Mostrando postagens com marcador frei damião. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador frei damião. Mostrar todas as postagens

28 maio 2012

Adeus, Frei Damião

15 anos da morte do Frei Damião. Em 19 dias de coma, dos quais 5 dias de morte cerebral, ele deixou em polvorosa o Nordeste inteiro. E, uma vez confirmado o seu óbito, foi velado por três dias na Basílica da Penha, no Recife, sendo visitado por nada menos do que 150 mil pessoas.

É esse o missionário italiano Frei Damião de Bozzano, que chegou por aqui com 33 anos e passou quase 66 anos em santas missões de cidade em cidade. O corpo do frade humilde, o padrinho confessor do povo do Nordeste, foi recebido com muitas honras e lágrimas no Estádio do Arruda, por uma multidão de quase 40 mil fiéis.

Ninguém melhor do que o Frei Fernando Rossi, que acompanhou Frei Damião por mais de 50 anos de trabalho missionário, para nos dizer melhor quem foi o Frei Damião. No seu discurso antes de fazer a encomendação do corpo do amigo e irmão,  ele disse quem era esse frade baixinho, portador de uma escoliose muita acentuada, de sandálias e sempre com o terço e a cruz de missionário, que colecionou nos últimos anos de vida muitos internamentos, embolia, crises de insuficiência respiratória.  Era um homem bom, um servo fiel, que amava Jesus Cristo, o povo e a Igreja. Uma pessoa cheia de bondade, que suportava com paciência toda crítica ou incompreensão, sem jamais revidar. Alguém que comia apenas o mínimo necessário e do que se punha à mesa, sem nunca nem solicitar algo especial. Um filho de São Francisco que abraçou a pobreza e os pobres.  Frei Fernando revelou o que muitos já sabiam:  que frei Damião dormia pouco, sentado numa cadeira ou deitado no chão puro. Calava-se diante dos defeitos dos outro. Se dele falassem mal, ele não ligava. Mas se maltrassem a Igreja, doía-lhe no coração. Por causa da Igreja, tornou-se capuchinho, por causa dela missionário. Por amor à Igreja de Cristo, trabalhava dia e noite. Tinha grande devoção ao terço, que estava sempre em suas mãos. Rezava sempre.