Mostrando postagens com marcador perseguições. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador perseguições. Mostrar todas as postagens

20181226

PERSEVERAR NAS DIFICULDADES, PRIMEIRA LIÇÃO DO NATAL

Quem perseverar até o fim, esse será salvo (Mt 10, 22).
26 de dezembro de 2018.
Estamos na oitava do natal. E já celebrando o primeiro mártir cristão: Estêvão, o diácono Estêvão que pregou o nome de Jesus. Ele denunciou aqueles que levaram Jesus à cruz por conivência com o poder e em rejeição à manifestação de Deus no seu filho amado. Mas, o que essa comemoração do mártir Estêvão tem com o Natal do Senhor que estamos celebrando nesta oitava?
A cena do presépio nos parece doce e poética.  Na verdade, ali está representada a forma como a humanidade, a começar pelo seu próprio povo, tratou Jesus. E o tratamento que ele recebeu no seu nascimento foi de exclusão. Nasceu na estrebaria dos animais porque não havia lugar para ele nas casas de família e na hospedaria. Não acolheram o casal em dificuldade, chegando de uma longa viagem, a mulher em dores de parto, uma criancinha por nascer... Na falta de espaço em suas casas, ou melhor, de prioridade dos humildes em suas vidas, alguém lhes indicou a gruta dos animais.  Está certo que eles tiveram a atenção dos pastores naquela noite. Mas, os pastores encontraram a criança e seus pais na maior pobreza. Ah, teve mais nesses seus primeiros dias de vida... com a visita dos Magos do Oriente, José foi avisado que o rei Herodes procurava a criança para eliminá-la. E lá se vai a sagrada família, frente à iminente perseguição dos soldados do rei, migrando penosamente para as bandas do Egito. Exclusão e perseguição são as marcas da vida de Jesus, desde o início.
Jesus tinha avisado aos seus discípulos que eles seriam perseguidos. No evangelho de hoje, estão muitas de suas palavras sobre isso: “Levarão vocês presos para comparecerem diante de autoridades. Serão denunciados aos tribunais, açoitados nas sinagogas. Mas, não se intimidem, nem se desesperem. O Espírito Santo vai fazer a defesa de vocês. Ele falará em nome de vocês. Vejam que a perseguição pode sair até de dentro de sua própria casa. Vocês serão odiados. Mas, quem ficar perseverante até o fim, esse vencerá”.
As primeiras gerações de cristãos logo conheceram o sentido dessas palavras de Jesus. Estêvão era um dos sete diáconos escolhidos pelos apóstolos. A primeira proposta era organizar a distribuição de alimentos para as viúvas e para os pobres. Mas, os diáconos foram especialmente pregadores da Palavra de Deus. Continuaram a pregação de Jesus. Enquanto Estêvão estava só organizando a distribuição das feiras e outras ajudas às famílias pobres, todo mundo gostava. Quando começou a anunciar Jesus e denunciar os motivos de sua morte na cruz, aí começaram a persegui-lo. Estêvão é só um exemplo dos cristãos que continuam hoje a ser perseguidos por causa de sua fé, aliás, um bom exemplo, pois, enquanto estava sendo apedrejado, perdoou os seus algozes e entregou o seu espírito a Deus, imitando o próprio Jesus.
Guardando a mensagem
Estamos na oitava do Natal. No natal de Jesus, apesar do clima de poesia com que hoje o revestimos, vemos nele os sinais da exclusão e da violência. Foi assim desde o começo até à sua morte. Hoje, festejamos o primeiro mártir seguidor de Cristo, Estêvão. Ele foi perseguido e apedrejado por causa de sua fé e de sua pregação sobre o Senhor Jesus. Como seguidor de Jesus (ou sua seguidora), você também pode sofrer incompreensão, discriminação e até perseguição. Nessas condições, muita gente desiste, se acovarda, dissimula ou adoça o seu discurso. O que aprendemos no presépio e, hoje com Estêvão, é a fidelidade até o fim.
Quem perseverar até o fim, esse será salvo (Mt 10, 22).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Nós te agradecemos por tua encarnação. Tu, o salvador enviado pelo Pai, nos surpreendeste nascendo entre os pobres, em completa solidariedade com os excluídos e sofredores deste mundo. Assim, nos indicaste o caminho que devemos percorrer nesta vida e o caminho que tu és como nosso mestre e Senhor. Nós te bendizemos pelos irmãos e irmãs que enfrentam com fidelidade e destemor os sofrimentos e perseguições por causa de sua fé. Nós te bendizemos por Estêvão, o mártir celebrado hoje. E, por sua intercessão, pedimos a bênção para todos os diáconos da Igreja e suas famílias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Reze, hoje, pelas pessoas que estão passando dificuldades e sofrendo por causa de sua fé em Cristo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 26.12.2018

20181127

A HORA DO TESTEMUNHO

Essa é a ocasião em que vocês vão testemunhar a sua fé (Lc 21, 13)
28 de novembro de 2018.
Estamos lendo o capítulo 21 de São Lucas. Jesus prepara os discípulos para os momentos de crise da caminhada e para a grande crise final que antecederá o seu retorno glorioso. Ainda ontem, o ouvimos falar de guerras, revoluções, terremotos, fome, pestes. E recolhemos três preciosos ensinamentos que ele deixou: não confiar em grandiosidades humanas,  não nos deixar enganar pelos aproveitadores e não nos apavorar com os acontecimentos adversos.
No texto de hoje, lemos mais um trecho desse capítulo 21 de São Lucas. O tema é o da perseguição. Por causa de Jesus, por causa do seu evangelho, sofremos perseguições.  E de onde procedem essas perseguições? Jesus responde: Da sociedade (por meio de suas autoridades), de setores religiosos (representados na antiga sinagoga) e até da própria família (pais, irmãos, parentes e amigos).
E Jesus está narrando tudo isso não para nos amedrontar, mas para nos incentivar a permanecer serenos, perseverantes e fieis no meio das dificuldades que possam aparecer, sobretudo em tempos de perseguição. E perseguição sempre aconteceu. As primeiras comunidades cristãs, por exemplo,  atravessaram quase três séculos de ameaças, clandestinidade e martírios. Perseguição, na verdade, sempre houve em nossa história cristã, mesmo nos dias atuais. Basta lembrar Dom Oscar Romero, assassinado em El Salvador em 1980 e recentemente canonizado. E o grande número de países, cerca de 196, em que hoje não há liberdade religiosa. E os ataques a templos cristãos no Oriente Médio, o massacre de comunidades cristãs em vários países. ..
A perseguição por causa da fé em Cristo pode não estar tão longe assim. Ela pode se manifestar nas redes sociais, nas rodas de conversa, no ambiente de trabalho, na sala de aula e até dentro de casa. Se você andar em dia com o mundo, ninguém vai censurar você. Agora, ande segundo o evangelho da verdade, da justiça, da fraternidade... Aí, não vão lhe faltar críticas, incompreensões, apelidos, xingamentos... e muito mais.
Diante da realidade da perseguição – a atual e a que pode vir – Jesus nos deixa, no evangelho de hoje, três orientações:
A primeira é o TESTEMUNHO. Disse ele: “Essa será a ocasião em que vocês testemunharão a sua fé”.  O tempo de perseguição é o tempo do grande testemunho.
A segunda orientação é a CONFIANÇA EM DEUS. Disse Jesus: “façam o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa”. O Senhor nos dará palavras acertadas com que calaremos o inimigo.
A terceira orientação é a PERSEVERANÇA. Disse Jesus: “É permanecendo firmes que vocês vão ganhar a vida”. Dom Helder deixou escrito: “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca”. Disse tudo.
Guardando a mensagem
Nós seguidores de Jesus, como ele, em nosso caminho, encontramos muitas barreiras e até perseguições. Os mártires são exemplos para nós: eles resistiram com fidelidade até o fim às suas convicções, ao evangelho de Jesus. Em meio às dificuldades, incompreensões e perseguições por causa de nossa fé, Jesus nos deixa três orientações: Testemunho, Confiança em Deus e Perseverança.  Os momentos de crise ou mesmo de perseguição são tempos de purificação de nossa fé, de crescimento em fidelidade e fraternidade e de robustecimento da confiança no Senhor que jamais nos abandona.
Essa é a ocasião em que vocês vão testemunhar a sua fé (Lc 21, 13)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Dificuldades e problemas nos cercam. Fazem parte de nossa limitação humana e de nossa condição de pecadores. Por causa de nossa adesão ao evangelho, estamos expostos a incompreensão, comentários maldosos, difamações... Muitos irmãos, por causa da fé, chegam até a sofrer violência física e verbal. Dá-nos, Senhor, como nos indicaste para estas ocasiões, oferecer com destemor o nosso testemunho, navegando nessas tormentas com grande confiança em Deus e perseverando fielmente no bem e na verdade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Meditando esse evangelho, talvez você se lembre de alguém de seu conhecimento que esteja passando por um momento de provação ou perseguição por causa do evangelho. Será que você poderia fazer alguma coisa por essa pessoa?

Pe. João Carlos Ribeiro – 28.11.2018

20170713

SERPENTES E POMBAS

Eis que eu envio vocês como ovelhas no meio de lobos. Sejam, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas (Mt 10, 16)
Estamos lendo, nestes dias, o Sermão da Missão, no capítulo 10 de Mateus. Jesus começou anunciando o nome dos missionários. E prosseguiu com uma série de recomendações. Hoje, temos uma advertência sobre as dificuldades da missão. Missionários somos todos nós, discípulos do Senhor. A nós é confiada a missão, em vários graus e de várias formas. Os missionários somos nós. Então, as dificuldades mencionadas por Jesus, nós também vamos encontrá-las.
O conteúdo da missão nos foi indicado na passagem de ontem: “No caminho,  anunciem: ‘O Reino dos Céus está próximo’. Anunciar com palavras e gestos que o Reino de Deus chegou para todos. Anúncio a ser concretizado em quatro tarefas. Curar os enfermos, isto é, restaurar a dignidade humana. Purificar os leprosos, isto é, proclamar o perdão dos pecados pela misericórdia de Deus. Ressuscitar os mortos, isto é, promover a vida. Expulsar os demônios, isto é, denunciar e vencer o mal que domina as pessoas. São essas as quatro tarefas pelas quais anunciamos a proximidade do Reino de Deus na vida das pessoas.
Essa missão comunicada aos doze apóstolos é a missão confiada a toda a Igreja, a todos os seguidores de Jesus. E a gente a realiza com nossa vida cristã, com nossas palavras e ações. E é esse ser cristão e  anunciadores de  Cristo no mundo que nos traz problemas, dificuldades, resistências, reações. É neste sentido que Jesus está nos dizendo: “envio vocês como ovelhas no meio de lobos”. O mundo, influenciado pelo poder do mal, não aceita facilmente a mensagem de Cristo. E podemos, como ovelhas no meio de lobos, ser presas fáceis da vaidade, do fascínio do poder e da riqueza, da pressão social, da lógica do mundo. Ou, permanecendo fieis à nossa missão, podemos até sofrer todo tipo de incompreensão, de retaliação, de perseguição.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...