Mostrando postagens com marcador batismo de Jesus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador batismo de Jesus. Mostrar todas as postagens

10 janeiro 2020

A ALEGRIA DO AMIGO DO NOIVO

Esta é a minha alegria, e ela é completa (Jo 3, 29)

11 de janeiro de 2020

Outro dia, eu presenciei o reencontro de uma professora minha amiga com sua antiga aluna. A professora, agora recém-aposentada e a aluna psicóloga, agora, em plena atuação profissional. Professora e ex-aluna ficaram felizes e eufóricas ao se reconhecerem e se reencontrarem. A Professora, muito feliz por encontrar sua antiga aluna tão bem colocada profissionalmente. 

Eu fiquei olhando a reação da professora. Talvez alguém em seu lugar tivesse se lamentado, imaginando que sua aluna podia estar numa posição melhor do que a sua. Mas, ela nem de longe demonstrou esse sentimento mesquinho de quem se sente deixado pra trás. Ela gostava de ensinar e tinha sido uma boa educadora. Foi sua missão. E a missão deu certo, pois uma aluna como aquela tinha encontrado seu lugar na sociedade. Nada de inveja, nada de complexo de inferioridade. A professora ficou feliz, muito feliz. Feliz por sua missão ter se realizado tão bem como demonstrava o êxito de sua aluna. 

Essa cena ilustra o evangelho de hoje. Os discípulos de João Batista vieram lhe contar que um dos que estivera com ele agora estava também batizando em outro local. Eles estavam irritados com isso: ‘João Batista deu todo cartaz a ele, deu testemunho sobre ele, até o tinha batizado. Agora, ele está reunindo muita gente e batizando’. Você nem precisa ler o evangelho de hoje para saber quem era esse pregador que estava despontando. Jesus, claro. 

João Batista pode ser comparado com a professora recém-aposentada. Ele recebeu com alegria a notícia de que Jesus, que ele batizara e apontara como Cordeiro de Deus, agora, estava reunindo muita gente e batizando. João Batista não ficou enciumado. Ficou feliz. Ele comentou que já lhes tinha dito que não era o Cristo, mas tinha sido enviado adiante dele. E se comparou com o amigo do noivo que fica responsável pela festa do casamento. Ele toma todas as providências para que tudo saia bem e que o noivo, seu amigo, fique satisfeito. Quando o noivo chega, ele sabe que sua missão está terminada. E fica particularmente feliz porque sua missão chegou ao ponto mais alto. Se a missão que recebera era preparar a chegada do Messias, missão cumprida. Ele chegou. Alegria completa. 

João Batista não se sentiu ameaçado ou traído por causa da atuação profética de Jesus, que estava aparentemente fazendo como ele, pregando e batizando. Sentiu-se feliz, reconhecendo que a tarefa que tinha recebido de Deus era preparar os caminhos para ele. E reconheceu, diante do povo e dos discípulos, ser apenas um servidor, indigno mesmo de desatar as correias de suas sandálias. Jesus, conhecido e reverenciado por tanta gente, também não se esqueceu de seu predecessor, nem desconsiderou a influência que teve o Batista na sua formação. 

Guardando a mensagem 

Os discípulos de João ficaram incomodados com o fato de Jesus estar reunindo o povo, pregando e batizando. Acharam que João ficaria aborrecido com essa atuação de Jesus, uma vez que o tinha batizado e recomendado ao povo. O Batista não se deixou guiar por esse sentimento mesquinho de ciúme ou de exclusividade. Soube reconhecer a grandeza de sua missão, que era preparar o povo para receber o Messias. Uma vez que o noivo chegou, o amigo do noivo que ficou responsável pela festa do casamento sabe, com humildade e alegria, que a sua missão está cumprida. 

Esta é a minha alegria, e ela é completa (Jo 3, 29)

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 

Foi bonito ver a professora ficar radiante com o reencontro com sua antiga aluna, agora uma psicóloga. Ela ficou feliz com o êxito de sua missão estampada na realização profissional de sua aluna. Foi o que aconteceu com o profeta João Batista ao ter conhecimento do sucesso que estavas alcançando com tuas pregações e curas. Ele soube, naquele momento, que sua missão estava plenamente realizada. Como ele disse: “minha alegria está completa”. Senhor, livra-nos desses sentimentos mesquinhos de inveja, ciúme, despeito pelos quais nos sentimos ameados pelo crescimento dos outros e entristecidos pelo seu sucesso. Dá-nos a alegria de ver nossa missão cumprida no êxito de nossos filhos, alunos, dependentes. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Amanhã, celebraremos a festa do Batismo do Senhor. Festeje também o seu batismo. Amanhã, não falte à celebração de sua comunidade. 

11 de janeiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb 



13 janeiro 2019

A GRANDE REVELAÇÃO DO BATISMO


E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem-querer” (Lc 3, 22).

13 de janeiro de 2018.

E este é o domingo do Batismo do Senhor. Uma bela oportunidade para nos darmos conta da beleza e da grandeza do nosso batismo. Somos batizados, temos parte com Jesus, somos filhos de Deus, membros da Igreja, habitados pelo Santo Espírito. Que grande graça sermos batizados!

Falando em batismo, grosso modo, podemos identificar quatro grupos entre nós. Os que são de família católica e não foram batizados. Os que foram batizados e não vivem na comunhão da Igreja. Os que foram batizados e migraram para outras igrejas. E os que foram batizados e vivem na fé católica. Será que você consegue se localizar em algum desses grupos?

No batismo de Jesus, ficamos sabendo quem ele é. Ele é o SERVO DE DEUS. Sobre ele, repousa o Santo Espírito. Sua missão é refazer a aliança com o povo, guiar as nações no caminho da justiça, libertar os oprimidos, ser uma luz para as nações. É o que está escrito no Profeta Isaías, no primeiro cântico do Servo de Javé (Isaías 42). Jesus é o SERVO DE DEUS.

Ele é o SENHOR DE TODOS. Ele foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Ele andou por toda parte, fazendo o bem e libertando os possuídos pelo mal. Ele é o Cristo, o Senhor de todos, não só de Israel. É o que Pedro disse na casa de Cornélio, em Cesareia, como está no livro dos Atos dos Apóstolos (Atos 10). Jesus é o SENHOR DE TODOS.

Ele é o FILHO AMADO. Ele foi consagrado pelo Santo Espírito. Depois do batismo no Rio Jordão, ele estava em oração, quando o céu se abriu, veio o Espírito como pomba sobre ele e ouviu-se a voz do Pai, dizendo que ele é o seu filho amado. Ele é o enviado do Pai que nos batiza com o Espírito Santo e com o fogo. É o que está em Lucas, o evangelho de hoje (Lucas 3). Jesus é o FILHO AMADO.

No batismo, você fica sabendo quem você é, quem somos nós. Nós somos SERVOS DE DEUS. Maria, a primeira discípula de Jesus, nos dá o exemplo. Ela se colocou inteiramente a serviço de Deus: “Eu sou a serva do Senhor”. Nós somos os empregados  a quem o Senhor confiou o cuidado de sua casa e de sua família, em sua ausência.  SERVO DE DEUS, SERVA DE DEUS é o que você é.

Nós somos CIDADÃOS DO REINO. Participamos do senhorio de Jesus, fazendo a nossa parte na manifestação do Reino neste mundo.  Como Jesus, nós temos a missão de iluminar o mundo com a luz de Deus e fermentá-lo com o evangelho. Pelo batismo, temos parte com Jesus sacerdote, profeta e rei. CIDADÃO DO REINO, CIDADÃ DO REINO é o que você é.

Nós somos FILHO AMADOS. Também no nosso batismo, o Pai nos disse que somos seus filhos amados. Pela ação do Santo Espírito, recebemos a adoção filial. Somos filhos adotivos, filhos no Filho, filhos amados. É assim que somos irmãos no Senhor e nos comprometemos com a fraternidade neste mundo. Pelo batismo, somos membros do único Corpo de Cristo, a sua Igreja. FILHO AMADO, FILHA AMADA é o que você é.

Guardando a mensagem

Muita gente desconhece a grandeza e a dignidade que o batismo lhe conferiu. O batismo de Jesus no Jordão revela a sua identidade e a sua missão. Ele é o servo de Deus, o Senhor de todos, o Filho amado do Pai. O sacramento do batismo também revela a nossa identidade e nossa missão de cristãos. Nós somos servos de Deus, cidadãos do Reino, filhos amados do Pai.

E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem-querer” (Lc 3, 22).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje queremos te pedir, de maneira especial, pelos que não conhecem a beleza e a graça do santo batismo. Uns porque, mesmo sendo de famílias católicas, não se batizaram e outros porque, mesmo batizados, não vivem na fé, não participam da vida da Igreja. Senhor, não nos permitas que desistamos deles. Antes, dá-nos espírito missionário, paciência e perseverança para testemunharmos a todos como é maravilhoso te conhecer, te amar e te seguir como servos de Deus, cidadãos do Reino e filhos amados do Pai. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em sinal de adesão à fé da Igreja reze, hoje, de maneira especial, o Credo (Creio em Deus Pai, todo poderoso,...). Faça isso na celebração com a sua comunidade ou em particular.

Pe. João Carlos Ribeiro SDB -  13.01.21018