22 julho 2018

OS SEGREDOS DE UMA CATEDRAL


Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor (Mc 6, 34)

22 de julho de 2018.

Por graça de Deus, estou, neste domingo, em Óbidos, no oeste do Pará. Ontem à noite, eu e minha banda fizemos aqui um bonito show, dentro dos festejos da padroeira Senhora Sant’Ana. Óbidos é sede de uma diocese missionária no coração da Amazônia. Visitando ontem a Catedral, o bispo diocesano Dom Bernardo, me explicou alguns detalhes de sua histórica Catedral do século XVIII. Mesmo com a atual obra de reforma ainda não concluída, vê-se ali elementos arquitetônicos surpreendentes. Ao entrar na Igreja, o piso de cerâmica do hall de entrada veio de Jerusalém, da Terra Santa. No corpo da Igreja, vai-se pisando pelo corredor central em cerâmica que leva ao altar assentado sobre cerâmica vinda de Belém, tendo ao seu lado o ambão, também chamado de mesa da palavra. E por que trouxeram essas peças de um país tão distante? O bispo explicou direitinho. O piso da entrada, com cerâmica proveniente de Israel, de Jerusalém, lembra o Antigo Testamento. O piso do corredor central e do presbitério, onde estão o altar e o ambão, com cerâmica vinda de Belém, lembra o Novo Testamento. E a parede central do presbitério, ainda não concluída, terá simbolismos do lugar para onde caminha este povo que nasce no Antigo Testamento, e caminha pelo Novo Testamento: a glória de Deus, o céu... é pra lá que se vai. Entre outros símbolos, haverá uma linda árvore da vida, representação de Cristo.

O piso da Catedral de Óbidos é uma bela explicação da liturgia da palavra deste domingo. A obra de Jesus foi congregar as ovelhas dispersas do rebanho de Deus. Quando ele e os seus missionários apóstolos desembarcaram, encontraram uma multidão que tinha corrido a pé de todas as cidades para encontrá-lo. É o evangelho de hoje. E eu não posso deixar de pensar no que eu vi ontem, aqui em Óbidos. Mais de 100 peregrinos chegaram a pé à Catedral, para participar do novenário. Chegaram cedinho, depois de uma caminhada exaustiva. A cidade de onde eles vieram fica a 84 km. É a multidão do evangelho, acorrendo a pé a Jesus.

Jesus estava indo descansar com os seus missionários. Eles estavam voltando da missão em que tinham visitado vilas, sítios e cidades. Estavam fugindo do afluxo de gente que não lhes permitia nem tempo para comer. A numerosa multidão que chegou a pé para encontrá-lo os surpreendeu. Jesus ficou tomado de compaixão e os sentiu como ovelhas sem pastor. Cancelou-se o descanso e Jesus começou a ensinar muitas coisas ao povo, diz o evangelho.

Lendo o livro do Profeta Jeremias, nos damos conta da grandeza da ação de Jesus, nesta passagem e em todo o seu ministério. Em Jeremias 23, temos uma foto da situação do povo em certo momento, no Antigo Testamento. A descrição mostra a condição que levou o Pai a enviar Jesus. O rebanho está disperso. Deus se queixa dos pastores que ele colocou para cuidar do seu rebanho: descuidaram-se, afugentaram as ovelhas, dispersaram o rebanho. O que ele fará? Pela boca do profeta, o Senhor Deus disse: “Eu reunirei o resto das minhas ovelhas de todos os países para onde foram expulsas e as farei voltar aos seus campos. Suscitarei para elas novos pastores. Farei nascer um descendente de Davi, ele reinará como rei, ele será sábio”. Davi foi o rei que começou como pastor de ovelhas. Jesus é o pastor sábio, o novo Davi que Deus enviou para cuidar do seu rebanho. Ele é o bom pastor que dá a vida por suas ovelhas. É o que está acontecendo nesta cena do evangelho. Ele e os apóstolos, os novos pastores que Deus estava suscitando, sacrificaram seu justo descanso para cuidar do rebanho disperso.

A obra de Jesus foi, então, congregar as ovelhas dispersas. O altar e o ambão, sobre a cerâmica de Belém, terra de Davi e de Jesus, é a representação do próprio Cristo. Pastoreando o seu povo, ele ensina-lhes muitas coisas e oferece a sua própria vida pela salvação de todos. Não somente congrega as ovelhas de Israel, mas congrega também as ovelhas de todas as nações, de todas as cidades, quem não pertenciam a Israel. A Carta de São Paulo aos Efésios, cap 2,  explica ainda melhor isso. “Ele quis, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz. Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz. Assim ele destruiu em si mesmo a inimizade”.  Ao redor da mesa da palavra e da mesa do sacrifício eucarístico, somos todos um só rebanho congregados por um só pastor.

Vamos guardar a mensagem

Esse rebanho que caminha desde o Antigo Testamento, congregado por Cristo, ao qual foram incorporados os pagãos, pastoreado por ele e por seus apóstolos missionários, é a Igreja. Igreja que caminha para a glória de Deus, para sua casa, para o céu. É o que nos diz, sem palavras, a cerâmica do piso da Catedral de Óbidos. Esse é um domingo para aumentar o seu amor e a sua comunhão com o pastor, os pastores e o rebanho. Somos a Igreja de Cristo. Ele nos conduz, nos resgatando da dispersão, da exploração, da inimizade, do pecado.

Ao desembarcar, Jesus  viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor (Mc 6, 34)

Vamos rezar a palavra

Salmo 22
— O Senhor é o pastor que me conduz; felicidade e todo bem hão de seguir-me!
— O Senhor é o pastor que me conduz;/ não me falta coisa alguma./ Pelos prados e campinas verdejantes/ ele me leva a descansar./ Para as águas repousantes me encaminha,/ e restaura as minhas forças.
— Felicidade e todo bem hão de seguir-me/ por toda a minha vida;/ e na casa do Senhor habitarei/ pelos tempos infinitos.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Vamos viver a palavra

Não deixe de pegar sua Bíblia hoje e ler, com toda atenção, Marcos 6, 30-34. É o evangelho de hoje. Quem sabe, você possa conversar com alguém sobre essa bela passagem! É que a boca fala do que o coração está cheio.

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.07.2018