11 janeiro 2011

Somos todos missionários

 

O Espírito do Senhor está sobre mim, ele me consagrou com a unção, para anunciar a boa nova aos pobres. (Lc 4, 18)

 

No batismo, no rio Jordão, Jesus recebeu o Espírito do Senhor que o consagrou para a missão. Nós também no batismo, recebemos o mesmo Espírito que nos fez missionários, participantes da missão de Jesus.

 

            Missionários somos todos nós. Cada cristão, pela graça do batismo e da crisma, missionários, participante da missão de Cristo. Cristo, palavra que quer dizer "ungido", é o missionário do Pai, o ungido do Pai. Era assim que se marcava alguém para a missão no antigo povo de Deus. Lembra-se de Davi, o jovenzinho ruivo, que o profeta Samuel ungiu rei de Israel? Lembra-se dos ritos de consagração dos sacerdotes segundo livro do Levítico? Derramava-se óleo na cabeça do escolhido. Lembra-se de Jesus de Nazaré que leu no profeta Isaías lá na sinagoga de sua vila que O Espírito do Senhor está sobre mim, ele me consagrou com a unção, para anunciar a boa nova aos pobres. (Lc 4, 18). Jesus leu e tomou para si aquela consagração de missionário do reino.

 

            Quem se batizou pequenininho não se lembra, mas já viu alguém se batizando: a pessoa é ungida com o óleo. No sacramento da Confirmação ou Crisma, também. Pelo batismo, nós somos inseridos no mistério de Jesus Cristo, filho de Deus, participando de sua morte e de sua ressurreição. E assim, nos tornamos participantes com ele de sua missão. Ele, o Cristo, o ungido do Pai. Nós, com ele, também ungidos, missionários do pai.

 

            Então, na missão ninguém pode ficar de fora. Não tem desculpa. Não tem mas, mas... Ninguém pode pensar que a missão é só tarefa dos cristãos ordenados (os padres, os diáconos, os bispos), ou dos cristãos consagrados na vida religiosa (irmãos, freiras, frades...). Nem se pode pensar que a missão é só para uma meia dúzia de gente esforçada que se liga nas pastorais, nos trabalhos da Igreja. Ninguém, nenhum batizado, pode ficar de ficar de fora da missão.

            Onde você estiver, você é um missionário aí. Na profissão que você exercer, é ali o ministério de cristão-fermento. Casado, solteiro, consagrado, no estado de vida que você estiver você é um missionário. Ou pode sê-lo. Deve sê-lo. Todos somos missionários. Todos.

           

P João Carlos – 12 de janeiro de 2011

 

Um comentário:

E você, o que pensa sobre isso?