09 junho 2019

EU TAMBÉM ESTAVA LÁ


Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, e Jesus começou a ensiná-los (Mt  5, 1-2).

São quatro ações de Jesus descritas na abertura do Sermão da Montanha (Mt 5). Faça as contas: Vendo Jesus as multidões (1ª. Ação), subiu ao monte (2ª. Ação)  e sentou-se (3ª. Ação). Os discípulos aproximaram-se (essa ação é dos discípulos), e Jesus começou a ensiná-los (4a. Ação de Jesus). Quatro, você sabe, é um número de totalidade, abrangente como os quatro pontos cardeais.

Estamos no início do chamado Sermão da Montanha, que compreende os capítulos 5, 6 e 7 de Mateus. O Sermão da Montanha é a proclamação da Lei do povo da nova aliança.

Vamos às quatro ações iniciais de Jesus. A primeira foi “Vendo as multidões”... Ele vê o povo que acorre para ouvi-lo, para pedir a cura de suas doenças... Ele não vê só com os olhos, vê com o coração. Na história que contou do homem assaltado e caído na estrada, só o samaritano viu, aproximou-se e cuidou dele. O sacerdote e o levita viram, mas passaram adiante. Jesus vê as multidões como Deus que falou com Moisés no Monte Sinai: “Eu vi, eu vi a miséria do meu povo que está no Egito. Ouvi seu grito por causa dos seus opressores, pois eu conheço as suas angústias”. A primeira ação foi “Ver as multidões”, um olhar de compaixão e de compromisso com o seu bem.

A segunda ação de Jesus foi “Subiu ao Monte”. Que detalhe curioso, “subiu ao monte”! Que monte? Com certeza, uma das colinas próximas de Cafarnaum. O monte, na tradição bíblica, é um lugar privilegiado de encontro com Deus. Mas, por que subiu com a multidão ao monte? Claro, ele é o novo Moisés que está levando o povo hebreu para o Monte Sinai, para prestar culto a Deus, celebrar aliança com ele e dele receber a Lei. “Subiu ao monte” é uma ação cheia de significado. Refazendo o caminho da história, Jesus, o novo Moisés, está restaurando o seu povo, que renasce em aliança com Deus.

A terceira ação foi “sentou-se”. Por que sentar-se? Por que estava cansado? Para ficar mais próximo do povo? Os mestres, em Israel e em outros povos, ensinavam sentados. Na Sinagoga, o pregador ficava sentado.  Lembra Jesus,  na Sinagoga de Nazaré? Depois que leu, de pé, o profeta Isaías, sentou-se para explicar aquela passagem. Na Sinagoga, havia uma cadeira especial para o pregador, perto do púlpito, num lugar de destaque. Chama-se a Cadeira de Moisés. Quando pediu uma barca para se afastar da multidão e falar-lhes sobre o Reino de Deus, lembra em que posição Jesus ficou? Sentado, claro. Sentar-se é a posição de quem vai ensinar, Jesus assume a condição de Mestre. É o novo Moisés que ensina a Lei de Deus ao seu povo.

A quarta ação foi “começou a ensiná-los”. O que ele começou a ensinar vem a seguir: as bem-aventuranças, as bem-aventuranças do Reino. Na interpretação que se fazia do decálogo do Monte Sinai, o bem-aventurado era o praticante da Lei, o que observava os mandamentos e as normas.  Nas bem-aventuranças do Monte, Jesus proclama que o Reino de Deus é um dom para os humildes, os sofredores, os pecadores. O Reino é o consolo para os aflitos e perseguidos, a vitória da justiça e da paz para os sofredores, a força dos mansos, o conhecimento de Deus para os de coração limpo, a misericórdia para os pecadores. Afinal, o bem-aventurado no povo da nova aliança é o humilde e pecador amado por Deus.

Ouvindo essa palavra, sinta-se no meio daquela multidão. Você está na lista dos bem-aventurados do Reino. Não porque você seja muito bom, nem muito santo, nem muito praticante da Lei de Deus. Você está na lista dos bem-aventurados porque, na sua fraqueza, nos seus limites, na sua condição de pecador, Deus ama você. É o que Jesus está dizendo.

Vamos guardar a mensagem de hoje

Está começando o Sermão da Montanha. Jesus, com compaixão, vê o povo, como Deus na revelação a Moisés, da sarça ardente. Jesus, com o povo e os discípulos, sobe ao monte. Ele é o novo Moisés que liderou a saída do Egito e levou o povo ao Monte Sinai para celebrar a aliança com Deus. Ele é o mestre que, sentado, ensina ao seu povo a lei do Reino de Deus. O seu ensinamento é o manifesto do Reino. Os pequenos são os amados de Deus, os cidadãos do seu Reino. A celebração de Todos os Santos é, antes de tudo, a glorificação de Deus que elegeu os pequenos e sofredores como cidadãos do seu Reino.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, e Jesus começou a ensiná-los (Mt 5, 1-2)

Vamos acolher a mensagem com as palavras do Salmo 23 :

— É assim a geração dos que procuram o Senhor!
— “Quem subirá até o monte do Senhor,/ quem ficará em sua santa habitação?”“Quem tem mãos puras e inocente coração,/ quem não dirige sua mente para o crime”.
-  Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Vamos praticar a palavra que meditamos

Para ajudar você a guardar e praticar a palavra de hoje, fica aqui uma sugestão: do que você vai escutar na missa de sua comunidade, ou em algum meio de comunicação, anote uma frase que tenha chamado a sua atenção.


Pe. João Carlos Ribeiro – 10/06/2019

9 comentários:

  1. A sua bênção padre João ,um ótimo dia para nós com as bençãos divinas .
    Obrigado por este momento especial!
    🙏🏻🙌🏻❤

    ResponderExcluir
  2. Bom dia P João Carlos. A sua bênção. Agradeço as suas palavras orientado de forma clara o caminho que nos leva a Deus.

    ResponderExcluir
  3. Como é bom ouvir a palavra de Deus

    ResponderExcluir
  4. Bom dia padre, uma boa semana pra todos nós, que Deus nós abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Senhor, dai-me força, sabedoria...
    Para seguir somente a Ti, ter mãos puras e um coração limpo...Amém!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Pe João Carlos sua bênção!Amém 📿

    ResponderExcluir
  7. É muito bom leitura e meditação do santo evangelho,principalmente feita por Pe. João Carlos, com essa voz serena, forte e linda. Deus o conserve e proteja sempre.

    ResponderExcluir
  8. Que a palavra de Deus permaneça dentro de nós! Pe João Carlos orai por tds nôs

    ResponderExcluir

E você, o que pensa sobre isso?