Mostrando postagens com marcador natal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador natal. Mostrar todas as postagens

20151204

Veio, vem, virá


A primeira vinda de Jesus foi o maior acontecimento de todos os tempos. Quem poderia imaginar que o Deus vivo e verdadeiro viesse morar com as pessoas dessa terra? Foi isso que aconteceu no primeiro natal. Deus veio e armou sua tenda entre nós. A Segunda pessoa da Trindade Santa, o Filho, assumiu nossa condição humana no seio de Maria Virgem. Nasceu e viveu entre nós. Como diz o Evangelho de João: "veio para o que era seu. Mas, os seus não o receberam" (Jo 1,11).


Ao lado da alegria que experimentamos no Natal – a vinda do Senhor – reconhecemos com pesar que ele foi rejeitado. Não foi bem recebido. Nem pelos seus conterrâneos, nem pelas autoridades de seu país, nem pelo povo judeu, em geral. No nascimento, Herodes o perseguiu para exterminar pela raiz qualquer possibilidade de oposição política. Na sua comunidade, em Nazaré, foi expulso da Sinagoga  pelos seus próprios conterrâneos. Na cruz, foram as autoridades do Templo e os representantes do Império Romano que o baniram como um malfazejo. Excluíram-no como um indesejado. Poucos o receberam. Mas, estamos com o evangelho de João: "A todos os que o receberam deu o poder de se tornarem filhos de Deus".

Jesus então já veio. Mas,  continua vindo, continua nos encontrando nas estradas desse mundo. É claro, ele hoje está à direita do Pai, governando a história, como Senhor do céu e da terra. Nisto cremos. Mas, sua promessa foi de ficar conosco, seu povo, sua Igreja, todos os dias até à consumação dos séculos. Assim é que ele continua presente anunciando o Reino, nos interpelando, nos guiando no caminho de volta para a casa do Pai. Ele continua vindo: fazendo-se presente na palavra das Escrituras, no sacramento da refeição eucarística, no conselho e na sabedoria dos irmãos, no sofrimento dos pobres, no clamor dos injustiçados. Ele continua vindo. Oxalá, saibamos reconhecê-lo e recebê-lo.

È certo, Jesus já veio uma primeira vez. E permanentemente, vem a nós, hoje. Mas, definitivamente, no fim dos tempos, virá para julgar vivos e mortos. Quando, não sabemos. Mas, precisamos tomar o seu conselho, estejamos vigilantes, preparados. Disto, tem-nos falado muito nesses dias nas Escrituras. "O dono da casa pode voltar a qualquer momento. Felizes os que estiverem acordados e vigilantes". Como voltará, não sabemos. Apenas temos as imagens da pregação dos profetas do Antigo Testamento. Um modo de falar apocalíptico que Jesus utilizou também. Mas, apenas um modo de falar. O "como' o "quando" voltará são realidades tão surpreendentes e fortes que dela podemos ter apenas uma vaga ideia. A verdade fundamental comunicada nesses textos é que Jesus, o filho de Deus, consumará sua obra fechando com chave de ouro a história, e entregando ao Pai, como um presente, o que de bom colher por aqui.

A Igreja – o povo de Jesus – vai voltando seus olhos, nesses dias do advento, para o presépio de Belém. Foi lá a sua primeira vinda. Mas, não pode deixar de abrir os olhos para o momento atual da história: é nele que o Senhor nos interpela, nos educa, abre o caminho da casa do Pai à nossa frente. Hoje ele continua vindo. Olhando ainda mais longe, apurando bem a vista, nos damos conta também que ele ainda virá. Será a sua segunda vinda. Virá para coroar sua obra iniciada e deixada aos nossos cuidados. E a Igreja, o povo santo, se enche de respeito profundo e sentimentos de penitência frente ao seu Senhor que veio, que vem e que virá. É o advento.

Pe. João Carlos Ribeiro

20121222

Feliz Natal!

O SORRISO DO MENINO DEUS
Mensagem de natal do Pe. João Carlos para você

 Observe o que Deus fez no natal. Sendo nós quem somos, num gesto imenso de amor, Deus nos enviou seu próprio filho para nos resgatar. Deus foi imensamente generoso, vindo ao nosso encontro, dando o primeiro passo para a nossa reconciliação com ele. Mesmo sendo nós pecadores, ele nos amou primeiro.

Neste natal, ao menos neste natal, não feche o seu coração para quem supostamente lhe ofendeu. Dê o primeiro passo. Aproxime-se. Ofereça seu perdão. O que Deus fez com você, faça com os outros. Seja generoso, seja generosa. Ainda não aprendemos a lição do natal. O natal de Jesus apela para o crescimento de nossa própria humanidade. A visita de Deus nos humaniza. Nos diviniza.
        
         Neste Natal, seja mais acolhedor, mais acolhedora.

Na pousada, não havia lugar. Gente demais. Mas, na pobreza da gruta, a natureza ofereceu ao casal e à criança que estava chegando um lugar quentinho para se abrigar da frieza da noite. Desde a sua concepção, a criança não ocupava só um cantinho no útero da virgem, era o centro de sua vida, de suas atenções, de suas orações, de todo o seu ser. Ali na gruta, sem ninguém para ajudar no parto, ela mesma o recebeu com suas mãos trêmulas de dor e felicidade: o colocou nos braços, o envolveu com uns paninhos e o acomodou no coxo dos animais, na manjedoura. O pai que tinha procurado em vão um lugar melhor, estava ali, entre preocupado e feliz, ajeitando e ajudando no que podia. Seus braços foram um abrigo seguro para o bebê que chegara numa pobreza tão extrema. Lá fora, estava frio. Lá em Belém, na estalagem dos peregrinos, não havia lugar para eles. Mas, a gruta, a mãe, o pai, os animais: todos ofereceram colo ao recém-chegado. Foram acolhedores.

Neste natal, ao menos neste natal, seja mais acolhedor, mais acolhedora. Receba melhor quem chega à sua casa, quem bate à sua porta, quem lhe telefona, quem lhe procura. Acolha um amigo ou uma amiga a mais em sua vida. Abra mais seu coração. Seja mais acolhedor, mais acolhedora.

20111223

Natal do presépio

Só de pensar no natal, o comércio enlouquece. As campanhas publicitárias redobram suas cruzadas de convencimento. "Compre, compre... o que será do seu natal sem compras?". São fortes apelos, criando necessidades e frustrações. São os assédios da sociedade de consumo. E o pessoal fica inquieto, calculando como vai fazer para ir às compras. Pagar não, isto é depois, no ano novo, quem sabe!.  Pendura-se no cartão de crédito. E no cheque especial também. O negócio é voltar pra casa com grandes pacotes e o ego satisfeito por ter desfilado pelos corredores do shopping entre os vorazes consumidores da temporada do natal. Natal, o que é o natal? Seria o tempo de compras de fim de ano?

20111213

Um natal religioso e cultural

Essa é a décima vez que a Associação Missionária Amanhecer está organizando o RECIFE FELIZ NATAL. É um belo serviço de nossa associação à preparação para o natal. Natal, como festa de Jesus que vem a nós, nascendo em solidariedade. E a preocupação da Associação nesse evento é exatamente contribuir para reavivar no centro comercial da cidade o espírito religioso do natal. É que outros estímulos, longe do sentimento religioso natalino, vão ocupando cada vez mais espaço nas vitrines, nas ruas, no imaginário do natal. Estou falando do Papai Noel, ícone do consumismo desse período.

20111212

O novo da história

O que há de novo na história da humanidade? O que poderia haver de revolucionário suficiente para dar um novo começo a essa história um tanto quanto atrapalhada? Os cristãos asseguram que, há pouco mais de dois mil anos, a história da humanidade foi marcada por um evento absolutamente revolucionário. Deus mesmo veio morar com a gente. É esta a boa notícia que impactou a aventura humana na terra há pouco mais de dois mil anos. Deus mesmo veio morar com a gente.

E em que isso faz a diferença? É que se há um ideal a ser seguido, ele não está mais nas nuvens, no além, nos livros, nas promessas. O ideal de humanidade ética, solidária, espiritualizada não é apenas um projeto. É uma pessoa. Os ideais de bondade, comunhão, fraternidade, justiça, verdade podem ser vistos, tocados na vida e na experiência de uma pessoa humana: Jesus de Nazaré, Deus e Homem a um só tempo. O verbo eterno que estava desde sempre ao lado do Pai e agora entrou na história humana, solidário com todo ser humano, particularmente com o mais sofrido e desprezado.

E isso faz toda a diferença. Como disse o apóstolo João em sua carta: "O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida, ....isso nós vos anunciamos..." (1 Jo 1, 1.3). Jesus é essa verdade maravilhosa de Deus ao nosso alcance, Deus que veio a nós. O inefável que deixou-se tocar. Isso é o natal.

Não é a toa que Jesus pode nos dizer a certa altura de sua vida humana: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida". Podemos segui-lo, crer nele, experimentar a vida eterna que ele nos comunica porque ele é de nossa raça humana, anda pelos nossos caminhos, sente as nossas dores, atravessa o nosso mesmo vale de lágrimas. Agora, podemos saber como é que um filho de Deus nessa terra pode manter-se em comunhão com o Pai e com os irmãos, ser-lhe fiel, encontrar realização e felicidade em sintonia com a vontade divina. Assim dá para entender bem o modo como Jesus convocava seus seguidores. O convite era simples: Vem e segue-me. Ele continua nos convidando a viver como ele, a tê-lo como regra de vida, a imitá-lo em sua vida humana de filho de Deus. Vem e segue-me!

A magia do natal, como costumamos definir o clima de reconciliação e paz que emana dessa comemoração, não brota das fachadas enfeitadas ou dos pinheiros decorados. A magia do natal é a presença de Jesus entre nós, Deus mesmo que veio morar com a gente. E não se trata de uma visita, em que Deus, por meio do seu filho, tirou um pouco de seu tempo para estar conosco. Ele se define como Emanuel, o Deus que está conosco. Como diz o prólogo do evangelho de São João: "O verbo se fez carne e habitou entre nós".

Pe. João Carlos Ribeiro – 12.11.2011