14 junho 2018

QUANDO MATAMOS SEM ARMAS


Todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo (Mt 5, 22)
14 de junho de 2018.
E de olho na agitação do seu dia, no corre-corre de suas atividades, uma palavra que lhe diz: ‘não esqueça quem está ao seu lado, não despreze quem cruza o seu caminho’. Respeito, paciência, reconciliação. Nunca a violência. Nem de palavras, nem de atitudes.


O evangelho de hoje é uma página do Sermão da Montanha. Jesus está orientando os discípulos sobre como se comportarem e se conduzirem na vida. Neste ponto, ele está comentando o alcance do mandamento “Não Matar”. Aos antigos, foi dada esta lei. “Não matar. Quem matar será condenado pelo tribunal”. A nova lei de Jesus, ou melhor, o modo novo de ver a antiga lei, é ainda mais exigente. Matar é o extremo. Mas, a morte do outro começa com golpes aparentemente leves: a indiferença, a desconsideração, o desprezo, o preconceito, a ação movida pela cólera. A ofensa a Deus e ao próximo não é só matar com uma arma de fogo ou uma arma branca ou química. Há outras formas de matar aos poucos, igualmente repudiáveis: o bullying, a difamação, a intolerância, a discriminação. A lei do Evangelho exige mais do que o simples mandamento “Não matar”. Inclui também não desqualificar seus semelhantes, considerando-os burros, ignorantes, incapazes, supersticiosos, errados. São todas formas de violência e de morte.

Para ser réu de juízo, nem precisa chegar a homicídio, aborto, eutanásia, feminicídio ou coisa parecida. Já vira réu quem se encolerizar com seu irmão, ensinou Jesus. Encolerizar-se com o irmão é agir movido pela raiva, pela cólera. Quando alguém se deixa tomar pela raiva, acaba magoando, machucando, agindo com violência e sentimentos de vingança. A ação movida pela cólera é impensada, violenta, cega. É melhor se acalmar no momento para não ter que amargar um arrependimento tardio. Quando a raiva vier, é preciso parar, respirar, deixar baixar a poeira. Assim, a ação que vier será menos impulsiva e poderá mais facilmente ser pautada por respeito, consideração e disposição para a reconciliação. Isso, sim, é digno de um cristão.

Vamos guardar a mensagem

O mandamento é “Não Matar”. Ele continua valendo. Mas, o evangelho alarga a sua compreensão. Segundo a explicação de Jesus, não se trata apenas de não tirar a vida do próximo, mas também de não se encolerizar com ele, não desqualificá-lo, destratá-lo, humilhá-lo. O esforço de tratar bem os outros, em todas as situações, se harmoniza com a busca de reconciliação. E essa é uma condição para o culto a Deus. Jesus orientou claramente: “Deixa a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão”. Somos construtores de fraternidade, controlando em nós o impulso da ira, a tentação da indiferença, a violência do preconceito.

Todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo (Mt 5, 22)

Vamos rezar a palavra

Senhor Jesus,

Vivemos em um mundo de muitos desencontros. Facilmente nos contrariamos, ficamos com raiva, nos frustramos, nos decepcionamos ou decepcionamos os outros. Às vezes, nossa reação é movida pela raiva, pela cólera, pelo ódio. E sabemos que esses sentimentos são fonte de violência em nossa convivência. Hoje, recordamos o que disseste sobre o mandamento de Deus. ‘Não matar’ não é só tirar a vida dos outros, mas também não ofendê-los em sua dignidade, desprezá-los, difamá-los. As palavras também são armas mortais. Senhor, ajuda-nos a viver no meio das dificuldades da vida com serenidade e fortaleza. Que aprendamos a defender nossos direitos ou nossos pontos de vista, sem agredir ou insultar aqueles que não pensam como nós. Que em toda e qualquer contrariedade, sejamos iluminados por tua palavra e por tua mansidão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a palavra

Faça um esforço, hoje, de aproximar-se de quem parece manter uma certa reserva ou distância de você. E para se fortalecer no caminho do evangelho, reze muitas vezes, hoje: “Ó Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 14.06.2018