PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: rejeitado
Mostrando postagens com marcador rejeitado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rejeitado. Mostrar todas as postagens

O CAMINHO DE JESUS É O MEU CAMINHO


Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo (Mc 9, 37)

23 de setembro de 2018.

O evangelho deste domingo pode ser dividido em três partes. Jesus ensinando aos discípulos, os discípulos discutindo sobre ser o maior, Jesus apresentando a criança. As três partes estão unidas por um só tema. Jesus está se revelando ao seu grupo e trabalhando suas dificuldades em compreendê-lo e segui-lo. E onde nós entramos neste evangelho? Nós somos os discípulos de hoje, precisando compreender como Jesus está realizando sua missão.

Jesus estava ensinando aos discípulos. E estava dando prioridade a isso, atravessando a Galileia. Queria muito que eles entendessem como ele estava realizando a sua missão e o que iria acontecer com ele. É verdade que ele era o Messias, como Pedro tinha proclamado. Mas, não pensassem nessa sua condição com os critérios de grandeza, sucesso e glória dos grandes que eles conheciam ou de quem ouviam falar. Ele estava realizando a sua missão como um humilde servidor. O profeta Isaías tinha falado sobre o servo sofredor, um profeta de Deus carregado de sofrimento e humilhações. Esse era o seu caminho. Seria rejeitado, condenado e chegaria a ser morto. Ressuscitaria ao terceiro dia. Assim, realizaria a sua missão.

No caminho, os discípulos, em oposição a tudo que Jesus estava ensinando, discutiram sobre cargos, sobre posições de prestígio no grupo, em ser o maior. Eles continuavam na contramão do que Jesus estava ensinando. Um pouco antes, Pedro já tinha merecido uma bronca de Jesus. Também ele estava na contramão, desaconselhando Jesus a falar em perseguição e morte.  Chegando em casa, Jesus sabendo das pretensões equivocadas deles, chamou  uma criança e continuou o seu ensinamento, corrigindo essa visão dos discípulos.

Em casa, o ensinamento de Jesus continuou na mesmo linha do que ensinara antes. “O primeiro é o servidor de todos”.  Foi quando abraçou a criança e disse que quem acolhesse a criança, o acolheria. Jesus estava se comparando com a criança. E por que Jesus se comparou com a criança? A criança está representando o pequenino, o sem poder. Na sociedade do tempo de Jesus, a criança não tinha a importância e a prioridade que tem hoje em nossa civilização. Mesmo entre nós, até algumas décadas atrás, criança não tinha vez nenhuma. Por exemplo, não podia falar enquanto adultos estivessem conversando, não podia passar no meio de adultos,  não escolhia suas roupas, nem sua comida... Criança era por último. No tempo de Jesus, a coisa era bem pior. Afinal, comparar-se com a criança era comparar-se com a fraqueza, com o sem poder e sem valor social.

Guardando a mensagem

Somos seguidores de Jesus, somos cristãos. Mas, pode ser que a imagem que fazemos de Jesus não esteja exatamente a do evangelho. O texto de hoje nos ajuda a melhorar nossa compreensão sobre  Jesus, o Messias filho de Deus e sua missão. Ele realizou a sua missão, fazendo um caminho bem diferente da grandeza, da glória e do triunfo humano. O apóstolo Paulo disse que ele se esvaziou a si mesmo (Fl 2), fazendo-se servo obediente até à cruz. O profeta Isaías falou dele como o servo sofredor, carregado de humilhações. O próprio Jesus, que já tinha explicado aos discípulos que seria rejeitado, perseguido e morto e ressuscitaria, identificou-se com a criança.  A criança, nessa passagem, é exemplo dos pequeninos, dos sem poder, dos desprestigiados.  O caminho de Jesus é o caminho da Igreja. O caminho de Jesus é o caminho do cristão. Não estamos indo para o pódio. Nossa glória passa pela cruz.

Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo (Mc 9, 37)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
A verdade é que a nossa vida cristã, nosso relacionamento com Deus, nossos compromissos no mundo estão marcados e influenciados pela visão que temos de ti, de teu messianismo. Normalmente, esquecemos que abraçaste voluntariamente a paixão e a cruz e nos alcançaste a salvação dando a tua vida em nosso favor. É que, no fundo, queremos escapar aos conflitos, aos problemas, aos sofrimentos que são inerentes à nossa condição humana e à nossa vida em sociedade.  Assim, fazemos como os teus primeiros discípulos, que estavam de olho nos cargos, no poder e no sucesso que alcançariam ao teu lado. Hoje, nos recordas, Senhor, o teu caminho, que é também o caminho de cada um de nós teus seguidores e de tua Igreja.  E, em resposta, queremos te acolher na fraqueza do servo sofredor e na condição de pequenino, como as crianças do teu tempo. Queremos seguir contigo, sempre. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

O que de mais importante podemos fazer hoje, em resposta à palavra? Participar da Santa Missa. Esta é a ação mais digna do seguidor de Jesus, no dia do Senhor. A Santa Eucaristia é o memorial de sua morte e ressurreição.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 23.09.2018

CONFIANÇA EM DEUS NO SOFRIMENTO E NA PROVAÇÃO

Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado (Jo 8, 29).

20 de março de 2018.

É, estava difícil. Por mais que Jesus explicasse, eles não queriam entender, não queriam aceitá-lo. O clima de resistência e rejeição vai crescendo em torno de Jesus. Está chegando a hora da paixão. No fim, os seus próprios discípulos estarão em dúvida e irão deixá-lo só.

Na passagem de hoje, no evangelho de São João, mesmo num clima tão adverso, Jesus afirma sua confiança no Pai que o enviou, que o sustenta, que estará sempre ao seu lado. “Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado”. E Jesus está certo do apoio do Pai, porque ele está sempre em comunicação com ele pela oração e porque está sempre fazendo a sua vontade.
Ainda assim, você pode pensar: mesmo com toda confiança em Deus, na cruz, Jesus se sentiu só e abandonado. Na cruz, pelas três da  tarde, gritou em alta voz: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?”. É uma palavra que impressiona, uma oração no meio da agonia da asfixia e das dores lacerantes naquela cruz, depois de uma noite de flagelação e maus tratos e de um dia de humilhações e sofrimento físico. Também ali na cruz, ele está em oração. É uma oração que brota de sua dor e de seu sentimento humano de quem se sente traído, evitado, execrado. Sofre pelas dores físicas, sofre ainda mais pelo que a crucifixão representa: a condenação de sua vida, o abandono dos seus amigos, o medo que dispersa o seu pequeno rebanho. Ele se sente só e abandonado. Mas, ali, ao pé da cruz, está um grupo de mulheres fiéis e o discípulo mais jovem.  Ali está também a sua mãe. O Pai o assiste, silencioso, ele sabe disso, num silêncio doloroso.
A oração de Jesus não é uma oração de revolta, mas uma oração de confiança. Reclama ao Pai, porque o sabe presente. Ainda mais que essas suas palavras brotam do Salmo 21 (22). E, apesar desse refrão tão forte – Meu Deus, porque me abandonaste – este salmo celebra a defesa que Deus faz do seu servo sofredor e a confiança nele.
Vamos guardar a mensagem
Nós - seguidores de Jesus, seus irmãos e irmãs - também passamos por muitas dificuldades, problemas, fracassos, perseguições. Nós nos encontramos, por vezes, na mesma condição de Jesus, que foi incompreendido e perseguido. Se nossas provações forem vividas em comunhão com Deus e se estivermos de fato fazendo a vontade de Deus, então essa confiança de Jesus no Pai pode ser também a nossa. E de onde vem essa confiança de Jesus? Jesus faz referência permanente a Deus, o seu Pai. Ele confere o seu caminho, permanentemente,  pela oração. Conhece o Pai, sabe que ele é fiel, que o ama, que sempre estará ao seu lado. Você também pode ter os mesmos sentimentos de Jesus, como São Paulo nos recomendou. Fortaleça, no seu coração, a convicção que Deus, na sua imensa misericórdia, por causa do seu filho Jesus, ama você, é eternamente fiel e sempre estará ao seu lado.
Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado (Jo 8, 29).
Vamos rezar a Palavra
Rezemos com as palavras do salmo 21(22):

Meu Deus! Meu Deus!
Por que me abandonaste?

Por que estás tão longe de salvar-me,
tão longe dos meus gritos de angústia?
Meu Deus!
Eu clamo de dia, mas não respondes;
de noite, e não recebo alívio!
Tu, porém, és o Santo,
és rei, és o louvor de Israel.
Em ti os nossos antepassados
puseram a sua confiança;
confiaram, e os livraste.
Clamaram a ti, e foram libertos;
em ti confiaram, e não se decepcionaram.
Tu, porém, Senhor, não fiques distante!
Ó minha força, vem logo em meu socorro!
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Neste momento, em vários lugares do nosso país, há claros sinais de perseguição à Igreja. Reze por esses irmãos, bispos, padres e leigos, para que, nesta provação, permaneçam firmes e fiéis.

Pe. João Carlos Ribeiro – 19.03.2018

Postagem em destaque

O PERDÃO DOS NOSSOS PECADOS

30 de junho de 2022 Quinta-feira da 13º Semana do Tempo Comum EVANGELHO Mt 9,1-8 Naquele tempo, 1entrando em um barco, Jesus atravessou para...

POSTAGENS MAIS VISTAS