PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Primogênito
Mostrando postagens com marcador Primogênito. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Primogênito. Mostrar todas as postagens

POR CRISTO, COM CRISTO, EM CRISTO



Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado (Lc 23, 42)

24 de novembro de 2019

Hoje é o domingo de Cristo Rei do Universo, o último domingo do ano litúrgico. Domingo que vem já será o advento, a preparação para o natal do Senhor. Com essa solenidade, somos convidados a contemplar Jesus Cristo, no meu mistério, na sua grandeza. Claro, toda celebração é celebração do mistério de Cristo. Mas, esse domingo nos dá uma oportunidade especial para reconhecer o lugar do nosso redentor no plano de Deus. Deus se inspirou nele para criar tudo e todos. Deus reconciliou os pecadores por meio dele. Deus o constitui líder da humanidade, guia do povo a caminho. 

Estou impressionado com a última frase do evangelho de hoje, a resposta que Jesus, na cruz, deu ao malfeitor que lhe pediu para lembrar-se dele quando entrasse no seu reinado: “Em verdade, eu te digo: ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. O ‘bom ladrão’ falou de reinado, Jesus falou de paraíso. 

Falando em ‘paraíso’, a gente logo se lembra do Éden, o paraíso do início da Bíblia. No Éden, Deus e suas criaturas viviam em grande harmonia. Adão, Eva e o Criador, passeavam juntos naquela jardim, todas as tardes. Mas, Adão e Eva, a respeito da árvore do bem e do mal, duvidaram de Deus e o desobedeceram. A humanidade se afastou de Deus. Tudo quanto foi coisa ruim entrou no mundo, inclusive a morte. Adão e Eva são nossos representantes. No nosso pecado, toda a criação de Deus ficou prejudicada. A árvore do paraíso foi a árvore do pecado. 

Essa situação de pecado e afastamento de Deus foi superada por Jesus. Ele veio a nós, em nossa humanidade. Ele veio resgatar as ovelhas perdidas, a humanidade pecadora. Por causa dos nossos pecados, foi levado à cruz. A cruz de madeira plantada na terra é o contrário da árvore do paraíso. Na árvore da cruz, o Filho reconciliou a humanidade com Deus, dizendo ‘sim’ à vontade divina, entregando sua vida em sacrifício pelos pecadores. É o que se lê na carta de São Paulo aos Colossenses: “Deus quis, por ele, reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue de sua cruz”. A sua cruz é nova árvore, a árvore da graça. 

Dá para entender o que São Paulo escreveu nesta carta aos Colossenses: Jesus é o primogênito de toda a criação. Foi por ele e para ele que tudo foi criado. Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude e, por ele, reconciliar consigo todos os seres. É assim que o celebramos como rei do universo. Tudo foi criado à sua imagem e semelhança. Tudo converge para ele. Ele é o alfa e o ômega, o princípio e o fim, como está escrito no livro do Apocalipse. 

São Pedro explicará, naquele primeiro sermão, em Jerusalém: “Portanto, que todo o Israel fique certo disto: Este Jesus, a quem vocês crucificaram, Deus o fez Senhor e Cristo". Por sua ressurreição, Jesus foi constituído guia e salvador da humanidade. Seguindo a tradição bíblica, nós o chamamos de “Rei do Universo”. Mas, ele não é rei como outros. Na cruz, aparece a tentação de “salvar-se a si mesmo”. Jesus não reinou assim, procurando o benefício para si mesmo ou poupando a sua vida. Pelo contrário, ele reinou dando a sua vida, entregando-a em favor dos pecadores. 

Guardando a mensagem

Com o título de ‘rei’, podemos ser tentados a associar Jesus aos grandes deste mundo. Se isto acontecesse, estaríamos desfazendo do evangelho, colocando Jesus na mesma galeria dos senhores que governam com a força das armas e nem sempre no interesse do povo. No evangelho, contemplando Jesus em sua paixão e morte, reconhecemos claramente a sua realeza. Ele é rei dando a vida por nós, sendo testemunha fiel do amor do Pai até o fim. A cruz é o seu trono. Não é à toa que Pilatos mandou escrever aquela plaquinha no alto de sua cruz: “Jesus Nazareno Rei dos Judeus”. De verdade, ali ele era rei. A festa de Cristo Rei foi criada em 1925, pelo Papa Pio XI. Naquele clima de pós-guerra mundial, a Igreja apresentou Jesus Cristo como senhor e rei de todos os povos, único capaz de conduzir a humanidade para a paz. Com esta solenidade, celebramos também o Dia dos Leigos e das Leigas. Os batizados participam da realeza de Jesus no mundo. Os leigos fermentam o mundo com o evangelho. Com sua presença e sua liderança, leigos e leigas santificam a família, o trabalho, a cultura, a festa, a sociedade, o estado.

Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado (Lc 23, 42)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras da carta de São Paulo aos Colossenses (Col 1, 12-20):

Senhor Jesus, 

Com alegria, damos graças ao Pai, que nos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos. É por ti que temos a redenção, o perdão dos pecados. Tu existes antes de todas as coisas e todas têm em ti a sua consistência. Tu és a Cabeça do Corpo, isto é, da Igreja. Tu és o Princípio, o Primogênito dentre os mortos; de sorte que em tudo tu tens a primazia, porque Deus quis habitar em ti com toda a sua plenitude e, por meio de ti, reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da tua cruz. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Leia, em sua Bíblia, o evangelho de hoje (Lucas 23, 35-43) e responda: Quantas vezes aparece a expressão “salva-te a ti mesmo”?


Pe. João Carlos Ribeiro – 24.11.2019

O ANCIÃO E A LUZ

MEDITAÇÃO
PARA SEXTA-FEIRA,
DIA 29 DE DEZEMBRO
Senhor, meus olhos viram a tua salvação (Lc 2, 30)
Vamos acompanhar, hoje, a família de Jesus em Jerusalém. Está tudo no evangelho de Lucas. Maria e José, com o filho nos braços, estão chegando ao Templo. O que será que eles vieram fazer?

O livro do Levítico (capítulo 12) prescrevia tudo com detalhes. Dando à luz uma criança de sexo masculino, a mulher devia passar um resguardo de 40 dias. Depois desta quarentena, devia ir à Tenda de reunião da comunidade para purificar-se. A lei do AT era muito rigorosa em relação a tudo que envolvesse sangue: menstruação, parto, morte violenta, etc. Tudo isso tornava a pessoa impura e levava a rituais de purificação com holocaustos e oferendas no Templo. Então, uma das razões da vinda da família de Nazaré ao Templo de Jerusalém é a purificação de Maria.
A vinda ao Templo se explica ainda por uma segunda tradição. São normas codificadas no Livro do Êxodo, capítulo 13. Era um costume que visava manter viva a memória da libertação do Egito, onde Deus puniu os egípcios com a morte dos primogênitos. Assim, todo primogênito era consagrado a Deus. Primogênito é o primeiro filho, de gente ou de animal. Fosse animal – um carneiro, um bezerro, um jumentinho – seria sacrificado a Deus, como oferenda. Fosse gente, o primogênito seria resgatado, isso é, em lugar dele os pais ofereciam um carneirinho ou pássaros. E é isso que vieram fazer em Jerusalém: a purificação da mãe e o resgate do filho primogênito.
Observando esse jovem casal que está chegando ao Templo, com a criança nos braços, ficamos admirados como eles estão profundamente integrados na cultura religiosa do seu povo, como são cumpridores das regras da lei judaica. Por esses ritos, a sua gente reconhecia a vinda de uma criança ao mundo como uma coisa sagrada. Uma coisa que tinha a ver com Deus. E ainda reforçava a sua pertença ao povo da aliança, lembrando o compromisso da consagração do primogênito, como memória da libertação do Egito. Essa peregrinação deles à cidade santa de Jerusalém é uma forma concreta de reconhecer Deus como senhor da história e fonte da vida.
O certo é que em Jerusalém, José e Maria reconhecem sinais de Deus que os confirma na missão que assumiram, desde a anunciação do anjo. Um homem idoso muito santo, de nome Simeão, veio também ao Templo e toma o menino Jesus nos braços. E reza com todo o coração e cheio do Espírito Santo: "Agora, Soberano Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque os meus olhos viram tua salvação, que preparastes em face de todos os povos, luz para iluminar as nações e glória de teu povo, Israel".
Vamos guardar a mensagem de hoje
Maria e José estão no Templo de Jerusalém. E eles vieram fazer duas coisas muito importantes: a purificação da mãe e o resgate do filho primogênito. Como judeus piedosos, eles estão cumprindo a Lei de Moisés, com muito zelo. No Templo, têm uma surpresa. Um ancião venerável, Simeão, pede para segurar um pouco o menino e faz um impressionante louvor a Deus . Ele reconhece Jesus, como a luz que Deus mandou para iluminar o povo do mundo. E diz a Maria que uma espada irá transpassar o seu coração de mãe. De verdade, o Senhor Jesus, com a sua graça e com sua Palavra, enche nossa vida de luz. E, nós iluminados por ele, somos chamados a difundir a sua luz ao nosso redor: em casa, na vizinhança, no nosso local de trabalho, na sociedade toda.
Senhor, meus olhos viram a tua salvação (Lc 2, 30)
Vamos acolher a mensagem de hoje com uma prece
Senhor Jesus,
Quando eras uma criancinha e foste levado ao Templo para a consagração dos primogênitos, o profeta Simeão te tomou nos braços e disse que tu eras a luz para iluminar as nações do mundo. Tu mesmo admitiste na presença dos teus discípulos: ‘Eu sou a luz do mundo, quem me segue não anda nas trevas’. Uma vez iluminados com a tua luz, chamaste a nossa atenção para sermos também iluminadores dos outros. Hoje, te pedimos, Senhor, que a tua luz não se apague em nossos corações e em nossa vida. E que essa luz que vem de tua Palavra, de tua presença através da Igreja e na Eucaristia seja a luz que nós refletimos para os que conosco convivem ou conosco se encontram. Seja o bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra que meditamos
Quando nos batizamos, fomos iluminados por Cristo.  A Igreja nos deu uma vela acesa para nos lembrarmos:  ‘Jesus te iluminou. Com ele, serás uma luz para os outros’. O que você poderia fazer, hoje, para mergulhar mais ainda nessa verdade: ‘Jesus me iluminou. Com ele, ilumino os outros’?  Posso lhe oferecer algumas sugestões. Escolha uma. Acenda uma vela (pode ser uma vela virtual). Poste uma foto do seu batizado ou do batizado do seu afilhado ou afilhada. Ilumine o seu presépio de maneira especial. Leia o evangelho de hoje. Compartilhe esta meditação. Ou invente outra coisa. Tudo para reforçar sua adesão a Cristo, a luz que Deus mandou para iluminar o mundo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 29.12.2017

Postagem em destaque

A sua e nossa missão.

  03 de dezembro de 2022 Sábado da 1ª Semana do Advento Memória de São Francisco Xavier EVANGELHO Mt 9,35 –10,1.6-8 Naquele tempo, 35Jesus p...

POSTAGENS MAIS VISTAS