14 fevereiro 2018

VAMOS PELO CAMINHO DE JESUS

MEDITAÇÃO PARA A QUINTA-FEIRA DEPOIS DAS CINZAS, DIA 15 DE FEVEREIRO DE 2018.
Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga (Lc 9, 23)
Então, começamos, ontem, a caminhada de 40 dias em direção à Páscoa do Senhor. Começamos a Quaresma. É como se tirássemos esse tempo para caminhar com Jesus, aprendendo o seu modo de pensar e de agir. É um grande retiro, em companhia dos irmãos, no seguimento de Cristo. Seguimento de Cristo: precisamente, é esse o foco de nossa meditação de hoje, segundo dia da Quaresma.
Jesus falou para todos: “Se alguém quiser me seguir...”. Eu quero! E você? Então, escutemos as condições que ele vai colocar: “Renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga”. Renunciar a si mesmo significa a gente se tirar do centro.  É que no centro de nossa vida estamos nós mesmos. A gente pensa e age assim: isso é bom pra mim, isso me faz bem, isso eu gosto, isso eu quero ou não quero pra minha vida. No centro, estou eu mesmo, o que me agrada, o que me convém. Agora, Jesus está dizendo que para quem quer segui-lo, tem que ser diferente: é ele que deve estar no centro. Renunciar a si mesmo. Não dá pra você seguir Jesus, continuando no centro. Entendeu?!
Aí ele completou: “Tome a sua cruz cada dia e me siga”. Ser cristão não é deixar de ter problemas, você sabe muito bem. Tomar a própria cruz é condição para seguir Jesus. E o que é tomar a cruz de cada dia? É assumir, com toda responsabilidade, o peso que a vida lhe entrega: problemas de saúde, dificuldades financeiras, desencontros dentro de cada, crises sociais... Tomar a cruz cada dia é não correr dos compromissos ordinários da existência: trabalhar, fazer feira, acompanhar os filhos, conviver com a vizinhança, estudar... As obrigações, compromissos e problemas do dia-a-dia não nos impedem de seguir Jesus. É com essa cruz que o seguimos.
Jesus começou falando do seu caminho, de como ele sofreria muito, seria rejeitado pelos grandes do seu povo, seria morto e ressuscitaria. O caminho do Filho do Homem, como ele gostava de se referir a si mesmo, não seria um caminho cômodo, nem fácil. O caminho da verdade, da coerência, da honestidade é um caminho doloroso. Sofrimento, rejeição, morte... e ressurreição, ao final. A vitória se colhe em meio a lutas, renúncias e dificuldades.
Jesus não quis pegar o atalho da vitória sem luta, do conchavo com os poderosos ou da solução mágica para os problemas. Foram essas, aliás,  as tentações do demônio, depois de um jejum de 40 dias.
Vamos guardar a mensagem
Jesus preferiu o caminho da normalidade da vida humana, renunciando o poder prestígio, à posse de riquezas e ao sucesso fácil. Tomou o caminho de profeta que outros já tinham trilhado: falar de Deus, testemunhar o seu amor e o seu projeto de fraternidade e salvação, sem o uso da força, sem conivência com o poder opressor, sem busca de benefícios pessoais. Nesse caminho, pode-se esperar incompreensão, sofrimento, rejeição. A ressurreição é a resposta de Deus à fidelidade do justo.
É claro que Jesus não nos está chamando simplesmente para o sofrimento. Seria masoquismo. Ele está nos convidando a tomar a estrada que ele tomou: o caminho da simplicidade, da fidelidade, da verdade..., do amor aos pequenos, os preferidos de Deus. Esse é um caminho mais duro, mais difícil. O mundo, pervertido pelo desejo de enriquecimento, de prestígio, de luxúria, não aplaude o discípulo de Jesus. Mas, o nosso caminho é o caminho de Jesus.
Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga (Lc 9, 23)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Tu, que és Deus, percorreste o caminho humano para nos deixar um modelo a seguir. Mas, não é fácil, Senhor, assumir o teu caminho. A tentação do mais fácil, do prazeroso, a cobrança da opinião dos outros... muita coisa nos empurra para um caminho sem renúncias. No fundo, preferimos um caminho sem sofrimento, a vitória sem luta, o amor sem doação. Ajuda-nos, Senhor, a responder positivamente ao teu chamado. Queremos te seguir, com fidelidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vamos viver a palavra
A Quaresma é uma caminhada rica de estímulos para o seu crescimento. Seria muito bom você ter o seu diário espiritual (uma agenda, um caderno de anotações). Nele, anote uma resposta para esta pergunta: Para colocar Jesus no centro de sua vida, o que você precisa renunciar?
Pe. João Carlos Ribeiro - 14.02.2018  

Nenhum comentário: