08 março 2018

JESUS E SUA IGREJA NA MIRA DOS VIOLENTOS


Todo reino dividido contra si mesmo será destruído (Lc 11, 17).
08 de março de 2018.
Jesus está realizando a sua missão. Qual é a missão de Jesus? Anunciar o Reino de Deus entre nós, aproximar as pessoas de Deus, refazer a aliança de Deus como o seu povo, salvar a humanidade que se separou do Criador pelo pecado. Esses são modos como tentamos explicar a missão de Jesus. Nós o vemos no seu trabalho redentor: anunciando o amor de Deus, convidando as pessoas à conversão, perdoando os pecadores, libertando pessoas da dominação do poder opressor e do demônio.
Que os demônios se opusessem a Jesus, isso a gente entende. Que os grupos privilegiados de Jerusalém o odiassem, até dá para entender. Mas, que pessoas religiosas, praticantes da Lei, se indispusessem contra Jesus, a ponto de o difamarem, tentando desmoralizá-lo  ou até tramando a sua prisão, isso nos deixa perplexos. Pois, foi o que aconteceu. No evangelho de hoje, eles começaram a espalhar que Jesus expulsava demônios com a força do próprio satanás. Olha que jogo baixo: espalhar que Jesus agia em nome do diabo. Haja paciência! Era gente de má vontade procurando desqualificar a vitória de Jesus sobre o mal. Agora, o pior é que se tratava de gente de dentro da religião do povo de Deus.
Jesus chamou para a lógica. Se for assim, se o mal está combatendo a si mesmo, diabo contra diabo, então estão realmente perdidos, pois ‘todo reino dividido contra si mesmo será destruído’, acaba se esfacelando, se autodestruindo. Não tem a menor lógica. Mas, essa palavra de Jesus também poderia ser entendida a respeito dos seus opositores. Esse grupo de gente maldosa estava cavando o buraco para o seu próprio povo. Se eles ficassem contra Jesus, fazendo propaganda contra ele, dividindo o povo, causando desunião... qual seria o fim do seu povo? “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído”. De fato, 40 anos depois da morte de Jesus, houve uma guerra dos romanos contra os Judeus e não ficou pedra sobre pedra. Os judeus perderam tudo. Um reino dividido, não prospera. Termina caindo uma casa por cima da outra, como falou Jesus.
Estamos assistindo a uma onda de difamação muito séria contra a CNBB. E não fica só nas redes sociais com palavras ofensivas aos bispos e banners dizendo que a CNBB não é Igreja. Muitos estão interrompendo reuniões da Igreja para gritar contra o comunismo, acusando a CNBB e agentes de pastoral. O mais grave é que não são pessoas externas, ateus agressivos dos quais não se espera muita coisa. São filhos da Igreja, são católicos ou se dizem católicos. Isso é muito grave. Estão semeando ódio e divisão. Estão repetindo o que fizeram aquelas pessoas do tempo de Jesus que o acusaram de estar agindo em conluio com satanás, porque Jesus estava expulsando os demônios, curando os doentes, libertando os sofredores. Meu palpite é que, na verdade, esse é um jogo político da extrema direita, já em plena campanha eleitoral. A tática é encurralar a Igreja e qualquer posição em favor dos pobres, dos trabalhadores e da justiça social. Estão preparando terreno para seus candidatos. Que triste isso.
O que Jesus diz no evangelho de hoje nos espanta. Ele tão tolerante, um dia não quis que os discípulos proibissem alguém que pregava e curava em seu nome  sem pertencer ao grupo deles. Deixa, ele disse, “quem não está contra nós, está a nosso favor”. Mas, no evangelho de hoje, ele diz, a respeito dos que o estavam difamando: “Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa”. Disse tudo.
Vamos guardar a mensagem
Jesus, no exercício do seu ministério, encontrou muita oposição. Oposição das elites e de muitas lideranças populares, como foi o caso dos fariseus. Foi acusado de muita coisa. Uma dessas acusações dizia que ele agia em aliança com Satanás. Coisa triste, gente dividindo o povo. A difamação, as falsas acusações geram desconfiança e divisão na comunidade cristã. Esse é o objetivo dos que estão empenhados numa grande campanha midiática contra a Igreja no Brasil, mesmo dizendo-se católicos. A CNBB é a organização fraterna dos nossos bispos, a expressão do seu trabalho conjunto na evangelização do povo brasileiro. A CNBB é Igreja. A Igreja é nossa mãe, a quem devemos amor e respeito. Não repasse acusações maldosas contra a CNBB nas redes sociais. Responda ao remetente com palavras educadas, mas firmes. Não aceite que a defesa dos pobres seja taxada de comunismo.  Faça sua oferta generosa na coleta da campanha da fraternidade. Confirme sua adesão à Igreja de Cristo, que gerou você nas águas do batismo.
Todo reino dividido contra si mesmo será destruído (Lc 11, 17).
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Tu nos chamas a reconhecer o Reino de Deus que chegou com tua presença, com tua palavra, com tua ação. Disseste: “Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vocês o Reino de Deus”. Cremos  em ti, Senhor, e não queremos apenas usufruir de tua graça e de teus dons. Queremos também estar ao teu lado, tomar tua defesa, quando maldosos continuarem te difamando ou tramando o teu fracasso e a tua morte. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Possivelmente, hoje você terá oportunidade para tomar a defesa da Igreja, sua mãe. Se essa oportunidade aparecer,  não tema, o Espírito Santo age em você.

Pe. João Carlos Ribeiro – 07.03.2018
Postar um comentário