PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: bater à porta
Mostrando postagens com marcador bater à porta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bater à porta. Mostrar todas as postagens

ESPERANDO O SENHOR VOLTAR

Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar (Lc 12 ,37)
23 de outubro de 2018.
O tema é o da vigilância, da prontidão. E este tema é desenvolvido nos evangelhos, com diversas histórias e comparações. Recebemos uma tarefa e vamos prestar contas dela a qualquer momento. Precisamos estar atentos e vigilantes. Nada de dormir no ponto.
O empregado está esperando a volta do seu patrão, que foi a uma festa de casamento, e volta a qualquer momento. É necessário que esteja acordado na hora em que o patrão voltar, para abrir a porta assim que ele bater. O patrão, de tão satisfeito, é quem vai por a mesa para o seu empregado.
Nessa alegoria, o senhor é o próprio Jesus. Ele viajou (é a ascensão ao céu), mas, vai voltar e ninguém sabe a hora certa em que vai chegar (é a sua nova vinda). O empregado sou eu, é você. Ficamos na responsabilidade de cuidar de sua casa, de sua família. A casa pode ser minha família (que não é minha), a minha comunidade (que não é minha), a organização a que pertenço. Nós não somos os donos, somos os empregados. Vamos prestar contas. Vamos ser avaliados. E a hora de sua chegada pode ser a qualquer momento, ele vem sem programação. Mas, vai ficar muito feliz se encontrar tudo em ordem. Vai cear com o seu empregado, contar as novidades de sua viagem, mostrar sua gratidão e sua confiança nele.
É certo que ele vem. E vem, definitivamente, no final dos tempos. Mas, de verdade, vem sempre. Vem numa grande oportunidade. Se não estamos preparados, perdemos (uma promoção, um concurso, um casamento, uma porta de realização, um salto em nossa vida espiritual). É, ele sempre vem. Se não vem, manda chamar a gente. É a morte. Essa é a hora da avaliação de nossa vida. Aprovados, iremos para o banquete eterno que ele mesmo nos servirá. Se não manda chamar, manda um aviso. É a doença. A doença me diz: você não está aqui pra sempre, você é frágil; você recebeu uma tarefa: está valorizando os meios que lhe foram dados para realizar a sua missão: a saúde, as pessoas que lhe querem bem, as qualidades, as capacidades que Deus lhe deu?
Guardando a mensagem
Jesus contou várias histórias ou alegorias para enfatizar a necessidade de estarmos vigilantes, no período de sua ausência física. Ele nos deixou responsáveis por sua missão, por sua casa, pelo bem do seu povo. Não sabemos quando voltará. E como ele não tem hora pra chegar, há sempre a tentação de relaxar nossas tarefas, ou de abandonar o nosso posto de responsáveis. Ele chega a qualquer hora. Precisamos estar atentos, vigilantes, ativos. De prontidão. Não podemos dormir no ponto.
Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar (Lc 12 ,37)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Disseste “que os seus rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas”. Rins cingidos é estar com o cinturão afivelado, em posição de quem está pronto para sair ou realizar uma tarefa. Lâmpadas acesas é também o sinal de vigilância, de se estar desperto, de olho no que está acontecendo. Estás nos orientando, Senhor, a assumir uma postura de fidelidade e vigilância, na tensão de tua vinda a qualquer momento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Diga várias vezes durante o dia essa oração que está no livro do Apocalipse: “Vem, Senhor Jesus” (Ap 22, 20).

Pe. João Carlos Ribeiro - 23.10.2018

NÃO DURMA NO PONTO


Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar (Lc 12 ,37)



O tema é o da vigilância, da prontidão. E este tema está tratado, no evangelho, com diversas historias e comparações. Recebemos uma tarefa, vamos prestar contas dela a qualquer momento. Precisamos estar atentos e vigilantes. Nada de dormir no ponto.

O empregado está esperando a volta do seu patrão, que foi a uma festa de casamento, e volta a qualquer momento. É necessário que esteja acordado na hora em que o patrão voltar, para abrir a porta assim que ele bater. O patrão, de tão satisfeito, é quem vai por a mesa para o seu empregado.

Nessa alegoria, o senhor é o próprio Jesus. Ele viajou (é a ascensão ao céu), mas, vai voltar e ninguém sabe a hora certa em que vai chegar (é a sua nova vinda). O empregado sou eu, é você. Ficamos na responsabilidade de cuidarda casa dele, da família dele. A casa é a minha família (que não é minha), a minha comunidade (que não é minha). Ficamos na responsabilidade de cuidar dessa família, dessa comunidade, dessa organização. Nós não somos os donos, somos os empregados. Vamos prestar contas. Vamos ser avaliados. E essa hora de sua chegada pode ser a qualquer momento, ele vem sem programação. Mas, vai ficar muito feliz se encontrar tudo em ordem. Vai cear com o seu empregado, contar as novidades de sua viagem, mostrar sua gratidão e sua confiança nele.

É certo que ele vem. E vem, definitivamente, no final dos tempos. Mas, de verdade, vem sempre. Vem numa grande oportunidade. Se não estamos preparados, perdemos (uma promoção, um concurso, um casamento, uma porta de realização, um salto em nossa vida espiritual). É, ele sempre vem. Se não vem, manda chamar a gente. É a morte. Essa é a hora da avaliação de nossa vida. Aprovados, iremos para o banquete eterno que ele nos servirá. Se não manda chamar, manda um aviso. É a doença. A doença me diz: você não está aqui pra sempre, você é frágil; você recebeu uma tarefa: está valorizando os meios que lhe foram dados para realizar a sua missão: a saúde, as pessoas que lhe querem bem, as qualidades, as capacidades que Deus lhe deu?

Postagem em destaque

A AFLIÇÃO DE UMA MÃE

25 de junho de 2022 Imaculado Coração de Maria EVANGELHO Lc 2,41-51 41Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém, para a festa da Páscoa...

POSTAGENS MAIS VISTAS