02 dezembro 2018

O GRANDE ENCONTRO



Fiquem atentos e orem a todo momento, a fim de terem força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficarem de pé diante do Filho do homem” (Lc 21, 36)

02 de dezembro de 2018.

Alguns momentos em nossa vida são muito especiais. Eles são momentos altos de nossa existência. Para esses momentos, nos preparamos com muita responsabilidade e empenho. Momentos especiais de nossa vida são, por exemplo, o vestibular ou ENEM, um concurso público, o casamento. Quem vai prestar exame de vestibular, ou participar de um concurso público ou vai se casar, se for uma pessoa responsável e consciente, se prepara bem para isso, não é verdade? E se prepara durante um longo período, com muita renúncia e sacrifício, não é assim? Bom, tem quem improvise, chute na hora da prova ou deixe tudo pra última hora... Mas, isso não está certo. E quase sempre dá tudo errado.

Há um momento especial em nossa vida que, podemos dizer, é “o” momento mais alto de nossa existência, para o qual precisamos nos preparar bem: o nosso encontro definitivo com o Senhor. Há um momento especial em nossa história, decisivo para todos nós: o encontro com o Senhor Jesus em sua vinda definitiva. Desse encontro com o Senhor que vem, em sua vinda gloriosa, nos fala esse tempo do advento que estamos começando. Ele veio uma primeira vez: é o que celebramos no natal. Ele vem gloriosamente, como juiz dos vivos e dos mortos: é o que celebramos também neste advento. Esse grande momento de nossa vida e de nossa história humana requer de cada um de nós e de todos nós um grande empenho de preparação e crescimento.

Sobre sua vinda, o próprio Jesus a descreve com imagens tomadas dos profetas do Antigo Testamento, que nós chamamos de teofania. Teofania é uma forma de expressar a experiência do encontro com a majestade e a onipotência divinas.  Jesus nos diz, no evangelho de hoje (Lc 21), que quer que o recebamos de pé. “Estar de pé diante do Filho do Homem” quando ele voltar é uma forma de falar de nossa condição vitoriosa nesse mundo. No meio das dificuldades e provações, ele nos recomenda que levantemo-nos, ergamos a cabeça, confiados na libertação que se aproxima com sua grande manifestação. E para estarmos preparados e de pé, em sua volta, ele nos deixa, no evangelho de hoje, três recomendações.

Primeira recomendação: “Tomem cuidado para que seus corações não fiquem insensíveis”. Aí ele fala da gula, da embriaguez e das preocupações da vida. Sobre isso, já conversamos ontem. Todo cuidado para não entorpecer o coração. Um coração insensível não vibra mais com o novo que vem, nem bate mais forte em seu amor por Cristo, nem se compadece ou se solidariza com os outros. E o coração fica insensível quando se prende às coisas materiais, quando põe sua felicidade apenas na satisfação dos seus instintos (comida, bebida, sexo, por exemplo). Uma palavra que pode resumir essa recomendação é “sobriedade”. Sobriedade é manter o equilíbrio nas coisas; é usar das coisas deste mundo com sabedoria, sem se deixar escravizar, viciar, dominar. Sobriedade é manter o coração em Deus, sereno e livre.

A segunda recomendação de Jesus: “Fiquem atentos”. Vamos ouvir muitas vezes esta palavra, durante o tempo do advento: “Vigilância”. É o “fiquem atentos”. Nesse tempo de espera, que é tempo de preparação para o grande encontro, precisamos manter a mesma tensão que sustentou as primeiras comunidades em sua fidelidade ao evangelho. O Senhor vem! Estamos em estado de vigília: nada de relaxar, de cochilar, de baixar a guarda. Progredir, crescer, disse a carta aos Tessalonicenses, não esmorecer.

A terceira recomendação de Jesus: “Orem, a todo momento”. Orar para não cair em tentação, disse Jesus. Orar para fortalecer nossa adesão à vontade de Deus. Orar para não dar brecha ao inimigo. Oração.

Guardando a mensagem

Temos um grande encontro marcado para o final de nossa vida ou para o final da história humana: o encontro definitivo com o Senhor, na sua manifestação gloriosa. Para estarmos de pé diante dele, em sua volta, precisamos nos preparar bem. Nesta preparação, o próprio Jesus nos deixou três recomendações: sobriedade, vigilância e oração. Sobriedade, para não entorpecer o coração nas coisas desse mundo. Vigilância, para não cedermos ao relaxamento e ao descompromisso. Oração, para nos manter fortes e serenos nas dificuldades.

Fiquem atentos e orem a todo momento, a fim de terem força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficarem de pé diante do Filho do homem” (Lc 21, 36)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Começamos o tempo do advento. Como Igreja, vamos nos preparando para a tua chegada no final dos tempos e para a celebração de tua primeira vinda, no natal. Acolhemos, hoje, tuas recomendações, Senhor, para nos prepararmos para o encontro definitivo contigo. Que o teu Espírito nos guie no caminho da sobriedade, da vigilância e da oração. Assim como nos disse o apóstolo Paulo, te pedimos, que “confirmes o nosso coração numa santidade sem defeito aos olhos de Deus, nosso Pai, no dia de tua vinda, com todos os teus santos”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

A primeira coisa a fazer para viver a palavra do Senhor meditada hoje é participar da Santa Missa deste primeiro domingo do advento. Na impossibilidade, se pode acompanhá-la devotamente pelo rádio ou pela televisão. Querendo e podendo fazer algo a mais, leia, em sua Bíblia, o evangelho de hoje: Lucas 21, 25-28.34-46.

Pe. João Carlos Ribeiro – 02. 12.2018


PARA VOCÊ APRENDER MINHA NOVA MÚSICA:


CONFIAR EM DEUS
Pe. João Carlos

Como é que eu posso desistir
Se quem na cruz morreu por mim
Me deu a sua força
Meu deu o seu Espírito
Me encheu de esperança.

Como é que eu posso duvidar
Se quem tomou o meu lugar
Me deu a sua força
Me deu o seu Espírito
Me encheu de esperança

VOU CONFIAR EM DEUS
VOU ME VALER DE DEUS
E VENHA O QUE VIER
HAJA O QUE HOUVER
EM DEUS EM VENCEREI.