06 janeiro 2011

A boa noticia

No início da missão de Jesus, os evangelistas insistem que ele apresentou-se com uma grande novidade. Marcos anotou que ele começou avisando que o tempo da espera tinha terminado e que o Reino de Deus estava chegando. Lucas relatou que ele, na sinagoga de Nazaré, explicou a boa notícia: chegara o dia aguardado da libertação, da remissão, da visão clara.  E disse isso com palavras do profeta Isaías: libertação para os aprisionados e dos oprimidos, recuperação da visão para os cegos, remissão da terra e dos débitos. Essa nova página da história, de mudança e transformação, ele chamou de Reino de Deus.

A presença de Jesus, sua atuação transformadora, sua presença divina no meio da humanidade pecadora é o próprio Reino de Deus. É vitória do amor divino sobre a infidelidade e o pecado das pessoas humanas. É uma boa notícia que precisa ser comunicada. E é boa notícia para quem está precisando dela, quem está no sufoco, na condição de humilhação. Por isso, a palavra do profeta fala dos pobres, dos necessitados, dos aprisionados, dos humilhados.

Boa notícia, boa nova é traduzida pela palavra de origem grega "evangelho". Evangelização é o anúncio da boa notícia. E é boa notícia para os pobres, os sofredores. Infelizmente, nem todos a recebem como boa notícia. As elites do povo judeu não gostaram da boa notícia de Jesus. Colocou em cheque sua autoridade e seus privilégios. Herodes não gostou da boa notícia de Jesus: desestabilizava o seu poder e os desmandos de sua política. A boa nova levou multidões ao encontro de Jesus, sequiosas de receberem uma palavra de orientação, um gesto de carinho e atenção, um alívio para seus sofrimentos. Mas também, a boa nova movimentou os círculos de poder da nação judaica de então para por fim a essa restauração da esperança. E assim prenderam e condenaram Jesus.

Cada vez que abrimos os evangelhos, nos damos conta da novidade que é a presença de Jesus na história. É uma boa notícia. Uma novidade surpreendente no coração da história, capaz de liberar pessoas e o mundo da injustiça, da escravidão, da ditadura do egoísmo e do poder opressor. O próprio Deus vem ao encontro de nossa fraqueza para nos resgatar como na história da ovelha perdida, para nos reintegrar em sua família como na história do filho pródigo, para nos restaurar como membros do povo eleito, como na história de Zaqueu.

Ainda não ficou velha a boa notícia de Jesus, a boa notícia que é Jesus. E não é pra amanha a realização das promessas. É pra hoje. Como ele disse na sua sinagoga de Nazaré: "Hoje se cumpriram para vocês as palavras que acabaram de escutar".

P João Carlos – 06/01/2011

Postar um comentário