10 maio 2018

O SOL VAI NASCER

Pouco tempo ainda e vocês já não me verão. E outra vez pouco tempo e vocês me verão de novo (Jo 16, 16).
10 de maio de 2018.
Nós sempre enfrentamos crises, não é verdade? Crises vão e vêm. Elas podem ser momentos de crescimento, de superação. Crises são oportunidades, se bem aproveitadas. Quando se está num momento de crise, elas parecem durar uma eternidade. Quando passam, nos damos conta que o tempo não era tão longo assim. Elas dão qualidade ao tempo que segue, o novo tempo, o tempo da superação.
“Pouco tempo”. Essa expressão domina o texto do evangelho de hoje. No grego: mikron kai, traduzido como ‘dentro de pouco tempo’, ‘em pouco tempo’. Se você contar direitinho, essa expressão se repete sete vezes no evangelho de hoje. “Pouco tempo ainda e vocês já não me verão. E outra vez pouco tempo e vocês me verão de novo”.  É o tema da ausência de Jesus, de sua morte. E o tempo de sua nova presença, na condição de ressuscitado.
Vamos entender essa parte “Pouco tempo ainda e vocês já não me verão”. A paixão e morte de Jesus foi um tempo de desorientação para os discípulos, de desespero, de sofrimento. De repente, chegam os soldados, lá no Horto, e prendem Jesus e começa uma série triste de espancamento, interrogatório, julgamento e condenação; e a cruel execução do prisioneiro acusado de tudo o que não presta, sem eles poderem fazer nada; e o sepultamento apressado; e o silêncio pesado daquele sábado. Um tempo de angústia, medo, desespero para os discípulos e as discípulas de Jesus. Uma crise sem precedentes. O desânimo tomou conta do grupo. Os dois de Emaús foram se embora. Judas se enforcou. O grupo se trancou, amedrontado, na casa que os acolhera para a última ceia. Esse é o pouco tempo da ausência de Jesus, um tempo que parecia uma eternidade, menos de três dias que transtornaram a vida dos discípulos. A ausência de Jesus foi uma morte para o grupo. “Pouco tempo ainda e vocês já não me verão”.
Vamos agora para a outra parte “E outra vez pouco tempo e me vocês me verão de novo”. Pode ser entendido como “Mas, um pouco mais tarde, vocês me verão”. Na madrugada do primeiro dia da semana, eis que Jesus ressuscita e começa a se encontrar com as discípulas e os discípulos. A superação do tempo ruim foi tão surpreendente que quase não acreditavam no que estavam vendo e tocando: o crucificado deu a volta por cima, ressuscitou, trazendo perdão aos pecadores. A morte não foi o fim. Pela morte, ele se apresentou em reparação dos pecados  da humanidade. O novo tempo chegou: tempo de alegria, tempo de vitória, tempo de ressurreição. “E outra vez pouco tempo e me vocês me verão de novo”.
Numa de minhas canções, eu escrevi: “Não há tempestade sem bonança. Neste novo reino, em dor de parto, a esperança”. O poema traduz bem as palavras de Jesus no evangelho de hoje. Um tempo de ausência, pouco tempo, mesmo que parecesse uma eternidade. E em pouco tempo, o tempo da presença, da superação, da ressurreição. Essa experiência com a morte e ressurreição de Jesus é modelo agora para toda crise que cada um de nós tenha e das crises que a comunidade cristã também passa. A comunidade também caminha por momentos de crise e de superação, de ausência ou proximidade do Senhor.
Vamos guardar a mensagem
Jesus estava preparando os discípulos para a grande crise que seria a sua ausência, pela morte de cruz. Em pouco tempo, chegaria essa hora dolorosa. Mas, em pouco tempo ela passaria e daria lugar a outro momento, uma nova forma dele estar presente ainda mais eficaz e duradoura. Ressuscitado, ele comunicaria o Espírito Santo que atualizaria permanentemente sua presença. Momentos de crise também são vividos na vida pessoal de cada seguidor de Jesus. Você também já viveu momentos de crise e momentos de superação, tempos de tempestade e tempos de bonança. Então, escute a palavra de Jesus hoje: “A tristeza de vocês se transformará em alegria”.
Pouco tempo ainda e vocês já não me verão. E outra vez pouco tempo e vocês me verão de novo (Jo 16, 16).
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
“Quanto mais escura a noite, mais carrega em si a madrugada”, dizia Dom Hélder Câmara. Vez por outra, passamos por noites escuras. Dá-nos, Senhor, não nos desesperarmos nesses momentos. Como disseste, é “pouco tempo”. Que não nos faltem paciência, humildade para revermos nossos erros e esperança para construirmos o novo momento que não tarda chegar. E chegará, como bênção do alto, como madrugada depois de uma noite escura. Que tua morte e ressurreição, Senhor, seja a dinâmica a nos iluminar em nossas pequenas e grandes crises. Contigo, já somos mais que vencedores. Amém.
Vamos viver a palavra
Que tal você, hoje, dedicar uma prece especial por algum parente ou conhecido que esteja atravessando um momento de crise?!

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.05.2018