Mostrando postagens com marcador Lc 13. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lc 13. Mostrar todas as postagens

31 outubro 2019

OPOSIÇÃO OU CONVERSÃO

Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste!  (Lc 13, 34)
31 de outubro de 2019
Como foi o relacionamento de Jesus com as autoridades do seu tempo? Boa pergunta. Jesus não acabou bem, humanamente falando. Para sua condenação, concorreram os fariseus que o perseguiram, o tempo todo; o tetrarca da Galileia, Herodes; o poder romano representado pelo Procurador Pilatos;  e, especialmente, o grande Conselho de Jerusalém, o Sinédrio, sob a liderança do Sumo-Sacerdote. Embora estivessem sempre em desacordo entre si, todos eles uniram-se para eliminar Jesus.
E por que Jesus foi tão mal visto pelas autoridades, que acabaram por decretar sua morte na cruz, como malfeitor? Pe. Zezinho, como poeta e teólogo, resumiu assim: “Um certo dia, ao tribunal / Alguém levou o jovem Galileu / Ninguém sabia qual foi o mal / E o crime que ele fez, quais foram seus pecados / Seu jeito honesto de denunciar / Mexeu na posição de alguns privilegiados. / E mataram a Jesus de Nazaré / E no meio de ladrões puseram sua cruz / Mas o mundo ainda tem medo de Jesus / Que tinha tanto amor!”.
“Seu jeito honesto de denunciar mexeu na posição de alguns privilegiados”. De fato, Jesus não representava nenhum desses segmentos de poder. Não era fariseu, nem saduceu. Claro, não era um romano; nem sacerdote do Templo. Era um leigo, um profeta do interior, com ampla circulação nos povoados, vilas e pequenas cidades da Galileia. Um profeta independente. Não vivia pregando contra o império romano, nem atacando Herodes, nem desmerecendo a autoridade dos sacerdotes do Templo. Mas sua pregação sobre o Reino de Deus e sua influência sobre o povo foram tidas como perigosas para o poder estabelecido.
O evangelho de hoje fala particularmente de um opositor: Herodes. Este era o Tetraca da Galiléia, o rei daquela região onde Jesus vivia. Sua capital era uma cidade reconstruída por ele, perto do Mar da Galileia, Tiberíades. O evangelho não menciona essa cidade. Pelo visto, Jesus não andou por lá. Esse Herodes tinha calado o profeta João, que pregava a conversão e batizava o povo no Rio Jordão. E andava incomodado com a fama de Jesus.
No evangelho de hoje, alguns fariseus foram levar um aviso a Jesus, não sei se para preveni-lo ou para se verem livres dele. Disseram: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. Um aviso sério. Uma ameaça de morte. “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. Olha a reação de Jesus: “Vão dizer a essa raposa (que raposa? Herodes)... Vão dizer a essa raposa que eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã. E no terceiro dia, terminarei o meu trabalho”. O que ele está dizendo? Que iria continuar sua missão até o fim. O terceiro dia talvez seja a sua morte em Jerusalém ou quem sabe a sua ressurreição. É quando termina o seu trabalho, quando se completa a sua missão.
Guardando a mensagem
A pregação de Jesus anunciava ao povo o Reino de Deus, a proximidade amorosa de Deus que restaura o fraco, levanta o humilhado, liberta o oprimido. Foi o que ele leu no Profeta Isaías e explicou na Sinagoga de Nazaré. Com curas, exorcismos, milagres ele levava o povo a experimentar o amor de Deus que tem compaixão do doente e dos sofredores, e oferecia o perdão aos pecadores que aceitassem começar uma vida nova de comunhão com Deus e com os irmãos. Essa prática de Jesus foi sentida como uma ameaça ao poder do Templo, à influência dos fariseus sobre o povo e ao poder dos romanos e seus aliados. Em resposta, Jesus não recuou, manteve seu trabalho missionário com destemor e fidelidade.

Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste!  (Lc 13, 34)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A resposta certa à tua palavra, à tua pregação é a conversão, a mudança de direção da própria vida. São tantos os que recebem a tua palavra e são restaurados e renascem para a vida nova da graça! Mas, infelizmente, muitos também rejeitam a pregação do Reino. E até reagem com violência contra tua pessoa e contra teus missionários. No evangelho de hoje, está a lamentação que dirigiste à cidade de Jerusalém: “Quantas vezes eu quis reunir os teus filhos como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste”. Hoje, contemplamos, Senhor, tua firmeza e tua fidelidade na missão, até o fim. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. E faz-nos firmes e fortes no teu caminho, não deixando-nos vencer pelo cansaço, nem pelo espírito de acomodação, nem nos determos pela oposição de outros. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, continue a conversa com Jesus. Pergunte a ele, por exemplo, como ele se sentia com tanta oposição ao seu ministério.
Quem me tocou – com a participação de Elba Ramalho: é um trecho da faixa do meu novo trabalho musical que você ouve agora.
A gente se encontra, às dez da noite, no facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro – 31 de outubro de 2019

29 outubro 2019

PELA PORTA ESTREITA, ENQUANTO HÁ TEMPO


Façam todo esforço possível para entrar pela porta estreita (Lc 13, 24).

30 de outubro de 2019

Você quer ser feliz. Quem não quer? Não é fácil explicar o que é a felicidade. Felicidade é realização, é amar e ser correspondido, é ter solução para os seus pequenos e grandes problemas... Felicidade é o sentimento de alegria e satisfação com a vida e muito mais. E você quer ser feliz. No fundo, você sabe, a felicidade, por um lado, é um dom de Deus e, por outro lado, é também fruto do nosso esforço. Sem esforço, não pomos as bases para uma vida saudável e feliz: o cuidado com a alimentação, o estudo sério, o modo como assumo meus compromissos de família, de trabalho, como cultivo minhas amizades, como me relaciono com os outros... Deus nos abre os caminhos e nós procuramos prosseguir com seriedade e empenho. Esse é o caminho da felicidade.

Você quer a salvação. Quem não quer? Não é fácil explicar o que é a salvação. Salvação é o final feliz de nossa vida, a realização completa de nossa existência em Deus. Mas, não é só a chegada lá. É também a nossa condição agora, a nossa comunhão com Deus. Para entender um pouco dessa condição de plenitude e realização que é a salvação, Jesus falou de banquete, festa de casamento, lugar onde estão os justos, casa paterna de muitas moradas, Reino de Deus glorioso. Cada imagem dessas é uma brecha por onde já se enxerga o brilho da salvação eterna. E você quer a salvação, claro. E você sabe que a salvação é um dom de Deus, obra de sua graça. E sabe, pela evangelização, que a porta da casa de Deus nos foi aberta pela morte e ressurreição de Jesus. A salvação é um dom gratuito de Deus, sem merecimento algum de nossa parte. Ainda assim, nos lembremos, no acolhimento da salvação concorre também o nosso esforço, o nosso compromisso, uma vida segundo os mandamentos de Deus, em comunhão com ele e com os irmãos. Sem esforço de nossa parte, sem compromisso, sem conversão, a coisa fica pela metade, nos detemos no portão de entrada. Certo que a salvação é obra de Deus, mas nos cabe acolhê-la, nos deixar transformar por ela, colaborar com o seu crescimento em nós.

Se até aqui estivermos nos entendendo, já está explicado o evangelho de hoje. Perguntaram a Jesus se os que se salvam, são poucos ou são muitos? Jesus aproveitou a pergunta para estimular a conversão e o compromisso com uma vida de santidade. Falou da porta estreita. “Façam todo esforço para entrar pela porta estreita”. Isso você entende, não é verdade? Tem muita porta larga por aí: a do relaxamento, da preguiça, do egoísmo, do desregramento, dos vícios, da falta de seriedade nos compromissos consigo mesmo(a), com os outros e com Deus. Entrar pela porta estreita e, - ele também deu a entender - enquanto há tempo. Ele contou que quando o dono da casa fechar a porta, não se entra mais. Aí ele enfeitou a parábola: ‘tem gente que vai ficar batendo na porta, dizendo que é amigo do dono da casa, que já esteve com ele diversas vezes, que ouviu seus discursos...’. A resposta vai ser: “Eu não conheço vocês. Vão-se embora”. Você pegou a mensagem? Entrar pela porta estreita enquanto é tempo. Não deixe pra amanhã a sua conversão. É hoje o dia da salvação.

Guardando a mensagem

Perguntaram a Jesus sobre a salvação. Ele indicou duas coisas preciosas para o nosso caminho com Deus: entrar pela porta estreita e a tempo. ‘A tempo’ quer dizer não adiar a sua conversão, não deixar para amanhã os seus compromissos de vida nova. Amanhã, pode ser tarde e a porta pode estar já fechada. ‘Entrar pela porta estreita’ quer dizer que, mesmo sendo a salvação um dom gratuito de Deus, precisamos acolhê-la com esforço e compromisso.

Façam todo esforço possível para entrar pela porta estreita (Lc 13, 24).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
A nossa caminhada para Deus se assemelha à peregrinação do teu povo de todas as nações para o monte santo de Jerusalém, como está descrito no Livro do Profeta Isaías (Is 66). Nossa vida é, de verdade, uma peregrinação, contigo, para Jerusalém. É nesse caminho, que tu vais nos ensinando, nos instruindo. Hoje, nos falaste da porta estreita. Senhor, a porta larga nos seduz. É a porta da facilidade, do relaxamento, do mais ou menos. Ajuda-nos, Senhor, a entrar pela porta estreita. Esta é a porta do compromisso, do esforço, do melhor possível. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em um momento pessoal de oração, peça ao Senhor a graça de perseverar no caminho do bem e da salvação, sem se desviar da porta estreita.

Você ouve, agora, um trecho de minha música QUEM ME TOCOU, com a participação da Cantora Elba Ramalho. É uma das faixas do meu EP CONFIAR EM DEUS.

A gente se encontra, às 10 da noite, no Facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro – 30 de outubro de 2019

O FERMENTO NA MASSA

O Reino de Deus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Lc 13, 21)     

29 de outubro de 2019

Vamos começar com uma aula de culinária. Mas, não se espante. Vamos aprender a fazer pão, como no tempo de Jesus. Só assim poderemos entender melhor a comparação que ele fez com o Reino de Deus.

É bom lembrar: no tempo de Jesus, não havia padaria, o pão era feito em casa. E era feito pelas mulheres. A farinha para o pão precisava ser preparada na hora.  Não havia fermento químico. Nem fogão e forno a gás. Mas, tudo bem. Vamos começar separando os grãos para fazer a farinha. A farinha de cevada era mais barata do que a de trigo, logo, a maior parte do povo fazia o pão de cevada. Pegue uma peneira, coloque nela uma boa porção de grãos de cevada ou de trigo. Sacuda bem a peneira para os talinhos, pedrinhas ou grãos diferentes aparecerem. Vá sacudindo, catando e limpando sua porção de grãos. Agora, triture tudo nas pedras de moer, na mó. São duas pedras achatadas e você põe o grão entre elas e vai rodando a pedra de cima. Precisa de jeito e de força também. Triturando os grãos, vai aparecendo a farinha. Está meio grossa, não se preocupe. É integral mesmo. Agora, ponha três porções de farinha numa vasilha de argila e um pouco de água e comece a misturar com as mãos. Cansou? Ponha o fermento agora. O fermento é um pouco de massa fermentada, chamada massa velha, guardada de outra ocasião. Misture tudo e, com paciência, vá amassando até pegar uma boa ligadura. É como fazem os pizzaiolos de hoje, preparando a massa para a pizza. Tudo pronto? Separe logo um pouco da massa fermentada para guardar: será o fermento do pão de amanhã. Achate as porções como se fosse uma pizza...  Deixe a massa descansar... depois ponha no forno de lenha para assar. Cuidado para não se queimar. Ponha para assar dentro de um recipiente de argila. Quando tiver pronto, me chame... lembre que o pão não era pra comer só de manhã, o pão era o alimento principal para todas as refeições. Deu trabalho?! Não se preocupe, amanhã tem mais. Todo dia, a mulher precisa fazer o pão.

Foi assim que Jesus fez uma comparação simples: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. Agora você já sabe que não é tão simples assim... fazer pão não é uma coisa banal. É uma atividade vital. Uma rotina muito importante para a família.

Nessa parábola de Jesus, vamos ficar atentos a três pontos: O fermento não é a massa; o fermento é misturado na massa; o fermento leveda a massa.

1. O fermento não é a massa. É uma porção menor, diferenciada. É um ingrediente que se incorpora à massa. O Reino de Deus é a obra de Deus entre nós, por meio de Cristo, nos comunicando vida e salvação. O Reino não é a massa, é o fermento. O evangelho é fermento na massa. Cristão não é massa, é fermento. Tem uma missão no meio do mundo.

2. O fermento é misturado na massa.  O fermento precisa ser misturado na massa para fazer efeito. O evangelho precisa permear a vida das pessoas... sem isso não leveda, não influi, não transforma. E não é só colocar o fermento, dar uma mexidinha e deixar pra lá. Assim se faz com o fermento químico. A mistura do fermento, a massa fermentada, nas outras três porções de farinha é trabalhosa, demorada. Exige paciência, habilidade, perseverança. A mulher fica socando, amassando a massa por um longo tempo, até a massa chegar ao ponto. Aí se põe a massa para descansar um pouco e ser colocada no forno. Sem a paciência da mulher que faz o pão, não se produz mudanças no mundo.  

3. O fermento leveda a massa. O Reino veio para melhorar o mundo, para transformá-lo. O evangelho é uma força de mudança, de transformação. É um fermento bom no meio de nossa sociedade. Não pode ser anulado e virar farinha com os outros. Assim, deixa de realizar sua missão. Não pode se afastar da sociedade, se ausentar do mundo: assim não faz o efeito pelo qual é fermento.

Guardando a mensagem

Jesus comparou o Reino de Deus com o fabrico artesanal do pão, pelas mulheres do seu tempo. O Reino produz mudanças no mundo, como o fermento que leveda a massa. Essa fermentação do mundo pelo evangelho vem pelo serviço dedicado dos pequenos, representados pelas mulheres. O fermento não é a massa. Se não for bem misturado, se não entrar na vida das pessoas, não fermenta nada.

O Reino de Deus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Lc 13, 21)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Teu Reino é o bom fermento a levedar a nossa vida, as estruturas sociais, o mundo.  E nós somos agentes desse Reino, como fermento transformador da realidade. Dá-nos, Senhor, a graça de compreender e viver teu evangelho, sustentados por tua graça e por teu Santo Espírito. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Só para você recordar esse evangelho, pergunte hoje a quem faz a sua comida que tipo de fermento usa em bolos ou outras massas.

Hoje, você vai escutar QUEM ME TOCOU, com a participação da Cantora Elba Ramalho. É mais uma faixa do meu EP CONFIAR EM DEUS.

A gente se encontra, às 10 da noite, no Facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro – 29 de outubro de 2019.

26 outubro 2019

MAIS UMA CHANCE


Um homem havia plantado uma figueira na sua vinha, e, indo buscar fruto, não o achou (Lc 13, 6)

26 de outubro de 2019.

Você já viu uma figueira? Muita gente nunca viu uma figueira, uma planta que dá figo. É um arbusto muito comum na terra de Jesus. E aparece muito na Bíblia. Adão e Eva, por exemplo, cobriram sua nudez, costurando folhas de figueira. E Zaqueu subiu numa figueira brava pra ver Jesus passar. No frio, a figueira perde todas as suas folhas, mas lá pelo mês de março, ela renasce e se prepara para dar figos, uma fruta gostosa, muito apreciada pelo povo da Bíblia.

No evangelho de hoje, Jesus contou que um homem havia plantado uma figueira em sua vinha. Durante três anos, ele voltou lá para colher algum fruto. Nada. Não achava coisa nenhuma. Na terceira vez que ele foi procurar o fruto na figueira e, claro, não encontrou nem sinal, ele perdeu a paciência e mandou o empregado cortá-la. Estava ocupando o terreno inutilmente.

A figueira, na Bíblia, representa a pessoa ou mesmo o povo de Deus. Esta figueira improdutiva é a imagem de pessoas do tempo de Jesus que, mesmo ouvindo sua pregação, não se converteram, não mudaram de vida. João Batista, preparando a vinda de Jesus, tinha insistido em que o povo desse fruto de vida nova, apresentasse sinais de sua conversão. Jesus, de igual modo, está cobrando que as pessoas que o escutam, acolham sua palavra, produzam frutos, mudem de vida. Lembra a parábola do semeador? A semente, a palavra de Deus, está sendo semeada. Só no terreno bom, cresce, floresce e dá muito fruto.

Na história, o dono da terra já procurava frutos na figueira há três anos. É uma clara alusão ao ministério de Jesus, que completava três anos. Três anos de pregação, de milagres, de curas, de exorcismo... cadê os frutos desse povo, quais os sinais que mostram que abraçaram a vida nova que ele estava anunciando? Faltou paciência ao dono da terra. Mandou cortar aquela figueira parasita, ocupando à toa o terreno dele. Mas, o seu empregado pediu mais tempo e prometeu maior empenho. ‘Senhor, deixa-a ainda este ano; eu lhe cavarei em redor e colocarei adubo. Talvez, depois disto dê frutos. Caso contrário, vamos cortá-la’.

Guardando a mensagem

A figueira pode ser a sua vida, a sua família, a sua comunidade. Não basta estar coberta de belas folhagens, tem que dar frutos. Que frutos Jesus espera encontrar em nossas vidas e em nossas instituições? Podemos fazer uma lista: Conversão, comunhão com Deus, cumprimento dos mandamentos, vivência da fraternidade, compromisso com a justiça e com a verdade, honestidade, fidelidade, solidariedade, participação na missão, atenção aos pobres e sofredores. Mas, a lista pode ser bem maior. Pela história, você sabe, o Senhor nos dá mais um tempo. Seu empregado está pondo mais adubo, regando mais frequentemente... torcendo que demos frutos. Frutos de conversão, de vida nova em Cristo.

Um homem havia plantado uma figueira na sua vinha, e, indo buscar fruto, não o achou (Lc 13, 6)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Não basta ouvir a tua palavra. É preciso ouvi-la e praticá-la. É assim que a nossa vida vai se modificando, afastando-se do mal e nos edificando como novas criaturas, pessoas renascidas na tua graça. Afastando-nos de ti e do teu evangelho, não damos frutos, como o ramo separado da videira. Dá-nos, Senhor, que com a assistência do teu Santo Espírito, frutifiquemos em obras de conversão, de amor solidário e na edificação de pessoas interiormente renovadas neste mundo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje, reze por sua conversão e pela conversão de alguém muito próximo de você.

Pe. João Carlos Ribeiro – 26 de outubro de 2019

24 agosto 2019

PARA SER FELIZ

Façam todo esforço possível para entrar pela porta estreita (Lc 13, 24).

25 de agosto de 2019 – 21º Domingo do Tempo Comum

Você quer ser feliz. Quem não quer? Não é fácil explicar o que é a felicidade. Felicidade é realização, é amar e ser correspondido, é ter solução para os seus pequenos e grandes problemas... Felicidade é o sentimento de alegria e satisfação com a vida e muito mais. E você quer ser feliz. No fundo, você sabe, a felicidade, por um lado, é um dom de Deus e, por outro lado, é também fruto do nosso esforço. Sem esforço, não pomos as bases para uma vida saudável e feliz: o cuidado com a alimentação, o estudo sério, o modo como assumo meus compromissos de família, de trabalho, como cultivo minhas amizades, como me relaciono com os outros... Deus nos abre os caminhos e nós procuramos prosseguir com seriedade e empenho. Esse é o caminho da felicidade.

Você quer a salvação. Quem não quer? Não é fácil explicar o que é a salvação. Salvação é o final feliz de nossa vida, a realização completa de nossa existência em Deus. Mas, não é só a chegada lá. É também a nossa condição agora, a nossa comunhão com Deus. Para entender um pouco dessa condição de plenitude e realização que é a salvação, Jesus falou de banquete, festa de casamento, lugar onde estão os justos, casa paterna de muitas moradas, Reino de Deus glorioso. Cada imagem dessas é uma brecha por onde já se enxerga o brilho da salvação eterna. E você quer a salvação, claro. E você sabe que a salvação é um dom de Deus, obra de sua graça. E sabe, pela evangelização, que a porta da casa de Deus nos foi aberta pela morte e ressurreição de Jesus. A salvação é um dom gratuito de Deus, sem merecimento algum de nossa parte. Ainda assim, nos lembremos, no acolhimento da salvação concorre também o nosso esforço, o nosso compromisso, uma vida segundo os mandamentos de Deus, em comunhão com ele e com os irmãos. Sem esforço de nossa parte, sem compromisso, sem conversão, a coisa fica pela metade, nos detemos no portão de entrada. Certo que a salvação é obra de Deus, mas nos cabe acolhê-la, nos deixar transformar por ela, colaborar com o seu crescimento em nós.

Se até aqui estivermos nos entendendo, já está explicado o evangelho de hoje. Perguntaram a Jesus se os que se salvam, são poucos ou são muitos? Jesus aproveitou a pergunta para estimular a conversão e o compromisso com uma vida de santidade. Falou da porta estreita. “Façam todo esforço para entrar pela porta estreita”. Isso você entende, não é verdade? Tem muita porta larga por aí: a do relaxamento, da preguiça, do egoísmo, do desregramento, dos vícios, da falta de seriedade nos compromissos consigo mesmo(a), com os outros e com Deus. Entrar pela porta estreita e, - ele também deu a entender - enquanto há tempo. Ele contou que quando o dono da casa fechar a porta, não se entra mais. Aí ele enfeitou a parábola: ‘tem gente que vai ficar batendo na porta, dizendo que é amigo do dono da casa, que já esteve com ele diversas vezes, que ouviu seus discursos...’. A resposta vai ser: “Eu não conheço vocês. Vão-se embora”. Você pegou a mensagem? Entrar pela porta estreita enquanto é tempo. Não deixe pra amanhã a sua conversão. É hoje o dia da salvação.

É claro que Deus não fica só na porta nos esperando. Ele não nos abandona em nosso caminho para a salvação. Ele está sempre nos educando na fé, nos orientando, nos corrigindo. Veja o que diz a Carta aos Hebreus: “Qual é o filho a quem o pai não corrige?” (Hebr 12). Deus nos corrige como filhos, porque nos ama. Ele ajuda o manco a andar direito. Na hora da correção, o filho fica aborrecido, revoltado. Mais tarde irá reconhecer que aquilo foi importante para o seu bem. Nem sempre a correção é um sermão. É possível que Deus use de muitos acontecimentos de sua história de vida para corrigir você.

Guardando a mensagem

Perguntaram a Jesus sobre a salvação. Ele indicou duas coisas preciosas para o nosso caminho com Deus: entrar pela porta estreita e a tempo. ‘A tempo’ quer dizer não adiar a sua conversão, não deixar para amanhã os seus compromissos de vida nova. Amanhã, pode ser tarde e a porta pode estar já fechada. ‘Entrar pela porta estreita’ quer dizer que, mesmo sendo a salvação um dom gratuito de Deus, precisamos acolhê-la com esforço e compromisso. A carta aos Hebreus nos lembrou que Deus nos acompanha nessa caminhada para sua casa, nos educando e nos corrigindo, com amor de pai.

Façam todo esforço possível para entrar pela porta estreita (Lc 13, 24).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
A nossa caminhada para Deus se assemelha à peregrinação do teu povo de todas as nações para o monte santo de Jerusalém, como está descrito no Livro do Profeta Isaías (Is 66). Nossa vida é, de verdade, uma peregrinação, contigo, para Jerusalém. É nesse caminho, que tu vais nos ensinando, nos instruindo. Hoje, nos falaste da porta estreita. Senhor, a porta larga nos seduz. É a porta da facilidade, do relaxamento, do mais ou menos. Ajuda-nos, Senhor, a entrar pela porta estreita. Esta é a porta do compromisso, do esforço, do melhor possível. Senhor, abençoa, hoje de maneira especial, os irmãos e irmãs que, em nossas comunidades, ajudam crianças, jovens e adultos a conhecerem e caminharem em tua palavra e em nossa fé católica. Abençoa, Senhor, os nossos catequistas. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia o evangelho de hoje em sua Bíblia (Lucas 13,22-30). E, sendo hoje o domingo do catequista, não esqueça de cumprimentar os catequistas de sua comunidade.

Pe. João Carlos Ribeiro – 25 de agosto de 2019.