Meditação da Palavra

24 novembro 2015

Ouvidos para ouvir

Pe. João Carlos Ribeiro

Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça. Foi o que Jesus falou. Quem tiver ouvidos para ouvir.  Significa que existe alguém que tem ouvidos, mas não escuta. Como ele disse, tem olhos, mas não vê. E o que há para ver e escutar? O que Jesus está anunciando sobre o Reino de Deus. O Reino de Deus que está se inaugurando com a presença de Jesus. Felizes os olhos que vêem o que vocês estão vendo. Muitos quiseram ver e ouvir, e não puderam.

Entende-se, então, que há uma coisa muito boa acontecendo, algo de muito importante está sendo revelado. A boa notícia, o evangelho, é o Reino. O Reino de Deus. Foi esse o anúncio de Jesus desde o início de sua atividade missionária: “o Reino chegou, convertam-se, creiam”. A presença de Jesus salvando, libertando, restaurando é o Reino acontecendo. As ações e as palavras de Jesus instauram o reinado de Deus entre nós. Suas palavras são confirmadas por suas atitudes e por suas ações.

Esse anúncio, essa boa nova (evangelho quer dizer boa nova) é uma comunicação que muda nossa vida, que dá novo sentido à realidade. Não é apenas uma notícia entre outras, uma manchete a mais. É a resposta que a humanidade estava esperando. A chegada do Messias que Israel acalentara em seus sonhos proféticos ao longo de séculos. É a revelação de algo maravilhoso: o Reino está ao nosso alcance, está batendo à nossa porta. Deus está cumprindo sua promessa: “Eis que faço novas todas as coisas”. É por essa razão que o Evangelho, em confirmação das palavras de Jesus, narra tantos milagres, curas, exorcismos. É o Reino se instalando como luz, como saúde, como paz, como perdão.

Não se pode ficar indiferente a esse anúncio da chegada do Reino. Essa boa nova nos pede uma resposta. Cobra-nos adesão, acolhida, conversão. Lembra o que Jesus falou? “O Reino chegou, convertam-se, creiam”. Conversão é mudar o foco e o rumo da própria vida, sintonizando-a com o Reino. Crer é acolher Jesus e o seu anúncio do Reino de Deus. Acolher Jesus, porque a Palavra afinal fez-se uma pessoa, o verbo que se fez carne.

Mas, também é possível a atitude contrária: não querer ouvir, não querer ver, rejeitar a boa notícia do Reino que chegou como salvação. A liberdade humana é respeitada por Deus, que nos criou como seres livres. O Reino não é uma imposição que nos anula, uma nova ordem que nos é imposta. Resta a liberdade da escolha ou da rejeição. Como diz o livro santo: “diante de ti estão a vida e a morte. Escolhe!”.  Ao amor de Deus manifesto em Cristo, a única resposta possível é o amor. E não existe amor obrigado, adesão compulsória. Só na liberdade, o homem pode responder adequadamente ao evangelho do Reino.

Talvez seja por isso que Jesus alertou: “Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça”.