Meditação da Palavra

19 junho 2017

Amar os inimigos

Amem os seus inimigos e rezem por aqueles que perseguem vocês (Mt 5, 44).
Aqui temos um diferencial: amar os inimigos. Essa atitude cristã supera o comportamento humano digamos “normal”, que estava também no Antigo Testamento: amar os amigos e odiar os inimigos. Viver na fé em Jesus Cristo nos faz superar essa posição.
Ter raiva é uma coisa natural. Deixar que a raiva tome conta da gente, aí é que não dá. Permitir que a raiva se transforme em rancor, ódio e nos cegue em nossas atitudes, aí não. Segundo o ensinamento de Jesus, o melhor caminho é acalmar o coração e tentar ver em quem nos ofende ou nos agride um irmão, uma pessoa que está equivocada, mas continua a merecer nossa consideração. Não responder-lhe na mesma medida, não desejar-lhe o mal, antes preservar sua boa imagem, querer o seu bem, rezar por ele ou por ela. É o que Jesus está nos dizendo neste evangelho.
Amar o próximo é o mandamento. Amar a Deus e amar o próximo. E se o próximo for o nosso inimigo ou a nossa inimiga? Aí a coisa se complica. Amem os seus inimigos, mandou Jesus. Esse é o caminho da perfeição, amar os inimigos. E é nessa via que nós caminhamos, porque o Pai é perfeito. ‘Sejam perfeitos como o Pai do céu é perfeito.’ Jesus foi claro: tornem-se filhos do Pai que faz nascer o sol sobre maus e bons e manda chuva para justos e injustos. O Pai é o modelo para o filho. O nosso Pai trata bem os maus, porque ele é pai de todos e a todos ama.  Como filhos, nós o imitamos.
Olha que interessante essa palavra de Jesus: “Tornem-se filhos do seu Pai que está nos céus”. O dom da filiação divina nós o recebemos no batismo, por meio do Espírito Santo. Somos filhos de Deus. Mas, Jesus está nos dizendo “tornem-se filhos do seu Pai”. Então, mesmo tendo recebido a graça de sermos filhos de Deus, precisamos aprender a agir como ele, amando os nossos inimigos. Na carta aos Hebreus, a esse propósito, há uma passagem interessante sobre Jesus que aprendeu a ser um filho obediente. “Embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu.” (Hebreus 5,8). Pelo sofrimento, Jesus aprendeu a obediência de filho.
Jesus é o maior exemplo. Ele falou e fez. Na cruz, humilhado, traído, torturado só pediu ao Pai que perdoasse seus algozes, porque, disse ele, “eles não sabem o que fazem”. Rezou por eles. Também por eles, deu a vida.
Jesus está chamando a nossa atenção para o diferencial do cristão. Não agir como os pagãos ou pessoas reconhecidamente pecadoras desse mundo. Eles amam os seus amigos, tratam bem os seus iguais. Temos que imitar o Pai. Temos que imitar Jesus. Amar os inimigos, rezar pelos que nos perseguem, fazer o bem a quem nos maltrata.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Imitando Jesus, amamos a todos, queremos o bem de todos e, quando perseguidos, injuriados ou difamados, lutamos para não guardar mágoa, nem alimentar ódio em nosso coração. Antes, rezamos por quem nos faz o mal e queremos o bem de quem nos ofende. É assim que procuramos amar os nossos inimigos. É assim que vamos nos tornando filhos do nosso Pai.
Senhor Jesus,

‘Taí uma coisa difícil: amar os inimigos. Mas, esse é o jeito certo do cristão ser, para parecer contigo, para ter os teus mesmos sentimentos. Ajuda-nos, Senhor, a tirar do nosso coração todo sentimento de rancor, de ódio, de inclinação à vingança. Troca esses sentimentos pela generosidade do amor cristão que vê no outro – mesmo o inimigo – um irmão que precisa encontrar o caminho do bem. Abençoa, Senhor, os que nos fazem mal. Eles também são irmãos que precisam encontrar a graça e a conversão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Pe. João Carlos Ribeiro - 19.06.2017