Mostrando postagens com marcador tribulações. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tribulações. Mostrar todas as postagens

03 junho 2019

CALMA, VOCÊ NÃO ESTÁ SÓ

No mundo, vocês terão tribulações. Mas, tenham coragem! Eu  venci o mundo (Jo 16, 33)
03 de junho de 2019.
Estamos no final do diálogo de Jesus com os discípulos, ainda à mesa da ceia pascal, a última ceia. Embora os discípulos demonstrem adesão a Jesus e aos seus ensinamentos, a verdade é que na hora da paixão se dispersarão e Jesus vai estar sozinho. Foi o que Jesus comentou: “Eis que vem a hora – e já chegou – em que vocês se dispersarão, cada um para o seu lado, e me deixarão só”.
É nesse momento que Jesus reafirma sua total confiança no Pai que o enviou, que o sustenta, que estará sempre ao seu lado. “Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado”, tinha dito em outra ocasião. E ele está certo do apoio do Pai, porque está sempre em comunicação com ele pela oração e porque está sempre fazendo a sua vontade. Ali, à mesa, ele disse uma coisa impressionante: “Mas eu não estou só; o Pai está comigo”.
Ainda assim, você pode pensar: mesmo com toda confiança em Deus, na cruz, Jesus se sentiu só e abandonado. Na cruz, pelas três da  tarde, gritou em alta voz: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?”. É uma palavra que impressiona, uma oração no meio da agonia naquela cruz. Mas também ali, ele está em oração. É uma oração que brota de suas dores físicas e de seu sentimento humano de quem se sente traído e injustiçado. Ele se sente só e abandonado. A oração de Jesus não é uma oração de revolta, mas uma oração de confiança. Reclama ao Pai, porque o sabe presente. Na verdade, essas suas palavras brotam do Salmo 21 (22). Apesar desse refrão tão forte – Meu Deus, porque me abandonaste – este salmo celebra a defesa que Deus faz do seu servo sofredor e a confiança nele. A ressurreição foi a resposta do Pai à prece do seu filho. A ressurreição é a sua vitória sobre o pecado, o mal e a morte. Jesus enfrentou tudo e venceu.
Esta confiança no Pai, Jesus quer passar para o seu rebanho. “No mundo, vocês terão tribulações. Mas, tenham coragem! Eu  venci o mundo”. O discípulo, a discípula, mesmo enfrentando os dramas da vida, as crises que não faltam, olha para Jesus e se sente acompanhado, acompanhada. Ele não nos deixa sós. Ele está conosco. Sua ascensão, isto é sua condição de estar agora em Deus, lhe permite estar conosco de uma forma real e diferente de antes. O Espírito Santo é quem atualiza a sua palavra e a sua missão. Assim, ele, que passou por tanto sofrimento e venceu, nos oferece a sua experiência, a sua graça, a sua confiança em Deus. E mais: a vitória que ele alcançou em nosso favor, o perdão, a reconciliação com Deus. Na ascensão, o contemplamos vitorioso. Nessa condição, ele continua nos animando a resistir nas adversidades, a lutar com esperança e a confiar em Deus.  
Guardando a mensagem
Nós - seguidores de Jesus, seus irmãos e irmãs - também passamos por muitas dificuldades, problemas, fracassos, perseguições. Nós nos encontramos, por vezes, na mesma condição dele, que foi incompreendido e perseguido. Se nossas provações forem vividas em comunhão com Deus e se estivermos de fato fazendo a sua vontade, então essa confiança de Jesus no Pai pode ser também nossa. E de onde vem essa confiança de Jesus? Jesus faz referência a Deus, o seu Pai. Ele confere o seu caminho, permanentemente,  pela oração. Conhece o Pai, sabe que ele é fiel, que o ama, que sempre estará ao seu lado. Você também pode ter os mesmos sentimentos de Jesus, como São Paulo nos recomendou. Fortaleça, no seu coração, a convicção que Deus, na sua imensa misericórdia, por causa do seu filho Jesus, ama você, é eternamente fiel e não lhe abandonará nunca.
No mundo, vocês terão tribulações. Mas, tenham coragem! Eu  venci o mundo (Jo 16, 33)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A tua palavra vai nos edificando como pessoas renascidas na fé e fortes nas dificuldades. Naquela tempestade no mar, tu acalmaste os discípulos, dizendo: “Sou eu. Não tenham medo”. No meio daquele vendaval, naquela noite escura, os discípulos fizeram uma experiência maravilhosa: a tua presença redentora. Tu, Senhor Jesus, és o Deus que domina o mar, que acalma a tempestade. Pensando bem, nunca nos deixaste sozinhos no meio das tormentas. Nós é que somos distraídos. É quando experimentamos, com emoção, a força de tua proteção e  a grandeza do teu amor. Muito obrigado, Senhor. Em nossas travessias difíceis, enche-nos de confiança. Em nossas noites escuras, reveste-nos da fé. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Certamente, há alguém que você conhece que está atravessando uma fase difícil em sua vida. Em sua palavra,  sua proximidade, sua oração, já se revela a presença de Jesus que não nos abandona e que, vencedor sobre todo o mal, nos conduz à vitória.

Pe. João Carlos Ribeiro – 03 de junho de 2019