19 junho 2018

A DIFERENÇA QUE FAZ O CRISTÃO

Amem os seus inimigos (Mt 5, 44)
19 de junho de 2018.
Amar os inimigos, rezar pelos perseguidores. Foi o que Jesus ensinou. Assim, nos tornamos filhos de Deus. É o que está escrito no evangelho de São Mateus: “Assim, vocês se tornarão filhos do seu Pai que está nos céus”. Fazendo como ele, que ama a todos e a todos abençoa com o seu sol e a sua chuva, nos tornamos seus filhos.
Verdade, nós nos tornamos filhos de Deus por nossa adesão a Cristo e pela graça do Espírito Santo derramado sobre nós no batismo. No santo batismo, renascemos como filhos. E, como diz a primeira Carta de São João, ainda não se manifestou claramente a nossa identidade de filhos, mas o somos de fato. Somos herdeiros de Deus, co-herdeiros de Cristo.
Embora já sejamos filhos pela misericórdia de Deus, diz Jesus no evangelho de hoje, que precisamos nos tornar filhos dele, isto é, realizar em nós a identidade de filhos, imitando-o, fazendo como ele. Sem merecimento de nossa parte, recebemos a graça da adoção filial, mas precisamos exercitá-la, em nosso comportamento, em nossas atitudes.
Diz certo o ditado: “filho de peixe, peixinho é”. Deus ama a todos e a todos trata bem, mesmo os maus e injustos. Assim, indica Jesus, devemos amar os nossos inimigos e rezar pelos que nos perseguem. Nisso, ele também deu exemplo. Na cruz, ao invés de amaldiçoar ou invocar um castigo para seus algozes, ele pediu ao Pai que os perdoasse, porque não sabiam o que estavam fazendo.
Falar de amor aos inimigos onde estou, em Angola, não é  fácil. O país passou por uma guerra civil que terminou há dezesseis anos (2002). Foram 27 anos de guerra, com mais de meio milhão de mortos. Mas, o perdão é o único remédio que estanca a violência. O ódio, o revanche, a vingança só alimentam a cadeia da violência.
Jesus dá uma razão muito simples para nos esforçarmos nesse quesito do amor aos inimigos. Que diferença fará nossa fé, pergunta ele, se nos mantivermos rancorosos e vingativos? Apenas amar os que nos amam... Isso os pecadores já fazem. Querer bem apenas aos irmãos, aos amigos.... Isso é o que todo pagão já faz. Onde está a nossa diferença?
O Papa Francisco, em sua recente Exortação Apostólica sobre a ‘Chamada à Santidade no Mundo Atual’ escreveu o seguinte: São Paulo convidava os cristãos de Roma a não pagar a ninguém o mal com o mal (cf. Rm 12, 17), a não fazer justiça por conta própria (cf. 12, 19), nem a deixar-se vencer pelo mal, mas vencer o mal com o bem (cf. 12, 21). Esta atitude não é sinal de fraqueza, mas da verdadeira força, porque o próprio Deus «é paciente e grande em poder» (Na 1, 3).
Vamos guardar a mensagem
Jesus nos mandou amar os inimigos, fazer-lhe o bem. E nos deu como modelo o Pai, o nosso Deus. O próprio Jesus é nosso modelo. Imitando Jesus, amamos a todos, queremos o bem de todos e, quando perseguidos, injuriados ou difamados, lutamos para não guardar mágoa, nem alimentar ódio em nosso coração. Antes, rezamos por quem nos faz o mal e queremos o bem de quem nos ofende. É nesse espírito que enfrentamos a defesa dos nossos direitos e a busca da verdade. Sem ódio no coração.
Amem os seus inimigos (Mt 5, 44)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Está aí uma coisa difícil: amar os inimigos. Mas, esse é o jeito certo do cristão ser, para parecer contigo, para ter os teus mesmos sentimentos, como nos aconselhou o apóstolo. Ajuda-nos, Senhor, a tirar do nosso coração todo sentimento de rancor, de ódio, de inclinação à vingança. Ajuda-nos a cultivar o amor cristão que vê no outro, mesmo no inimigo, um irmão ou uma irmã que precisa encontrar o caminho do bem. Abençoa, Senhor, os que nos fazem o mal. Eles também são irmãos que precisam encontrar a graça da conversão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Identifique, hoje, na sua história de vida alguém que lhe tenha feito muito mal. Fale com Jesus, em sua oração, pedindo-lhe forças para perdoar esse alguém.

Pe. João Carlos Ribeiro – 19.06.2018