30 julho 2017

OLHA COM QUE SE PARECE

O Reino dos Céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo (Mt 13, 44)

Jesus falava muito do Reino de Deus. Mas, muito mesmo. E para as pessoas entenderem melhor de que ele estava falando, recorria a comparações. Contava parábolas. Nas comunidades de Mateus, pela sensibilidade judaica que eles tinham, dizia-se Reino dos Céus. O que seria o Reino de Deus? A gente vivendo no amor de Deus. Seria esta uma forma de dizer o que é o Reino. A gente vivendo no amor de Deus. A salvação que Deus nos oferece. A nossa comunhão com ele. Seriam outras formas de dizer o que seria o Reino de Deus. Mas, Jesus não queria encaixotar o Reino de Deus numa definição. Contava parábolas para falar da riqueza e da beleza do Reino de Deus em nossa vida.

No evangelho de hoje, liturgia do 17º domingo comum, Jesus conta três parábolas para falar do Reino de Deus: o tesouro, a pérola e a rede. Em cada uma, bilha algum aspecto do mistério do Reino de Deus. Vejamos.

O Reino de Deus é como um tesouro escondido no campo. O Reino é um dom, um presente do céu. O agricultor está trabalhando e dá com a enxada num tesouro escondido. Poderia ser uma botija, uma fortuna enterrada. Ou poderia ser um minério precioso. O tesouro estava ali. E ninguém sabia. Mas, agora o agricultor o descobriu. Mas, não basta descobrir. Para possui-lo, ele precisa vender tudo o que tem para comprar aquele campo. Acolhe-se o Reino de Deus como um dom, renunciando a todos os outros dons que tenhamos, colocando esse em primeiro lugar. O Reino é um dom, um tesouro escondido no campo.

O Reino de Deus é como um comprador que procura pérolas preciosas. Ele está à procura de uma pedra de maior valor, algo pelo qual valha a pena investir tudo. E na sua procura, encontra uma pérola imensamente valiosa. A pérola já existia, e ele a encontrou. O Reino não é o resultado de nossa busca, de nossos sonhos, ele já existe. Mas, precisa ser buscado... “Buscai primeiro o Reino de Deus”, falou Jesus em outra ocasião. Por um lado, o Reino é um dom com que nós esbarramos na vida; por outro, é a resposta às nossas buscas, aos nossos anseios, aos nossos sonhos. Dom e Resposta. Do mesmo modo, para que eu tenha posse desta preciosa pedra, preciso renunciar a todas as outras, a tudo o que tenho, para que ela seja o único valor de minha vida. Para que eu seja dela.

O Reino de Deus é também como uma rede lançada ao mar que apanha todo tipo de peixe. Jesus tinha convidado os primeiros discípulos para serem pescadores de gente. O anúncio do Reino, com palavras e ações, é como a Rede que procura a todos, que a todos quer abraçar. É verdade que nem todo peixinho vai servir.  A rede é a atividade missionária da Igreja. Por ela, os discípulos continuam a obra de Jesus, retirando os filhos de Deus da dominação do mundo (simbolizado no mar). A rede lançada ao mar fala da missão. O Reino é dom (o tesouro escondido), é resposta (a pérola sonhada), é missão (a rede lançada ao mar).


Vamos guardar a mensagem de hoje

Jesus chamava o projeto de salvação do Pai de Reino de Deus. E contava parábolas, fazendo as pessoas perceberem aspectos fulgurantes dessa realidade que ele estava inaugurando, o Reino de Deus. O Reino é Dom de Deus, nós nos deparamos com ele... ele está escondido como um tesouro na terra. O Reino é a Resposta de Deus aos nossos sonhos, aos nossos anseios mais profundos... como o comerciante que encontrou a pérola mais preciosa que tanto procurava. Nós não compramos o direito de possuir o Reino. Nós nos entregamos a ele, pela conversão. Renunciamos a tudo o mais para possui-lo, ou melhor, para ser dele. O Reino é também Missão. Resgatados pela evangelização, somos missionários com Jesus para resgatar outros... como a rede lançada ao mar para apanhar todo tipo de peixe. Dom, Resposta, Missão... assim é o Reino de Deus.

O Reino dos Céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo (Mt 13, 44)

Vamos rezar a Palavra do Senhor

Salmo 118

Como eu amo, Senhor, a vossa lei, vossa palavra!

É esta a parte que escolhi por minha herança:/ observar vossas palavras, ó Senhor!/ A lei de vossa boca, para mim,/ vale mais do que milhões em ouro e prata.

Maravilhosos são os vossos testemunhos,/ eis por que meu coração os observa!/ Vossa palavra, ao revelar-se, me ilumina,/ ela dá sabedoria aos pequeninos.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Pe. João Carlos Ribeiro – 29.07.2017