08 setembro 2019

CORAÇÃO LIVRE, MOCHILA NAS COSTAS


Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vocês, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo! (Lc 14, 33)

08 de setembro de 2019 – 23º  Domingo do Tempo Comum

Numa boa parte do evangelho de São Lucas, Jesus está em viagem para Jerusalém. Vão com ele os doze, discípulos e discípulas. Lucas diz o nome de quatro dessas mulheres discípulas, indicando que no grupo estavam muitas outras. Essa grande viagem de Jesus é a sua última viagem. Em Jerusalém, o esperam prisão, morte e ressurreição, o ponto alto de sua missão. O texto de hoje começa com essa observação: ‘grandes multidões o acompanhavam’. Então, Jesus está subindo a Jerusalém, na caminhada de sua missão que terá seu coroamento em sua morte redentora em Jerusalém. Discípulos e discípulas sobem com ele. Nos seus contatos com a multidão que o cerca pelo caminho ou em algum momento de reunião, Jesus lhes fala sobre as condições para alguém segui-lo.

Caminhar com Jesus para Jerusalém é um modo de entendermos a nossa condição de discípulos e discípulas, hoje também. Quando Lucas escreveu o seu evangelho, ele estava de olho no povo de suas comunidades. Ele via muita gente chegando, se aproximando da comunidade ... que bom, mas, calma aí! Seguir Jesus não é uma brincadeira. É uma coisa muito séria, exige uma decisão consciente, comporta renúncias. Ser cristão é como caminhar com Jesus subindo para Jerusalém, com o seu mesmo sentimento de adesão à vontade de Deus. O ponto alto da peregrinação de Jesus foi a entrega de sua própria vida.

Bom, então, Jesus falou ao povo, à multidão. E disse assim: “se alguém quiser ir comigo nessa viagem, se lembre que tem que deixar tudo pra trás, carregar sua própria bagagem e me acompanhar”. Bom, não falou assim assim. Mas, esse era o sentido. “Se alguém quiser ir comigo nessa viagem, se lembre que tem que deixar tudo pra trás, carregar sua própria bagagem e me acompanhar”. Primeiro, colocar Jesus em primeiro lugar em sua vida. E colocar todos e tudo o mais em segundo lugar. Aí Lucas fez a lista de sete pontos: pai, mãe, mulher, filhos, irmãos, irmãs e até a sua própria vida. Ao entrar na viagem com Jesus, isto é segui-lo, a primeira coisa é colocar Jesus em primeiro lugar. É a partir dele que amamos e cuidamos dos outros e de nós mesmos. É como se eu me despedisse deles, para seguir com Jesus para Jerusalém. E segundo, carregar a própria cruz, ao lado de Jesus ou atrás dele. A cruz bem que poderia ser a nossa bagagem: as dificuldades, os problemas, as preocupações, tudo o que pesa sobre nossos ombros.



Você está me entendendo, não está? Jesus está subindo com os discípulos para Jerusalém, para a sua páscoa. O povão o cerca pelo caminho ou o escuta, em algumas ocasiões. Muita gente quer ir com ele naquela peregrinação, isto é, quer ser discípulo. Ele explica que segui-lo é fazer o seu mesmo caminho de renúncia e entrega, de adesão à vontade de Deus. É um caminho que exige renúncia e entrega. Não é uma brincadeira. Para isso ficar bem claro, ele contou duas pequenas parábolas. Um construtor está para construir uma torre. Um conselho para ele: calcular os gastos, para ver se dá para começar e terminar. Ficando pelo meio do caminho, vai ser motivo de galhofa da parte dos outros. Um rei está para entrar em guerra. O conselho: vamos com calma: se o seu exército for mais fraco que o inimigo é melhor negociar as condições de paz. Moral da história: Quem quiser seguir Jesus precisa da  prudência do rei e da sabedoria do construtor. Vai acompanhar Jesus? Pense bem, para tomar a decisão certa e ser fiel até o fim.

Agora, você ficou pensando, então Jesus está nos desmotivando para segui-lo, achando que é melhor a gente ficar quieto e não seguir com ele para Jerusalém. Nada disso. Jesus está lhe dizendo que a coisa é séria, exige renúncia, entrega, perseverança. O convite continua: “Vem e segue-me!”. Sobre isso, o livro da Sabedoria nos dá uma dica muito boa: Ninguém acerta o caminho, se não tiver a sabedoria do Espírito Santo. Está escrito assim: “Acaso alguém teria conhecido o teu desígnio, sem que lhe desses sabedoria e do alto lhe enviasses teu santo espírito?” (Sb 9, 17). Então, peça ao Senhor a sabedoria para conhecer a sua vontade e a ela aderir de todo o coração, como discípulo, como discípula, caminhando com Jesus para Jerusalém.

Guardando a mensagem

Somos seguidores de Jesus, somos cristãos. É como se estivéssemos subindo com ele, na grande peregrinação da páscoa para Jerusalém. Pelo caminho, ele vai nos instruindo. Daquele povão que o encontra pelo caminho, da multidão que em algum lugar o cerca, ele também quer tirar discípulos, gente que o adote como caminho, verdade e vida. Passar de anônimo na multidão a discípulo é uma mudança que requer decisão prudente e sábia, pois implica renúncias e entrega da própria vida. Está bem clarinho: discípulo é quem caminha com Jesus, tendo-o como senhor, mestre e salvador; anônimo na multidão é quem ainda está só olhando de longe, com curiosidade e admiração. Assuma sua identidade de discípulo, de discípula, com o seu nível de renúncia e exigências na caminhada com Jesus. Com ele e como ele, você está indo na direção da plenitude de sua vida (Jerusalém).

Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vocês, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo! (Lc 14, 33)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Somos teus discípulos e discípulas. Andamos ao teu lado, no caminho para Jerusalém. Em cada Missa, celebramos contigo essa peregrinação, ouvindo tua palavra, acolhendo tuas instruções. Hoje, nos falas das exigências de nossa vida de discípulos. Não é uma excursão, é uma peregrinação. Comporta renúncia, desapego, entrega. Na Missa, também nos sentamos contigo na última Ceia, no Cenáculo. Ali, consagras a entrega de tua própria vida em nosso favor. Ali renovas o teu sacrifício redentor em favor da humanidade. E sempre nos dizes: “Façam isso em memória de mim”. Obrigado, Senhor, por seres o nosso mestre e nos ensinares com a tua vida e a tua palavra o caminho da salvação. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.    

Vivendo a palavra

Acompanhe hoje, com sua prece, a visita apostólica do Papa Francisco a Moçambique, Madagascar e Ilhas Maurício nestes dias. Hoje, ele está em Madagascar. Que por sua presença, Jesus seja anunciado como caminho de realização e salvação para todo ser humano.

Pe. João Carlos Ribeiro – 08 de setembro de 2019.

22 comentários:

  1. Que o nosso Deus abençoe cada um de nós

    ResponderExcluir
  2. Que o Senhor seja louvado!

    ResponderExcluir
  3. A seriedade de um amor platônico, de uma decisão. De uma vida.

    ResponderExcluir
  4. Louvado seja Teu Santo Nome Jesus! Que a Sabedoria do Teu Espirito Santo esteja conduzindo o Papa Francisco hoje e sempre, Amém!

    ResponderExcluir
  5. Que Jesus Cristo aumente cada vez mais a sabedoria do Papa Francisco para transmitir aos seus fiéis o ensinamento do Senhor Jesus

    ResponderExcluir
  6. Que a sabedoria que vem do auto, emanem o amor De Jesus sobre os filhos cá na terra.

    ResponderExcluir
  7. Que Jesus seja nosso norte, que possamos caminhar sempre na certeza do nosso encontro com o Pai.

    ResponderExcluir
  8. Amem que deus nós abençoe sempre é hoje que ele caminhe ao lado do Papa Francisco em sua missão

    ResponderExcluir
  9. Ninguém acerta o caminho,se não tiver a sabedoria do ESPÍRITO SANTO. padre João Carlos,que DEUS te acompanhe sempre em sua linda missão,bom ouvir sua meditação tão bem explicada.UM abraço.PAZ e BEM.

    ResponderExcluir
  10. Louvado seja Jesus!!!!Amém

    ResponderExcluir
  11. Senhor. Nós te Louvamos e Bendizemos!!!!!Abençoai Pé João Carlos... O Papa...e a todos que anunciam com a Vida seu amor por nós!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Ó Deus, Pai de bondade, eu LHE agradeço por mais um domingo, dia do SENHOR. Contudo, me ensine conhecer a verdade. Me ensine ter boas imaginações, boa sabedoria, bons pensamentos e boas reflexões. Me ensine fazer aquilo que LHE agrade, seguindo o melhor caminho. Me ensine ser obediente ao santo espírito. Me ensine interceder pelos outros. Me ensine cuidar dos sofredores. Me ensine ser bom e generoso. Me ensine tratar o próximo com carinho e amor. Me ensine viver em comunhão de fé, na santa Igreja do meu SALVADOR. Me ensine ser desapegado das pessoas e das coisas. Me ensine ser VOSSO discípulo missionário. Me ensine seguir o Messias Prometido, carregando a minha cruz. Me ensine ser prudente. Isso eu LHE peço pela intercessão de Jesus Cristo, VOSSO querido filho e meu amado REDENTOR. Amém.

    ResponderExcluir
  13. Maravilhoso a palavra de hoje, muito obrigada!

    ResponderExcluir
  14. A renúncia é algo doloroso!Eu mesmo me encontro em dificuldades para tomar essa decisão. Preciso de ajuda espiritual!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião.