Meditação da Palavra

23 dezembro 2011

Natal do presépio

Só de pensar no natal, o comércio enlouquece. As campanhas publicitárias redobram suas cruzadas de convencimento. "Compre, compre... o que será do seu natal sem compras?". São fortes apelos, criando necessidades e frustrações. São os assédios da sociedade de consumo. E o pessoal fica inquieto, calculando como vai fazer para ir às compras. Pagar não, isto é depois, no ano novo, quem sabe!.  Pendura-se no cartão de crédito. E no cheque especial também. O negócio é voltar pra casa com grandes pacotes e o ego satisfeito por ter desfilado pelos corredores do shopping entre os vorazes consumidores da temporada do natal. Natal, o que é o natal? Seria o tempo de compras de fim de ano?

E a TV não pára de falar do espírito de natal. Os filmes americanos contam histórias de famílias que se reconciliam, de crianças que surpreendem o bairro resgatando o espírito de natal. E a noite de natal? A árvore de natal, os brindes, os abraços, as músicas de época... Natal, o que é o natal?  Seria o tempo em que sentimos aquele aperto no coração?

O perigo é que tantas luzes e cores, compras e presentes não nos levem ao presépio. Sim, porque a festa é por causa do presépio. É por causa do maior presente que a humanidade recebeu: Deus veio morar com a gente. Jesus é o maior presente. É o seu amor imenso que nos aperta o coração. Natal é encontrar Jesus no presépio. E nele abraçar a humanidade toda.

E pensar que o Natal é o menino Deus reclinado na manjedoura na periferia de Belém. É que esse gesto de infinita humildade do Deus vivo e verdadeiro nos espanta e comove.  Um Deus que se humaniza. É um convite para que as pessoas humanas se façam mais humanas. É um apelo para assumirmos mais nossa condição humana, que é também fraqueza, pequenez e provisoriedade por aqui.

E é esse reconhecimento da fragilidade humana que nos faz abrir o coração para os outros e enxergá-los como irmãos e irmãs. É assim que descobrimos a riqueza da solidariedade, da fraternidade, da união.

Pra você que encontrou o caminho do presépio, natal é muito mais que consumismo de coisas e emoções. É a hora dos humanos serem mais irmãos. É a hora de Deus. Feliz Natal!

Pe. João Carlos Ribeiro