PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Domingo de Cristo Rei
Mostrando postagens com marcador Domingo de Cristo Rei. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Domingo de Cristo Rei. Mostrar todas as postagens

POR CRISTO, COM CRISTO, EM CRISTO



Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado (Lc 23, 42)

24 de novembro de 2019

Hoje é o domingo de Cristo Rei do Universo, o último domingo do ano litúrgico. Domingo que vem já será o advento, a preparação para o natal do Senhor. Com essa solenidade, somos convidados a contemplar Jesus Cristo, no meu mistério, na sua grandeza. Claro, toda celebração é celebração do mistério de Cristo. Mas, esse domingo nos dá uma oportunidade especial para reconhecer o lugar do nosso redentor no plano de Deus. Deus se inspirou nele para criar tudo e todos. Deus reconciliou os pecadores por meio dele. Deus o constitui líder da humanidade, guia do povo a caminho. 

Estou impressionado com a última frase do evangelho de hoje, a resposta que Jesus, na cruz, deu ao malfeitor que lhe pediu para lembrar-se dele quando entrasse no seu reinado: “Em verdade, eu te digo: ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. O ‘bom ladrão’ falou de reinado, Jesus falou de paraíso. 

Falando em ‘paraíso’, a gente logo se lembra do Éden, o paraíso do início da Bíblia. No Éden, Deus e suas criaturas viviam em grande harmonia. Adão, Eva e o Criador, passeavam juntos naquela jardim, todas as tardes. Mas, Adão e Eva, a respeito da árvore do bem e do mal, duvidaram de Deus e o desobedeceram. A humanidade se afastou de Deus. Tudo quanto foi coisa ruim entrou no mundo, inclusive a morte. Adão e Eva são nossos representantes. No nosso pecado, toda a criação de Deus ficou prejudicada. A árvore do paraíso foi a árvore do pecado. 

Essa situação de pecado e afastamento de Deus foi superada por Jesus. Ele veio a nós, em nossa humanidade. Ele veio resgatar as ovelhas perdidas, a humanidade pecadora. Por causa dos nossos pecados, foi levado à cruz. A cruz de madeira plantada na terra é o contrário da árvore do paraíso. Na árvore da cruz, o Filho reconciliou a humanidade com Deus, dizendo ‘sim’ à vontade divina, entregando sua vida em sacrifício pelos pecadores. É o que se lê na carta de São Paulo aos Colossenses: “Deus quis, por ele, reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue de sua cruz”. A sua cruz é nova árvore, a árvore da graça. 

Dá para entender o que São Paulo escreveu nesta carta aos Colossenses: Jesus é o primogênito de toda a criação. Foi por ele e para ele que tudo foi criado. Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude e, por ele, reconciliar consigo todos os seres. É assim que o celebramos como rei do universo. Tudo foi criado à sua imagem e semelhança. Tudo converge para ele. Ele é o alfa e o ômega, o princípio e o fim, como está escrito no livro do Apocalipse. 

São Pedro explicará, naquele primeiro sermão, em Jerusalém: “Portanto, que todo o Israel fique certo disto: Este Jesus, a quem vocês crucificaram, Deus o fez Senhor e Cristo". Por sua ressurreição, Jesus foi constituído guia e salvador da humanidade. Seguindo a tradição bíblica, nós o chamamos de “Rei do Universo”. Mas, ele não é rei como outros. Na cruz, aparece a tentação de “salvar-se a si mesmo”. Jesus não reinou assim, procurando o benefício para si mesmo ou poupando a sua vida. Pelo contrário, ele reinou dando a sua vida, entregando-a em favor dos pecadores. 

Guardando a mensagem

Com o título de ‘rei’, podemos ser tentados a associar Jesus aos grandes deste mundo. Se isto acontecesse, estaríamos desfazendo do evangelho, colocando Jesus na mesma galeria dos senhores que governam com a força das armas e nem sempre no interesse do povo. No evangelho, contemplando Jesus em sua paixão e morte, reconhecemos claramente a sua realeza. Ele é rei dando a vida por nós, sendo testemunha fiel do amor do Pai até o fim. A cruz é o seu trono. Não é à toa que Pilatos mandou escrever aquela plaquinha no alto de sua cruz: “Jesus Nazareno Rei dos Judeus”. De verdade, ali ele era rei. A festa de Cristo Rei foi criada em 1925, pelo Papa Pio XI. Naquele clima de pós-guerra mundial, a Igreja apresentou Jesus Cristo como senhor e rei de todos os povos, único capaz de conduzir a humanidade para a paz. Com esta solenidade, celebramos também o Dia dos Leigos e das Leigas. Os batizados participam da realeza de Jesus no mundo. Os leigos fermentam o mundo com o evangelho. Com sua presença e sua liderança, leigos e leigas santificam a família, o trabalho, a cultura, a festa, a sociedade, o estado.

Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado (Lc 23, 42)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras da carta de São Paulo aos Colossenses (Col 1, 12-20):

Senhor Jesus, 

Com alegria, damos graças ao Pai, que nos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos. É por ti que temos a redenção, o perdão dos pecados. Tu existes antes de todas as coisas e todas têm em ti a sua consistência. Tu és a Cabeça do Corpo, isto é, da Igreja. Tu és o Princípio, o Primogênito dentre os mortos; de sorte que em tudo tu tens a primazia, porque Deus quis habitar em ti com toda a sua plenitude e, por meio de ti, reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da tua cruz. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Leia, em sua Bíblia, o evangelho de hoje (Lucas 23, 35-43) e responda: Quantas vezes aparece a expressão “salva-te a ti mesmo”?


Pe. João Carlos Ribeiro – 24.11.2019

Postagem em destaque

A sua e nossa missão.

  03 de dezembro de 2022 Sábado da 1ª Semana do Advento Memória de São Francisco Xavier EVANGELHO Mt 9,35 –10,1.6-8 Naquele tempo, 35Jesus p...

POSTAGENS MAIS VISTAS