PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: parálitico
Mostrando postagens com marcador parálitico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador parálitico. Mostrar todas as postagens

O PERDÃO DOS NOSSOS PECADOS



06 de dezembro de 2021

EVANGELHO


Lc 5,17-26

17Um dia Jesus estava ensinando. À sua volta estavam sentados fariseus e doutores da Lei, vindos de todas as aldeias da Galileia, da Judeia e de Jerusalém. E a virtude do Senhor o levava a curar.
18Uns homens traziam um paralítico num leito e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo. 19Mas, não achando por onde introduzi-lo, devido à multidão, subiram ao telhado e por entre as telhas o desceram com o leito no meio da assembleia diante de Jesus. 20Vendo-lhes a fé, ele disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”.
21Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo: “Quem é este que assim blasfema? Quem pode perdoar os pecados senão Deus?” 22Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo: “Por que murmurais em vossos corações? 23O que é mais fácil dizer: ‘teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘levanta-te e anda?’ 24Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados — disse ao paralítico — eu te digo: levanta-te, pega o leito e vai para casa”. 25Imediatamente, diante deles, ele se levantou, tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus. 26Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus e cheios de temor diziam: “Hoje vimos coisas maravilhosas!”

MEDITAÇÃO


Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)

Nós começamos essa segunda semana do advento com o apelo da conversão. João Batista preparou o povo para receber Jesus, convidando-o a consertar seus caminhos errados, confessar os seus pecados e batizar-se no rio Jordão. É o advento: preparar o encontro com Jesus, consertando a estrada esburacada e cheia de curvas de nossa vida, pela conversão dos nossos pecados.

E quem pode perdoar os nossos pecados? O evangelho de hoje tem a resposta. Os fariseus acharam que Jesus estava blasfemando. Ele perdoou os pecados do paralítico. Havia muita gente ouvindo Jesus, o local estava lotado. Um grupo trouxe um paralítico e arrumou um jeito de apresentá-lo ao Mestre. Desceram o doente pelo telhado. Jesus viu a fé deles e disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”. Foi o bastante para uma onda de críticas. “Só Deus pode perdoar os pecados!”, murmuraram os fariseus.

O perdão dos pecados é a obra de Jesus no sacrifício da cruz. Por sua morte e ressurreição, ele nos reconciliou com Deus. Senhor fariseu, é verdade, é Deus quem perdoa! É Deus quem foi ofendido. E Deus nos perdoa, pelos méritos da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Quem perdoou o paralítico foi o próprio autor da salvação. E até o curou de sua doença. Mas, fez ver que isso não era mais importante do que o perdão dos pecados. E até mesmo o curou para mostrar, como ele disse, que “o filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados”.

Nós recebemos o perdão dos nossos pecados, em primeiro lugar, no batismo. É a nossa primeira conversão. O batismo é o banho purificador pelo qual o Espírito Santo nos lava do pecado. E como continuamos a pecar depois do batismo, precisamos de uma segunda conversão, que precisa ser contínua em nossa vida. Para voltar à comunhão com Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão, chamado também de sacramento da penitência. Aqui, entra o neofariseu de hoje com a mesma crítica: ‘Só Deus pode perdoar os pecados!’, tentando desqualificar esse serviço exercido pelos ministros da Igreja.

Jesus, o filho de Deus, nos reconcilia com o Pai, por meio do seu sacrifício redentor. E ele encarregou os seus apóstolos para darem continuidade na história a esse ministério de reconciliação. Depois de ressuscitado, tendo soprado sobre eles comunicando-lhes o santo Espírito, ele disse: “A quem vocês perdoarem os pecados, eles serão perdoados”. Os ministros da absolvição (os bispos e os padres) realizam esse ministério em nome de Cristo. Eles participam do seu sacerdócio. Em seu nome, escutam a confissão dos pecados dos seus irmãos, em seu nome os aconselham, em seu nome conferem a absolvição dos seus pecados. É claro, só Deus pode perdoar os pecados, senhor neofariseu! E ele o faz por meio dos seus ministros. Foi assim que Jesus deixou.

Guardando a mensagem

Este tempo do advento nos avisa que precisamos preparar a nossa vida para o encontro com Cristo, como quem conserta uma estrada com muitas curvas e buracos. É o grande apelo de conversão dos nossos pecados. E como nos livramos dessas estradas tortas do pecado, sobretudo do pecado mortal que nos afasta da comunhão com Deus? Resposta: pelo arrependimento e pela confissão dos nossos pecados. A nossa primeira conversão é celebrada no batismo. Nele, somos lavados do pecado, pelos méritos da paixão do Redentor. Para nos ajudar a reencontrar a graça de Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão ou penitência. Nele, celebramos a nossa segunda e permanente conversão. Arrependidos, confessamos/dizemos os nossos pecados e recebemos a absolvição dos ministros da Igreja que fazem isso em nome de Cristo. Assim, somos reconciliados com Deus e com a comunidade eclesial, a quem também ofendemos com nossos pecados.

Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras com que pedimos perdão dos nossos pecados, no início da Santa Missa.

Confesso a Deus Todo-Poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras, atos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à Virgem Maria, aos anjos e santos e a vós, irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor. Amém.

Vivendo a palavra

Se a gente parar pra pensar um pouco e abrir espaço para a ação do Espírito Santo em nós, logo compreendemos nossas falhas e nossos pecados. É o que a gente faz no Exame de Consciência. Dê uma paradinha em algum momento no dia de hoje e faça seu Exame de Consciência. Pergunte-se: Em que eu estou falhando com o meu Deus?

Agradeço, de coração, a quem acompanhou o nosso Show de domingo passado. O evento reuniu uma audiência numerosa e participativa, de forma presencial e on-line. Agora, na AMA, já começa a preparação para a novena de Natal.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A GRAÇA DO PERDÃO


07 de de dezembro de 2020
Dia de Santo Ambrósio, bispo e doutor da Igreja

EVANGELHO


Lc 5,17-26

17Um dia Jesus estava ensinando. À sua volta estavam sentados fariseus e doutores da Lei, vindos de todas as aldeias da Galileia, da Judeia e de Jerusalém. E a virtude do Senhor o levava a curar.
18Uns homens traziam um paralítico num leito e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo. 19Mas, não achando por onde introduzi-lo, devido à multidão, subiram ao telhado e por entre as telhas o desceram com o leito no meio da assembleia diante de Jesus. 20Vendo-lhes a fé, ele disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”.
21Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo: “Quem é este que assim blasfema? Quem pode perdoar os pecados senão Deus?” 22Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo: “Por que murmurais em vossos corações? 23O que é mais fácil dizer: ‘teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘levanta-te e anda?’ 24Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados — disse ao paralítico — eu te digo: levanta-te, pega o leito e vai para casa”. 25Imediatamente, diante deles, ele se levantou, tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus. 26Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus e cheios de temor diziam: “Hoje vimos coisas maravilhosas!”

MEDITAÇÃO


Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)

Nós começamos essa segunda semana do advento com o apelo da conversão. João Batista preparou o povo para receber Jesus, convidando-o a consertar seus caminhos errados, confessar os seus pecados e batizar-se no rio Jordão. É o advento: preparar o encontro com Jesus, consertando a estrada esburacada e cheia de curvas de nossa vida, pela conversão dos nossos pecados.

E quem pode perdoar os nossos pecados? O evangelho de hoje tem a resposta. Os fariseus acharam que Jesus estava blasfemando. Ele perdoou os pecados do paralítico. Havia muita gente ouvindo Jesus, o local estava lotado. Um grupo trouxe um paralítico e arrumou um jeito de apresentá-lo ao Mestre. Desceram o doente pelo telhado. Jesus viu a fé deles e disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”. Foi o bastante para uma onda de críticas. “Só Deus pode perdoar os pecados!”, murmuraram os fariseus.

O perdão dos pecados é a obra de Jesus no sacrifício da cruz. Por sua morte e ressurreição, ele nos reconciliou com Deus. Senhor fariseu, é verdade, é Deus quem perdoa! É Deus quem foi ofendido. E Deus nos perdoa, pelos méritos da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Quem perdoou o paralítico foi o próprio autor da salvação. E até o curou de sua doença. Mas, fez ver que isso não era mais importante do que o perdão dos pecados. E até mesmo o curou para mostrar, como ele disse, que “o filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados”.

Nós recebemos o perdão dos nossos pecados, em primeiro lugar, no batismo. É a nossa primeira conversão. O batismo é o banho purificador pelo qual o Espírito Santo nos lava do pecado. E como continuamos a pecar depois do batismo, precisamos de uma segunda conversão, que precisa ser contínua em nossa vida. Para voltar à comunhão com Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão, chamado também de sacramento da penitência. Aqui, entra o neofariseu de hoje com a mesma crítica: ‘Só Deus pode perdoar os pecados!’, tentando desqualificar esse serviço exercido pelos ministros da Igreja.

Jesus, o filho de Deus, nos reconcilia com o Pai, por meio do seu sacrifício redentor. E ele encarregou os seus apóstolos para darem continuidade na história a esse ministério de reconciliação. Depois de ressuscitado, tendo soprado sobre eles comunicando-lhes o santo Espírito, ele disse: “A quem vocês perdoarem os pecados, eles serão perdoados”. Os ministros da absolvição (os bispos e os padres) realizam esse ministério em nome de Cristo. Eles participam do seu sacerdócio. Em seu nome, escutam a confissão dos pecados dos seus irmãos, em seu nome os aconselham, em seu nome conferem a absolvição dos seus pecados. É claro, só Deus pode perdoar os pecados, senhor neofariseu! E ele o faz por meio dos seus ministros. Foi assim que Jesus deixou. 

Guardando a mensagem

Este tempo do advento nos avisa que precisamos preparar a nossa vida para o encontro com Cristo, como quem conserta uma estrada com muitas curvas e buracos. É o grande apelo de conversão dos nossos pecados. E como nos livramos dessas estradas tortas do pecado, sobretudo do pecado mortal que nos afasta da comunhão com Deus? Resposta: pelo arrependimento e pela confissão dos nossos pecados. A nossa primeira conversão é celebrada no batismo. Nele, somos lavados do pecado, pelos méritos da paixão do Redentor. Para nos ajudar a reencontrar a graça de Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão ou penitência. Nele, celebramos a nossa segunda e permanente conversão. Arrependidos, confessamos/dizemos os nossos pecados e recebemos a absolvição dos ministros da Igreja que fazem isso em nome de Cristo. Assim, somos reconciliados com Deus e com a comunidade eclesial, a quem também ofendemos com nossos pecados.

Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras com que pedimos perdão dos nossos pecados, no início da Santa Missa.

Confesso a Deus Todo-Poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras, atos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à Virgem Maria, aos anjos e santos e a vós, irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor. Amém.

Vivendo a palavra

Se a gente parar pra pensar um pouco e abrir espaço para a ação do Espírito Santo em nós, logo compreendemos nossas falhas e nossos pecados. É o que a gente faz no Exame de Consciência. Dê uma paradinha em algum momento no dia de hoje e faça seu Exame de Consciência. Pergunte-se: Em que eu estou falhando com o meu Deus?

Você vai escutar um trechinho da música JÁ NÃO SOU EU, de minha autoria. Ela tem a ver com a Meditação de hoje. No link que leva ao Evangelho e ao texto da Meditação, está também a letra dessa música e o áudio dela completo. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb 


 

  JÁ NÃO SOU EU 

(Pe. João Carlos)


Não consigo entender
Não consigo fazer 
O bem que eu quero
Não consigo entender
Só consigo fazer
O mal que não quero

Quem me livrará 
Deste peso de morte em mim
Quem me libertará
Do pedado que mora em mim

Foi por isso que o Pai enviou
Veio a nós Jesus Salvador
Que nos deu vida nova no seu Espírito

Minha vida agora
Eu a vivo na fé
Fé naquele que me amou
E por mim se entregou

Fui crucificado com Ele
Ressuscitado com Ele
Fui perdoado por Ele
Minha vida recomeçou

Já não sou eu
Já não sou eu
Já não sou eu que vivo
É Cristo que vive em mim. 




Postagem em destaque

A fé que vence o medo.

   23 de junho de 2024.       12º Domingo do Tempo Comum.       Evangelho.   Mc 4,35-41 35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus ...

POSTAGENS MAIS VISTAS