01 novembro 2018

UM PROFETA DESTEMIDO E FIEL

Preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã (Lc 13, 33)
01 de outubro de 2018.
Como foi o relacionamento de Jesus com as autoridades do seu tempo? Boa pergunta. Jesus não acabou bem, humanamente falando. Para sua condenação, concorreram os fariseus que o perseguiram, o tempo todo; o tetrarca da Galileia, Herodes; o poder romano representado pelo Procurador Pilatos;  e, especialmente, o grande Conselho de Jerusalém, o Sinédrio, sob a liderança do Sumo-Sacerdote. Embora estivessem sempre em desacordo entre si, todos eles uniram-se para eliminar Jesus.
E por que Jesus foi tão mal visto pelas autoridades, que acabaram por decretar sua morte na cruz, como malfeitor? Pe. Zezinho, como poeta e teólogo, resumiu assim: “Um certo dia, ao tribunal / Alguém levou o jovem Galileu / Ninguém sabia qual foi o mal / E o crime que ele fez, quais foram seus pecados / Seu jeito honesto de denunciar / Mexeu na posição de alguns privilegiados. / E mataram a Jesus de Nazaré / E no meio de ladrões puseram sua cruz / Mas o mundo ainda tem medo de Jesus / Que tinha tanto amor!”.
“Seu jeito honesto de denunciar mexeu na posição de alguns privilegiados”. De fato, Jesus não representava nenhum desses segmentos de poder. Não era fariseu, nem saduceu. Claro, não era um romano; nem sacerdote do Templo. Era um leigo, um profeta do interior, com ampla circulação nos povoados, vilas e pequenas cidades da Galileia. Um profeta independente. Não vivia pregando contra o império romano, nem atacando Herodes, nem desmerecendo a autoridade dos sacerdotes do Templo. Mas sua pregação sobre o Reino de Deus e sua influência sobre o povo foram tidas como perigosas para o poder estabelecido.
O evangelho de hoje fala particularmente de um opositor: Herodes. Este era o Tetraca da Galileia, o rei daquela região onde Jesus vivia. Sua capital era uma cidade reconstruída por ele, perto do Mar da Galileia, Tiberíades. O evangelho não menciona essa cidade. Pelo visto, Jesus não andou por lá. Esse Herodes tinha calado o profeta João, que pregava a conversão e batizava o povo no Rio Jordão. E andava incomodado com a fama de Jesus.
No evangelho de hoje, alguns fariseus foram levar um aviso a Jesus, não sei se para preveni-lo ou para se verem livres dele. Disseram: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. Um aviso sério. Uma ameaça de morte. “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. Olha a reação de Jesus: “Vão dizer a essa raposa (que raposa? Herodes)... Vão dizer a essa raposa que eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã. E no terceiro dia, terminarei o meu trabalho”. O que ele está dizendo? Que iria continuar sua missão até o fim. O terceiro dia talvez seja a sua morte em Jerusalém ou quem sabe a sua ressurreição. É quando termina o seu trabalho, quando se completa a sua missão.
Guardando a mensagem
A pregação de Jesus anunciava ao povo o Reino de Deus, a proximidade amorosa de Deus que restaura o fraco, levanta o humilhado, liberta o oprimido. Foi o que ele leu no Profeta Isaías e explicou na Sinagoga de Nazaré. Com curas, exorcismos, milagres ele levava o povo a experimentar o amor de Deus que tem compaixão do doente e dos sofredores, e oferecia o perdão aos pecadores que aceitassem começar uma vida nova de comunhão com ele e com os irmãos. Essa prática de Jesus foi sentida como uma ameaça ao poder do Templo, à influência dos fariseus sobre o povo e ao poder dos romanos e seus aliados. Em resposta, Jesus não recuou, manteve seu trabalho missionário com destemor e fidelidade.
Preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã (Lc 13, 33)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A resposta certa à tua palavra, à tua pregação é a conversão, a mudança de direção da própria vida. São tantos os que recebem a tua palavra e são restaurados e renascem para a vida nova da graça! Mas, infelizmente, muitos também rejeitam a pregação do Reino. E até reagem com violência contra tua pessoa e contra teus missionários. No evangelho de hoje, está a lamentação que dirigiste à cidade de Sião: “Jerusalém, Jerusalém. Tu que matas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir os teus filhos como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste”. Hoje, contemplamos, Senhor, tua firmeza e tua fidelidade na missão, até o fim. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. E faz-nos firmes e fortes no teu caminho, não deixando-nos vencer pelo cansaço, nem pelo espírito de acomodação, nem nos determos pela oposição de outros. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, continue a conversa com Jesus. Pergunte a ele, por exemplo, como ele se sentia com tanta oposição ao seu ministério.

Pe. João Carlos Ribeiro – 01.11.2018