15 junho 2017

Corpus Christi

Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo (Jo 6, 51)
Na solenidade de Corpus Christi, temos a chance de manifestar gratidão pelo sacramento da Eucaristia que Jesus nos deixou e de renovar nossa comunhão com ele e com a sua Igreja, o seu corpo místico.
As palavras que estão no evangelho de hoje (Jo 6) levaram muitos discípulos a abandonar Jesus. Eles acharam que era um ensinamento muito duro. E isso que aconteceu no tempo de Jesus, continua ocorrendo nos nossos dias. Nem todos creem como ele ensinou ou como crê e ensina a Igreja Católica.
Essas palavras de Jesus, no evangelho de João, nos apresentam o sacramento da Eucaristia. A Igreja recebeu do próprio Cristo os sete sacramentos, pelos quais ele age santificando, curando, perdoando, alimentando o seu povo. Mas, o sacramento dos sacramentos é a Eucaristia.
Este sacramento – que é o coração e o cume da vida da Igreja -  tem muitos nomes, cada um destacando um aspecto do seu mistério. Eucaristia, para realçar a ação de graças que damos a Deus, por meio de Jesus. Missa, porque os fieis são enviados, no final da celebração, a viver em missão no seu dia-a-dia. Ceia, porque recorda e repete a última Ceia pascal. Santo Sacrifício, porque renova o sacrifício da cruz de Cristo em favor da humanidade.
A Eucaristia é ação de graças e louvor ao Pai. A Missa é um grande louvor ao Pai, uma grande ação de graças. Aliás, a palavra eucaristia quer dizer ‘ação de graças’. Ação de Graças pela criação, pela redenção e pela santificação. Ação de graças pela vida, morte e ressurreição do Senhor. É o louvor de Jesus e de sua Igreja. Na ceia, ele tomou o pão e deu graças. Tomou o vinho e, de novo, deu graças. Fazemos a coleta e apresentamos as oferendas, como ação de graças por tudo o que o Senhor nos concede. Elevamos, na Eucaristia, a ação de graças por tudo o que Deus é, fez e faz por nós.
A Eucaristia é também memorial do sacrifício de Cristo e de sua Igreja. A Missa renova o sacrifício de Cristo, na cruz. No passado, foi um sacrifício cruento. Hoje, é realizado de uma forma sacramental. É o sacrifício que redime hoje os pecadores. Corpo entregue por nós, Sangue derramado para remissão dos pecados. O povo santo também se oferece com Jesus. Seu trabalho, seus sacrifícios e sofrimentos, tudo se une ao sacrifício da cabeça da Igreja, Cristo. A Igreja intercede pelos vivos e falecidos, para que o perdão chegue a todos. Pede que a graça e a salvação de Cristo alcancem toda a humanidade.
A Eucaristia é ainda a presença real de Cristo no pão e no vinho. Ele é o pão vivo descido do céu e nos alimenta com o seu próprio corpo. No pão e no vinho consagrados, Jesus está presente de maneira sacramental. É uma presença real, com seu corpo e sangue, alma e divindade. Pelas palavras de Cristo pronunciadas pelo sacerdote e pelo poder do Espírito Santo invocado sobre as oferendas, a substância do pão e do vinho se torna, respectivamente, corpo e sangue de Cristo. Os teólogos da Igreja chamam isso de transubstanciação. Comungando, nos unimos intimamente a ele. Pela comunhão, renova-se a graça santificante em nós, nossos pecados veniais são apagados e somos fortalecidos na luta contra o mal. Comungar em pecado mortal é comer indignamente do corpo do Senhor. Neste caso, precisamos antes receber a absolvição no sacramento da reconciliação. A presença real de Jesus no sacramento da Eucaristia recebe de nossa parte um culto de adoração. Ajoelhamo-nos ou nos inclinamos profundamente diante desse mistério. Nós o visitamos e o adoramos no sacrário.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Hoje, dia de Corpus Christi, uma oportunidade para manifestarmos amor, gratidão e adoração a Jesus Cristo presente no Sacramento da Eucaristia. A Eucaristia é ação de graças e louvor ao Pai. A Eucaristia é memorial do sacrifício de Cristo e de sua Igreja. A Eucaristia é a presença real de Cristo no pão e no vinho. Tão sublime Sacramento, adoremos neste altar!
Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo (Jo 6, 51)

Pe. João Carlos Ribeiro - 15.06.2017
ORAÇÃO
O Papa João Paulo II concluiu a sua Encíclica A IGREJA VIVE DA EUCARISTIA, em 2003, com uma oração de Santo Tomás de Aquino. Seja esta a nossa oração hoje:
Façamos nossos os sentimentos de S. Tomás de Aquino, máximo teólogo e ao mesmo tempo cantor apaixonado de Jesus eucarístico, e deixemos que o nosso espírito se abra também na esperança à contemplação da meta pela qual suspira o coração, sedento como é de alegria e de paz:
« Bom Pastor, pão da verdade,
Tende de nós piedade,
Conservai-nos na unidade,
Extingui nossa orfandade
E conduzi-nos ao Pai.
Aos mortais dando comida
Dais também o pão da vida:
Que a família assim nutrida
Seja um dia reunida
Aos convivas lá do Céu ».