01 junho 2018

E AGORA, JOSÉ?


Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

02  de junho de 2018.

Por que Jesus não respondeu à pergunta? Não seria mais fácil Jesus dar logo uma reposta? Eles queriam saber com que autoridade ele estava fazendo aquilo no Templo. E o que é que Jesus estava fazendo? Estava denunciando que tinham convertido a casa de oração num antro de ladrões. Tinha expulsado os vendedores, compradores e cambistas do Templo, afinal, tinha tomado uma atitude pública contra o desvirtuamento do Templo. Quem estava perguntando? Os responsáveis pelo Templo e pela religião em Israel: os sumos-sacerdotes, os mestres da lei e os anciãos  - um grupo poderoso, os membros do Sinédrio. Seria este o grupo a julgar Jesus, depois, condenando-o como um malfeitor. Então, não era uma pergunta inocente. Era uma acusação, um enfrentamento perigoso, uma vez que eles tinham um corpo de guardas sob seu comando: Com que autoridade tu fazes isto?

Jesus não respondeu diretamente. Mas, se propôs a responder, desde que eles respondessem também a uma pergunta. A pergunta foi sobre o batismo de João. João andou levando o povo para o deserto, para batizar-se no Rio Jordão, pregando a mudança de vida, em preparação da vinda do Messias. Para João, o Templo não era mais o lugar da purificação. A volta ao tempo do deserto era um recomeço, quando não havia Templo, mas só uma Tenda móvel. Eles, a elite que controlava o Templo, achou foi bom Herodes prender e decapitar João Batista. Livraram-se de um pregador incômodo, de uma denúncia permanente da situação de pecado deles que deviam guardar a aliança com fidelidade. Jesus perguntou: O batismo de João era de Deus ou dos homens? Como eles não se converteram com a pregação de João Batista, a resposta já estava dada. Mas, não podia ser verbalizada, claro. “Então, eu também não digo com que autoridade eu faço essas coisas”, concluiu Jesus. Claro, a resposta estava dada: com a mesma autoridade com que João Batista pregava a conversão e batizava. Mas, não adiantava dizer com a boca. As suas atitudes falavam por si.

O mundo hoje cobra dos cristãos  explicações... por que vocês querem pensar e agir diferentemente dos outros? Por que vocês não aceitam a violência, a vingança, a pena de morte? Por que vocês não deixam a mulher decidir sobre sua gravidez e ter a liberdade de abortar? Por que vocês insistem tanto no casamento religioso? Por que vocês são tão obedientes ao Papa? Por que vocês adoram a Eucaristia? Quem pergunta nem sempre está interessado na resposta. É só uma forma de intimidação, de oposição. Às vezes, é melhor fazer como Jesus: não responder, ou melhor, responder com as atitudes e com o modo de viver.

Vamos guardar a mensagem

Os líderes do povo de Deus não reconheceram em Jesus o Messias que Deus prometera e enviara. Também não quiseram reconhecer João Batista e sua pregação, como coisa de Deus. Preferiram tratá-los como inimigos e tramar a sua morte. Na purificação do Templo, Jesus mostrou abertamente quanto estavam errados, apossando-se da Casa de Deus em benefício dos seus interesses políticos e econômicos. Fizeram uma pergunta, na verdade uma acusação. “Com que autoridade tu fazes isso?”. Com a mesma autoridade com que João Batista convocou o povo para se purificar no deserto e no Jordão. Com a autoridade de Deus. Mas, isso eles não podiam entender. Jesus não fugiu da resposta. Jesus respondeu com uma pergunta.

Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

Vamos rezar a palavra

Senhor Jesus,

Eu sei que tem hora de responder e hora de ficar calado. Tem hora de responder, como São Pedro falou na sua carta, explicando as razões de nossa esperança a quem nos perguntar. Tudo bem! E hora de ficar calado, quando a pergunta é uma forma velada de intimidação, de oposição, de perseguição. Aí, é responder com as atitudes de vida. Foi assim que fizeste, Jesus. Senhor, confirma em nós a presença do teu Santo Espírito. Que ele ponha em nossos lábios as palavras certas que podem trazer de volta quem está no mal caminho. Que ele ponha fortaleza em nosso coração, para não nos deixarmos abalar pelas críticas e incompreensões que sempre recebem os que andam contigo. Que ele nos assista quando os inimigos do povo e da fé nos questionam e nos acusam. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

 Vamos viver a palavra

A hora de dar uma resposta é a hora do testemunho. Testemunho maior ainda é o da própria vida. Pode ser que apareça, hoje, uma ocasião para você se explicar diante de alguém.  Inspire-se nas palavras e nas atitudes de Jesus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 02 de junho de 2018.