Mostrando postagens com marcador festa das tendas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador festa das tendas. Mostrar todas as postagens

06 abril 2019

SER CRISTÃO É UMA DECISÃO

Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)
06 de abril de 2019.
Uns, contra. Outros, a favor. Uns diziam que ele era um profeta, o messias, quem sabe. Outros duvidavam: o Messias não viria da Galileia, mas de Belém. Os guardas foram prendê-lo a mando dos sumo-sacerdotes. Não tiveram coragem. Nicodemos pediu calma no Sinédrio. Os contra xingaram o povo de ignorante e maldito. E mandaram Nicodemos estudar mais as Escrituras. Uns, contra. Outros a favor de Jesus.
O velho profeta Simeão tinha dito a Maria que o seu filho seria um sinal de contradição, quando os pais levaram a criança para o resgate do primogênito no Templo. “Eis que este menino foi posto para queda e para o soerguimento de muitos em Israel e como um sinal de contradição” (Lc 2, 34).  
Os guardas, ao explicar às autoridades o fracasso de sua missão de prender Jesus, disseram uma coisa impressionante: “Ninguém jamais falou como esse homem”. De fato, as reações narradas nesse texto foram reações depois de ouvirem as suas palavras. E que palavras foram essas? Elas estão um pouco antes e um pouco depois desse texto de hoje.
O que Jesus estava pregando tem a ver com a festa que eles estavam celebrando, a festa das Tendas (o mesmo que festa das Cabanas). A festa das Tendas era uma das três grandes peregrinações do ano (Páscoa, Tendas e Pentecostes). Essa festa celebrava o cuidado de Deus com o seu povo, manifesto de maneira especial quando ele peregrinava no deserto e morava em tendas. A festa é celebrada em sete dias de preparação, com a grande festa no oitavo dia. Nessa festa, havia importantes ritos da água, do pão e da luz. Deus que cuidou do seu povo no deserto providenciou-lhe água tirada da rocha, o maná que caía do céu e o acompanhamento da coluna luminosa.
As palavras de Jesus nesse contexto da festa das Tendas foram: “Quem tiver sede, venha a mim e beba”. Ele é a água da vida. “Eu sou a luz do mundo”. Quem o segue, não anda nas trevas. “Eu sou o bom pastor. Dou a vida pelas minhas ovelhas”. Jesus é o pastor enviado pelo Pai para cuidar do seu rebanho. São palavras que atualizam a proximidade de Deus que cuida com carinho do seu povo, nos momentos difíceis de sua história. Palavras que encantam.
E por que temos pessoas que se posicionam contra Jesus? Os do contra – os grupos que controlavam o Templo (fariseus, saduceus e anciãos) estavam movidos pela defesa dos seus interesses de controle da religião, do templo e do povo. Junte-se a isso o ciúme, a inveja e o preconceito. Preconceito contra a região da Galileia, preconceito contra o povo, taxado de ignorante da Lei e raça maldita. Contra também estavam elementos do povo influenciados pelos fariseus ou pelos poderosos senhores de terra, os anciãos. Esses fecharam o coração para Jesus e para suas palavras reveladoras da proximidade de Deus.
Guardando a mensagem
Hoje, é difícil alguém falar contra Jesus, em nosso mundo ocidental. Mas, ninguém se engane. Não falam mal de Jesus, mas atacam a sua Igreja, desprezam seus ministros, ridicularizam a fé dos mais simples. Mas, isso não é o mais triste. O mais preocupante é ver gente travestida de cristão, usando o nome de Deus em vão para defender seus interesses de poder, o seu status quo; gente movida pelos mesmos preconceitos contra os pobres e os sem oportunidade. Somos discípulos e discípulas de Jesus. Deixemo-nos encantar por suas palavras. Convertamo-nos à grande verdade que elas revelam: Deus nos ama e cuida de nós. Jesus é Deus mesmo cuidando da gente.
Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Quase não dá para acreditar que houvesse gente que não te admirasse, não te quisesse bem. Mas, pensando bem, vivemos num mundo onde tuas palavras e teus ensinamentos contam pouco e muita gente, mesmo batizada, vive longe dos teus caminhos. Neste sentido, ser cristão é uma decisão que se toma em resposta ao teu amor e às verdades que nos revelaste. Sendo assim, queremos hoje renovar nossa adesão à tua pessoa, ao teu evangelho, à tua Igreja. Com o teu Santo Espírito, ajuda-nos a caminhar com fidelidade nos teus caminhos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Já estamos, hoje, no 31º da Quaresma. Você está aproveitando bem este tempo de penitência, oração e caridade? Amanhã, vamos celebrar o 5º Domingo da Quaresma. Tome um propósito: reservar o seu melhor horário de domingo para estar em oração na Santa Missa, com a sua comunidade.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.04.2019

05 abril 2019

ÀS VEZES, VAMOS NA CONTRA-MÃO

Quando seus irmãos já tinham subido, então, também ele subiu para a festa, não publicamente, mas sim como que às escondidas (Jo 7, 10)
05 de abril de 2019.
Os tempos estão ficando difíceis para os seguidores de Cristo. Houve aquele tempo da perseguição do império romano, no início do cristianismo, com tantos mártires que continuamos a celebrar! Mais recentemente, no Brasil e em boa parte da América Latina, tivemos a perseguição da ditadura militar, difamando, sequestrando e torturando inúmeros cristãos. No momento atual, em muitas partes do mundo, mesmo nos países que foram marcados pela civilização cristã, cresce a intolerância e a agressividade contra a Igreja e a pregação do evangelho. Os grandes valores defendidos pelos cristãos, valores que fundam a vida em sociedade, estão sendo combatidos abertamente pelo desregramento sexual, o aborto, o consumo de drogas, a ideologia de gênero, o enfraquecimento da instituição familiar, o vilipêndio de símbolos religiosos... Em síntese, ser cristão hoje é estar na contramão, no contrafluxo de um mundo que está tomando a direção contrária. E assim, seguir Jesus vai significar, cada vez mais, incompreensões, discriminação, difamação, perseguição.
Nesse contexto, podemos entender melhor o evangelho de hoje que nos diz que Jesus evitava andar pela Judeia, por causa da perseguição e ameaças de morte à sua pessoa. E que, depois que os discípulos foram para a festa das Tendas em Jerusalém, ele seguiu depois deles, às escondidas. Então, o clima estava muito pesado. Razão tinham os discípulos que não queriam que Jesus fosse àquela festa. Mas, impressiona ver que, em seguida, Jesus aparece em público ensinando, para surpresa dos seus inimigos, que, assim em público, não podiam prendê-lo, pela reação do povo ou, como diz São João, porque não tinha chegado a sua hora. Muitos até estranharam que Jesus, procurado como estava, estivesse assim falando e movimentando-se em publico, com tanta desenvoltura.
Do que Jesus estava dizendo, temos um trechinho no texto de hoje. Ele estava ensinando em alta voz, no Templo. Notem, em alta voz. “Vocês me conhecem. Mas, eu não vim por mim mesmo. Vocês não conhecem quem me enviou. Eu o conheço”. Dava pra todo mundo entender: Foi Deus quem o enviou, e aquela gente, embora estivesse no Templo de Deus, não o conhecia.
No livro da Sabedoria está escrito: Os ímpios, em seus falsos raciocínios, dizem: “Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda. Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver sua serenidade e sua paciência. Vamos condená-lo à morte vergonhosa. Vamos ver se alguém vem socorrê-lo”. Conclui o livro santo: “A malícia os torna cegos”.
Guardando a mensagem
Estamos na preparação para a Páscoa. À Páscoa da ressurreição, Jesus chegou passando pela paixão e pela morte de cruz. Nós, como seguidores de Jesus, não apenas acompanhamos o drama de sua paixão, mas reconhecemos que muitos irmãos passam também, perto ou longe de nós, por sofrimentos semelhantes, por causa de sua fé em Cristo. Com eles, ficamos solidários. E ficamos sabendo também que seguir Jesus pode comportar para nós algum incômodo, algum sacrifício, algum sofrimento. É é aí que amadurece a nossa fidelidade.
Quando seus irmãos já tinham subido, então, também ele subiu para a festa, não publicamente, mas sim como que às escondidas (Jo 7, 10)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Às vezes, somos tentados a fazer da religião um pronto-socorro para nossos dramas e sofrimentos. Queremos fugir deles, queremos resolvê-los. Estamos sempre te pedindo isso, tu sabes bem. Mas, há um outro lado da fé cristã que este tempo da Quaresma nos ensina. Ser cristão é te seguir, caminhar segundo o teu evangelho. Isso nos põe na contramão dos que não conhecem os teus ensinamentos ou não os tomam como norma de vida. A nossa escolha por ti e por tua Igreja pode nos trazer incompreensão, discriminação, perseguição. Nesta hora, precisamos nos manter firmes e tomar a cruz contigo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Escreva, hoje, no seu diário espiritual (ou caderno de anotações) uma breve oração pedindo em favor dos cristãos perseguidos por causa de sua fé.

Pe. João Carlos Ribeiro – 05.04.2019