08 setembro 2018

MARIA, BARRA DA MANHÃ QUE ANUNCIA A LUZ DO SOL

Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus (Mt 1, 21)
08 de setembro de 2018.
Nesse trecho tão breve do Evangelho de Mateus, temos o drama tão maravilhoso e fundamental da história da nossa salvação. A iniciativa do Pai, a ação do Espírito que gera a vida, a colaboração de Maria e de José e a vinda e a atuação salvadora de Jesus.
O Pai enviou Jesus, por amor ao mundo, para nossa salvação. Diz o evangelho de São João: “Deus amou tanto o mundo que enviou o seu filho único”. O Espírito Santo é quem fecunda o seio virginal de Maria (“e ela concebeu do Espírito Santo”). Jesus aceitou a missão que o Pai lhe confiou. Como diz o Salmo: “Vim com prazer, ó Pai, para fazer a vossa vontade”. Então, a vinda de Jesus na carne é obra do Pai (que o enviou), dele próprio, o Filho (ao aceitar a missão confiada pelo Pai) e do Espírito Santo (que fecunda o ventre materno). Na encarnação, vemos a atuação das três pessoas da Trindade Santa.
Mas, na história de nossa salvação, o Deus onipotente quer contar também com a participação humana. Na vinda de Jesus, o Pai solicitou a participação de Maria e de José.
Contemplemos a colaboração de Maria e de José no plano do Pai. “Ela dará à luz um filho”, diz o anjo: essa é a colaboração de Maria. O Pai a escolheu e a preparou para essa sublime missão. “O Senhor está contigo”, disse-lhe o anjo. Deus, na sua misericórdia a elegeu, como ela o reconheceu no seu Magnificat. O Espírito Santo que gera vida a assiste nessa missão de trazer à vida humana o Filho, nela gera Jesus. José e Maria participam dessa missão E a participação de José está clara nessa palavra do anjo: “Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus”. Na comunidade judaica, o pai reconhece o filho ao lhe atribuir o nome. Isso quer dizer que José recebeu o menino como filho, assumiu responsabilidade de pai em relação à criança que Maria gerou. Os dois, José e Maria, cada um a seu modo, participam do projeto Salvador de Deus, de enviar ao mundo o Salvador. “Ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”.
Guardando a mensagem
Vemos, nessa breve passagem, a iniciativa do Pai, a obediência do Filho e a comunicação da vida pelo Espírito Santo. Com a colaboração de Maria e de José, Jesus vem a nós, como Salvador de nossa história humana. É maravilhoso e desconcertante que Deus precise de nós para levar adiante o seu projeto de salvação. Maria e José são, hoje, modelos de como podemos participar da obra de Deus, na fé, com generosidade, e em espírito de obediência. Generosamente, eles põem-se a serviço da causa de Deus, que é a salvação do seu povo.
Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus (Mt 1, 21)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Hoje, celebramos a Natividade de Nossa Senhora, isto é, o seu nascimento, uma festa que sublinha o caminho de preparação para tua vinda ao mundo. O Pai escolheu Maria para tua mãe e a preparou, separando-a do pecado, desde a sua concepção. Tu és o sol da justiça que nos veio visitar, como disse Zacarias. Ela é a barra da manhã que anuncia a chegada do sol. Senhor Jesus, teu pai adotivo José recebeu o encargo de te conferir o nome. O nome, na cultura do Oriente Médio, era a missão que a pessoa recebia, a sua identidade. Tu recebeste o nome de Jesus. O anjo explicou a razão desse nome: porque salvarias o povo dos seus pecados. Pela profecia de Isaías, também tinhas outro nome: Emanuel, Deus conosco. É pelo ventre de Maria e pelos braços de José que entraste em nossa humanidade, assumindo a nossa história, fazendo-te Emanuel. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Num dia mariano como este, uma dica é rezar o terço. Não tendo jeito, rezar pelo menos um mistério.
Sábado é dia dos mistérios gozosos: o anúncio do anjo à Maria, a visita à Izabel, o nascimento de Jesus em Belém, a apresentação no Templo, a perda e o encontro de Jesus adolescente no Templo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 08.09.2018