. E Jesus despediu a multidão. Essas palavras vão se repetir na última Ceia. Essa refeição coletiva é já uma preparação para a Eucaristia, uma espécie de catequese sobre a Santa Ceia. 

Na narração, percebe-se a estrutura da celebração da Eucaristia: o povo reunido em torno de Jesus; Jesus que anuncia o Reino de Deus; Jesus que toma os pães, dá graças, reparte e manda distribuir; a multidão que é alimentada; a despedida. É a estrutura da missa: a acolhida, a mesa da palavra de Deus, a mesa do pão consagrado, a despedida.

Guardando a mensagem

Olha quanta coisa podemos aprender nesse texto: antes do pão, vem a Palavra (Jesus passou três dias anunciando o Reino de Deus ao povo, antes da multiplicação dos pães); a Eucaristia é especialmente partilha, dom de si mesmo aos outros (Os discípulos só tinham sete pães e alguns peixinhos e ofereceram tudo. Eles recebiam os pedaços de pão de Jesus e os entregavam ao povo); a Eucaristia é o próprio Jesus que se entrega em alimento para a multidão faminta (Jesus mesmo parte o pão e o entrega, como se a si mesmo se desse em alimento); toda refeição em família é uma espécie de eco da Eucaristia (ali também damos graças a Deus e abençoamos a comida); as sobras devem ser recolhidas e guardadas (é assim que guardamos a reserva eucarística no sacrário e também aprendemos que devemos evitar todo desperdício de alimento).

Jesus pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem (Mc 8,6 ).

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,
Vemos nessa cena da multiplicação dos pães no deserto, uma preparação para a Ceia Eucarística que celebraste com teus discípulos, antes de tua paixão e que celebras conosco todos os dias, especialmente no domingo, o dia de tua páscoa. Tu és o pão da vida. Tu a ti mesmo te deste como alimento, verdadeiro maná que alimenta para a vida eterna. Concede-nos, Senhor, que aprendamos contigo a compaixão e a partilha como disposições necessárias para celebrar contigo o sacramento da Eucaristia. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Como estamos em um final de semana, podemos fazer desse texto uma preparação para a Santa Missa do domingo, o dia do Senhor. Não podendo participar presencialmente, acompanhe devotamente a Missa de sua comunidade pelas redes sociais.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

ELE FAZ BEM TODAS AS COISAS


12 de Fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mc 7,31-37

Naquele tempo, 31Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. 32Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. 34Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!” 35Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.
36Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”

MEDITAÇÃO 


Ele tem feito bem todas as coisas (Mc 7, 32)

Você já viu um oleiro trabalhando o barro? E já o viu fazendo alguma coisa de barro: um jarro, um animal, a figura de uma pessoa? Mas, garanto que você já ouviu essa frase antes: “Ele tem feito bem todas as coisas” ou “Ele viu que tudo era bom”. Lembra onde escutou essa frase?

Essa frase evoca a primeira página da Bíblia. Livro do Gênesis, a narração da criação. Deus criou o mundo em sete dias. E, no final de cada dia de trabalho, está escrito: “Deus viu tudo que tinha feito: e era muito bom” (Gn 1,31). Isso quer dizer: tudo estava bem feito. No sexto dia, Deus criou o homem. E o fez do pó da terra. Soprou em suas narinas o sopro da vida e o homem se tornou um ser vivente. E de novo “viu que tudo estava bem feito”.

Veja se essa narração não é o modelo para a narração da cura do surdo-mudo, no evangelho de hoje! Trouxeram o homem surdo. Jesus o levou para longe do povo, tocou nos seus ouvidos com os seus dedos, cuspiu, tocou em sua língua com a saliva e suspirou dizendo “Efatá” (abre-te). Ele ficou bom. Começou a ouvir e falar direito. E o povo admirado dizia: “Ele tem feito bem todas as coisas”.

Achou alguma coisa parecida entre a narração da criação do homem e a cura do surdo?! Veja lá... Deus fez o homem do pó da terra. Claro, essa é a imagem do oleiro, que faz uma imagem de barro, mexendo, ajeitando com os dedos as suas feições, os seus ouvidos, a sua boca... E depois soprou em suas narinas para lhe comunicar a vida. Agora veja o que Jesus fez: separou o homem do meio do povo, ficou mexendo nos seus ouvidos com os dedos e na sua língua (as partes que não estavam funcionando bem, pois não escutava e não falava bem). E depois suspirou... suspirou? Deve-se entender melhor: soprou... Foi assim na criação do homem: Deus soprou nas narinas do protótipo de barro. Percebem, é uma espécie de reedição da criação do homem. E as pessoas entendem isso, pois reconhecem admiradas “Ele tem feito bem todas as coisas”.

Guardando a mensagem

A cura, no fundo, é uma representação da ação mais profunda de Jesus, da realização de sua missão. Jesus não estava apenas curando pessoas.... ele estava consertando a obra prima da criação que o pecado tinha desfigurado. Deus tinha feito tudo bem-feito, mas o homem, pelo pecado, atrapalhou tudo, introduzindo a destruição, a morte. O ser humano que saiu perfeito das mãos de Deus estava todo desfigurado espiritualmente. Jesus veio resolver isso, veio salvar o ser humano desfigurado pelo pecado... por isso, nos evangelhos, aparecem tantas curas de doentes e possuídos pelo mal. Ele está restaurando a obra de Deus. E o faz, como Deus que é, agindo como o Criador na primeira página da Bíblia.

Ele tem feito bem todas as coisas (Mc 7, 32).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
No batismo, tem uma parte em que o ministro, como tu fizeste com o surdo-mudo, mexe no ouvido do batizando, sopra e diz “Éfata”, isto é “abre-te”! É um rito, depois do batismo na água, que realça a grande verdade que Deus, no batismo, nos restaura, nos faz novas criaturas, nos põe de novo na condição original de escutar Deus e de falar com ele, de sermos seus interlocutores. Claro, só fala bem quem ouve bem. Concede, Senhor, que nós, restaurados por tua morte e ressurreição, vivamos dignamente essa nossa santa vocação de filhos de Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Repita muitas vezes, no dia de hoje, essa palavra do povo, no evangelho: “Ele tem feito bem todas as coisas”. Isso pode ajudar você a recordar, com gratidão, a obra redentora de Jesus, o seu batismo,... Liberto de sua condição de surdo-mudo, você agora é seu interlocutor, ouvindo sua Palavra, falando com ele, dizendo aos outros como ele é bom.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210210

OS CACHORRINHOS DEBAIXO DA MESA

 




11 de Fevereiro de 2021


EVANGELHO


Mc 7,24-30

Naquele tempo, 24Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido.
25Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés. 26A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio. 27Jesus disse: “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”.
28A mulher respondeu: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”.
29Então Jesus disse: “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”. 30Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já havia saído dela.

MEDITAÇÃO

É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair (Mc 7, 28)

Não foi uma coisa fácil as primeiras comunidades cristãs se abrirem para os pagãos. Jesus era judeu. Maria era judia. Os apóstolos, todos judeus. Aquela gente tinha consciência clara de ser o povo de Deus, o povo com quem Deus vivia em uma sagrada aliança. O Senhor Deus mesmo o tinha escolhido como seu povo, libertando-o da dominação dos pagãos no Egito e em Canaã. A orientação sempre foi tomar distância dessas nações idólatras. Então, os pagãos estavam fora do horizonte dos judeus piedosos do tempo de Jesus. Certo, os que queriam viver a fé no Deus vivo podiam se aproximar das comunidades judaicas como prosélitos, mas não com os mesmos direitos. Todo homem judeu estava circuncidado, sinal de sua aliança com Deus. E todo judeu marcava bem sua condição de membro do povo da aliança pelo cumprimento do sábado, da páscoa, das peregrinações e festas anuais e por tudo o que a Lei de Moisés prescrevia.

Na verdade, essa ideia de separação e exclusão dos outros povos cresceu muito com o exílio da Babilônia. Foi quase uma forma de sobrevivência de uma comunidade muito machucada e humilhada pelos grandes impérios que se sucederam. O ambiente em que Jesus nasceu e cresceu era esse. Aliás, tinha um novo complicador: a dominação dos pagãos romanos. Mas, nem sempre se pensou assim em Israel. Quando o povo começou a se formar, Abraão foi chamado por Deus para ser uma bênção para todas as nações da terra. E mesmo nos momentos mais dramáticos da história deles, havia quem pensasse diferente. Vários profetas, como Isaías do tempo do exílio, sonharam com um mundo em que todas as nações conheceriam o Deus verdadeiro e se encontrariam numa grande peregrinação à cidade santa de Jerusalém.

Depois que Jesus voltou para o Pai, as comunidades cristãs foram se espalhando e, aos poucos, foram integrando também pagãos convertidos. Foi uma mudança muito grande, assimilada com dificuldade pelos cristãos que vinham da prática da Lei de Moisés. Chegou-se a uma tensão tão grande, que precisou haver uma reunião em Jerusalém com Paulo, Pedro e todos os apóstolos e lideranças para resolver isso. Afinal, a comunidade se abriu ao Espírito Santo e foi vendo com clareza, que chegara o tempo em que Deus queria que todos conhecessem, amassem e seguissem a Cristo, fossem judeus ou não. E pra seguir Jesus não era preciso ter os mesmos costumes que os judeus (como por exemplo a circuncisão, o sábado, etc.). O cristianismo era um novo momento do povo de Deus, aberto a todas as nações e povos do mundo.

Assim, quando os evangelistas e suas comunidades contaram a história de Jesus, se lembraram desse passo tão sério que foi deixar de discriminar os pagãos para integrá-los na comunidade, como irmãos. Foi assim que Marcos contou que Jesus estava visitando um território pagão e veio uma mulher daquela região pedir-lhe para libertar a filha da dominação do demônio. A resposta de Jesus foi como o seu povo pensava, a resposta de uma comunidade que ainda não tinha acolhido os pagãos como irmãos: “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”. Os filhos, claros, são os judeus. Os cachorros são os pagãos. Essa era a mentalidade. A resposta da mulher representa bem toda a humildade e o espírito penitente com que os pagãos se aproximaram da fé em Jesus Cristo: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”. Diante dessa condição necessitada, penitente e humilde dos pagãos, as comunidades abriram os braços para acolhê-los. A resposta de Jesus é o retrato disso: “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”. A salvação em Cristo veio para todos.

Hoje, com o Dia de Nossa Senhora de Lourdes, estamos celebrando o 29° Dia Mundial do Doente. Em sua Mensagem para para esta data, o Papa Francisco apresentou o tema: "Um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos" (Mt 23,8), um caminho de fraternidade na atenção aos enfermos. 

Guardando a mensagem

O episódio da mulher pagã que foi pedir a Jesus para libertar sua filha do demônio representa bem as pessoas de outros povos e religiões que procuraram a comunidade cristã para participar também da salvação em Cristo. Os seguidores de Jesus tiveram muita dificuldade para integrar os pagãos na comunidade, porque viviam dentro de uma mentalidade de discriminação dos não-judeus. Contando essa história, os evangelistas mostravam como Jesus, dentro daquele contexto de exclusão dos pagãos, rompeu com esse esquema e alargou a sua missão também para os pagãos. Hoje, padecemos também de uma mentalidade que separa claramente o religioso do profano, as coisas de Deus das coisas do mundo. Jesus veio para salvar o mundo. E nos mandou anunciar a salvação a todos. A comunidade cristã tem a vocação de ser uma comunidade em diálogo com o mundo, com as outras religiões, com todos. A Igreja é o fermento na massa, o fermento de Deus no mundo.

É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair (Mc 7, 28)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu és o salvador da humanidade. Venceste o pecado e o mal que mandavam no mundo. É assim que lemos no evangelho tantas histórias em que libertaste pessoas do teu povo da dominação do demônio, até mesmo dentro da sinagoga. Nessa história da mulher pagã que foi te pedir para tu libertares sua filha, vemos como tua ação redentora abriu-se também para as pessoas pagãs. Tu te colocaste como missionário do Pai a serviço do bem de todos, sem discriminação. Tua atitude ajudou as primeiras comunidades cristãs a compreenderem que a salvação chegara para todos. Senhor, ajuda-nos a vencer também a estreiteza de nossos pensamentos que nos fecham em nossos templos e não nos permitem ver a missão na sua abrangência no mundo, como bênção que deve chegar a todos, transformando toda a realidade com a tua graça. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

A tarefa, hoje, é rezar pelos doentes. E rezar com o coração aberto para todos os sofredores, recordando que a salvação, por meio de Cristo, veio para todos. 

Participe conosco da Santa Missa de hoje, na memória de Nossa Senhora de Lourdes, neste Dia Mundial dos Enfermos. A Missa começa às 11 horas da manhã, transmitida pelo rádio e pelas redes sociais. Para você que recebe a Meditação no seu celular, estou enviando o link para você acompanhar a celebração e compartilhar com os seus contatos. Convide a pessoa idosa ou enferma de sua casa para acompanhar a Santa Missa. Haverá um momento de bênção dos enfermos, no final da celebração. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210209

A LIMPEZA DO CORAÇÃO


10 de fevereiro de 2021


EVANGELHO


Mc 7,14-23

Naquele tempo, 14Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: 15o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16Quem tem ouvidos para ouvir ouça”.
17Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18Jesus lhes disse: “Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, 19porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?” Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros.
20Ele disse: “O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23Todas estas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.

MEDITAÇÃO


O que torna a pessoa impura não é o que vem de fora, mas o que sai do seu interior (Mc 7, 15).

No tempo de Jesus, havia uma preocupação exagerada com a pureza ritual. A pureza era a condição de quem estava limpo, de quem não foi contaminado por alguma coisa externa. Muita coisa podia contaminar uma pessoa e torná-la impura. E uma vez impura, a pessoa tinha que passar por muitos rituais para se limpar: quarentena, banho, abluções, sacrifícios de animais e outras coisas mais. A pessoa impura ficava afastada das coisas de Deus, não podia praticar a religião publicamente, não estava em condições de se apresentar a Deus. Nem podia estar junto dos outros, para não contaminá-los.

E o que causava impureza para uma pessoa? A lista é longa. O sangue era o elemento mais perturbador da harmonia religiosa do povo de Deus. Nisto, a mulher saía muito prejudicada pela menstruação mensal e pelo parto. Muitos alimentos estavam proibidos, pois transmitiam impureza, por exemplo, carne de porco e de outros animais. Também se tornava impuro quem tocasse num morto, quem tivesse qualquer aproximação com pagãos, quem tivesse qualquer contato com um leproso. Era um crime um impuro se aproximar de uma pessoa e, impensável, que viesse a tocá-la. Isto contaminaria gravemente a pessoa que fosse tocada.

Você já percebeu que as leis da pureza no tempo de Jesus representavam uma grande opressão para as pessoas, impedindo que se cuidasse melhor dos doentes, discriminando os pobres e marginalizando ainda mais a mulher. Os fariseus, que formavam uma numerosa confraria de homens praticantes da Lei, ficavam antenados para recriminar ou denunciar qualquer um que não andasse segundo essas leis da pureza. E Jesus, você sabe, não estava muito preocupado com essas leis, fruto de uma religiosidade feita de coisas exteriores e fomentadora de discriminação entre as pessoas.

O grave era que Jesus era tocado por pessoas impuras. A mulher do fluxo de sangue tocou na franja do seu manto. Ele tocou no leproso para curá-lo. Pegou no caixão do morto em Naim, e mandou o rapaz se levantar. Desculpou os discípulos que estavam comendo sem terem lavado as mãos... Jesus não era um bom cumpridor das leis da pureza ritual do seu tempo. E os fariseus ficavam revoltados com isso. O raciocínio de Jesus era simples: não é o que entra pela boca que suja o homem, que o torna impuro. O que torna impura uma pessoa é o que sai dela, as coisas ruins que vêm do seu coração. O coração, para o povo da Bíblia, é onde se tomam as decisões. Aí ele fez uma lista: más intenções, imoralidades, roubos, assassinatos, adultérios, ambições, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho,... Tudo isso sai do coração de uma pessoa, disse Jesus. Isso, sim, torna a pessoa impura.

Guardando a mensagem

O que faz impura uma pessoa não é o que vem de fora, mas o que sai de dentro do seu coração. Foi esse o ensinamento de Jesus. O que vamos guardar da palavra dele, hoje? Uma lição pode ser essa: se uma prática, religiosa ou não, servir de alguma forma para desprezar, discriminar, afastar, cercear a liberdade, com certeza não é uma coisa de Deus. Outra lição: Com certeza, há muitos preconceitos que nós introjetamos durante a vida de que deveríamos nos libertar. Jesus era uma pessoa livre e libertadora. Por amor a Deus e aos irmãos, procure libertar-se dos preconceitos.

O que torna a pessoa impura não é o que vem de fora, mas o que sai do seu interior (Mc 7, 15).

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,
Ficamos olhando, com curiosidade e admiração, para tua pessoa, vivendo na Galileia, naqueles anos 30. Eras um judeu piedoso, conhecedor das Escrituras como muitos outros, fiel às celebrações da sinagoga e às peregrinações anuais, respeitoso da bela história de fé do teu povo. Quando falavas do Reino, do amor misericordioso de Deus, revelando-o como pai amoroso dos seus filhos e filhas, o povo ficava encantado. Essa verdade de um Deus próximo e amoroso mexia com a religião de Israel, ou melhor, punha em xeque aquela religiosidade marcada por normas e ritos externos. Foi por isso que os fariseus e os mestres da lei reagiram tão ferozmente. Eles saíram em defesa da tradição como eles a entendiam e de sua posição de liderança ameaçada. Dá-nos, Senhor, que essa novidade, que é o teu evangelho, seja sempre um fermento para nos libertar de qualquer farisaísmo e de toda opressão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje, no seu diário espiritual (ou na sua agenda ou no seu caderno), anote as 13 coisas ruins que saem do coração. Isso sim torna a pessoa impura, disse Jesus. Para saber quais, leia Marcos 7, 20-23.

E a Missa dos Ouvintes e Associados que celebramos toda quinta-feira, às 11 da manhã, nesta quinta feira coincide com o Dia de N. Sra. de Lourdes, e com ele, a Jornada Mundial dos Enfermos. Prepare a sua participação enviando o seu pedido de oração e convidando o doente de sua casa para particpar da Missa. Como a transmissão é também pelo Youtube, você tem a opão de acompanhar por sua Smart TV. Vale também pelo rádio e pelas redes socias. Então, amanhã, quinta-feira, às 11 horas da manhã, a Santa Missa pelos doentes e por quem cuida deles..

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...