PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Escuridão
Mostrando postagens com marcador Escuridão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escuridão. Mostrar todas as postagens

SEM A LUZ DE DEUS, ERRAMOS O CAMINHO

Quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado (Lc 12, 11) 


20 de outubro de 2018. 

Pecar contra o Filho tem perdão. Mas, pecar contra o Espírito Santo não tem perdão. Foi o que Jesus disse. Como entender isso? 

Jesus nos salvou por sua morte e ressurreição. Mas, a sua salvação nos chega por meio do Espírito Santo. É o Espírito Santo, que recebemos no batismo, que nos comunica o dom da filiação divina. Somos filhos, porque estamos habitados pelo Espírito Santo, que é Deus em nós. Mas, ele não é o Pai, nem o Filho. É uma terceira pessoa, com sua própria missão. 


É o Espírito Santo que atua em nós, nos permitindo estar em comunicação com o Pai. É o Espírito Santo quem atualiza a palavra de Jesus. É ele quem, pela oração de consagração, torna presente o Senhor Jesus no sacramento do pão e do vinho. É ele quem atua nos outros sacramentos, santificando a nossa vida: nos lavando do pecado no batismo, nos perdoando os pecados na confissão, abençoando o amor conjugal no matrimônio, conferindo alívio e cura ao doente na unção dos enfermos, consagrando os ministros para o serviço sacerdotal. Em tudo isso, age decisivamente o Espírito Santo, enviado pelo Pai e pelo Filho. 


Sempre rezamos ao Pai, por meio do Filho, no Santo Espírito. Não há oração sem o Espírito Santo. É ele quem ora em nós, com gemidos inexprimíveis. O Filho nos alcançou a reconciliação, a comunhão com o Pai. Nossa comunhão é com Pai, por meio do Filho, no Espírito Santo. 

Pecar contra o Espírito Santo é fechar nossa comunicação com o Pai. Apagar em nós o fogo do Espírito é extinguir a relação de filhos com o Pai. Não somos filhos, se não tivermos o Espírito do Pai. Sem o Espírito, não entendemos Jesus e não podemos ser seus discípulos. Para seguir Jesus, como discípulos e missionários, precisamos do seu Espírito. 

Guardando a mensagem 

Como discípulos de Jesus, cultivamos a docilidade ao Santo Espírito. Ele é o divino amigo em nós, nos movendo interiormente para o bem, para a verdade, para a justiça, para o amor. Infelizmente, podemos nos fechar a isso. No uso da liberdade que o Senhor nos deu e respeita, podemos bloquear essa ação estimuladora do Santo Espírito. Como escreveu o apóstolo Paulo, podemos “extinguir” o Espírito em nós. Apagando essa luz, ficamos à mercê dos nossos instintos e da influência do mal que nos rodeia. Ficamos na escuridão. 

Estamos vivendo um momento delicado da vida nacional. Também neste momento, deve nos guiar o Santo Espírito. Calando em nós esta presença viva de Deus que nos inspira no caminho da verdade e da fraternidade, entregamo-nos nos braços da mentira, descemos na enxurrada da manipulação do poder econômico que age na grande mídia e nas fake news das redes sociais. Sem docilidade ao Espírito que nos ilumina no discernimento, arriscamos ser arrastados pelo mal. 

Quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado (Lc 12, 11) 

Rezando a palavra 

Rezemos o Veni Creator, um clássico hino da Igreja ao Santo Espírito. 

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais. 

Vós sois chamado o Intercessor, de Deus excelso dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar. 

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai. 

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor. 

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás. 

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer. 

Amém!

Vivendo a palavra

Durante o dia de hoje, mais de uma vez, reze ao Espírito Santo com suas próprias palavras ou recorra à oração do VENI CREATOR que rezamos agora. 

Em minha nova música, escrevi que ‘Jesus, que tomou o nosso lugar na cruz, nos deu o seu Espírito, nos encheu de esperança’. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 20.10.2018

O Domingo da Grande Luz

O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte uma luz brilhou” (Mt 4, 16)

E chegamos ao terceiro domingo do tempo comum. Neste ano, estamos lendo o evangelho de São Mateus (ano A).  Celebramos, há pouco, o batismo de Jesus  (na última segunda-feira) e hoje comtemplamos os primeiros passos do seu ministério público. No evangelho de hoje, talvez tenhamos uma leitura geral do significado de sua missão. Com Jesus, está começando um novo tempo para o povo de Deus e para as nações do mundo. Poderíamos chamar esse domingo de Domingo da Galileia ou Domingo da Luz que chegou para a Galileia. Vamos entender isso...


No tempo de Jesus, chamar alguém de “galileu” era uma ofensa. O povo do sul discriminava o povo da Galileia. Aliás, a discriminação já começava em casa. Natanael perguntou:  “De Nazaré, pode vir alguma coisa boa?“. Por que será que a Galileia era tão mal vista?

Postagem em destaque

O fogo que nos purifica

14 de agosto de 2022 20º Domingo do Tempo Comum Comemoração do Dia dos Pais Abertura da Semana Nacional da Família EVANGELHO Lc 12,49-53 Naq...

POSTAGENS MAIS VISTAS