06 maio 2018

O AMOR QUE MUDA O MUNDO


Amem-se uns aos outros, como eu amei vocês (Jo 15, 12)

06 de maio de 2018.

Não sei se você lembra qual foi a palavra-chave de domingo passado. Não lembra? Vou lhe dar uma dica. Domingo passado, Jesus fez a comparação da videira. Lembrou?! A palavra foi... PERMANECER. Permanecer é estar em comunhão com Cristo e com a comunidade, realizando a Palavra, tornando-se discípulo, discípula. A palavra forte de hoje é fácil de identificar. É só prestar atenção no evangelho, onde ela se repete nove vezes. AMOR. Na segunda leitura, primeira carta de São João, também esta palavrinha volta nove vezes. AMOR. Vamos prestar atenção nela.

Olha como começa o evangelho de hoje. “Como meu Pai me amou, assim também eu amei vocês. Permaneçam no meu amor”. Podemos nos perguntar: Como o Pai amou Jesus? E a resposta é simples: Na criação, o Pai já tinha demonstrado o seu amor pelo filho. Fez tudo pensando nele, nos criou à sua imagem e semelhança. No batismo de Jesus, vemos outra manifestação maravilhosa do amor do Pai. Ele declarou bem alto: “Este é o meu filho amado”. E derramou sobre ele o seu Espírito. Foi quando veio sobre Jesus o Espírito Santo, em forma de pomba.

“Como meu Pai me amou, assim também eu amei vocês”. E como foi que Jesus nos amou? Mais fácil ainda de responder. Jesus se aproximou de nós, pela sua encarnação. Veio viver conosco, assumindo nossa condição humana. Mais? Ele nos anunciou o Reino de Deus, ele nos revelou o Pai e o seu projeto de salvação. E deu a prova maior de amor: deu a sua vida por nós.  Foi assim que ele nos amou. E tem mais: ele também nos deu o seu Espírito. No domingo em que ressuscitou, se encontrou com a comunidade dos discípulos e soprou sobre eles, comunicando-lhes o Espírito Santo. E, cinquenta dias após a páscoa, derramou o seu Espírito sobre toda a comunidade.

O Pai amou Jesus. Jesus nos amou. E nos orientou a vivermos no amor. Deixou-nos o seu mandamento: “amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês”. O amor virou a marca da comunidade cristã. Logo as pessoas de fora começaram a reparar como, na comunidade eles se queriam bem, dividiam os seus bens, acudiam as necessidades dos mais pobres, rezavam juntos. “Um só coração e uma só alma”. São João escreveu na sua primeira carta: “Quem ama, nasceu de Deus, conhece Deus, porque Deus é amor". Na comunidade, procura-se viver o amor como o de Jesus: proximidade, acolhimento, inclusão, partilha, diálogo na verdade, perdão, comunhão.

Esse amor vivido na comunidade - expressão do amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo – transborda do círculo comunitário para ser fermento no meio da sociedade. Os cristãos e sua comunidade vão fermentando o mundo com esse amor. Acompanham os doentes, visitam os presos, defendem os injustiçados. Com o amor de Jesus, estendem a mão aos moradores de rua, aos órfãos, aos dependentes químicos. No amor por Jesus e pelos irmãos, educam para a cidadania, fortalecem a luta pela paz e pela justiça, defendem a vida ameaçada. É o amor que se torna fermento no meio da sociedade.

Vamos guardar a mensagem

A comunidade cristã, onde se incluem também as famílias dos cristãos, é o grande o espaço do amor fraterno. Conhecemos aí o amor de Deus por nós. Nosso amor aos irmãos, como Jesus nos amou, é a nossa resposta ao amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Na comunidade, somos chamados a viver o amor como acolhimento, amizade, ajuda mútua, correção fraterna, perdão. Esse amor forma cada cristão e toda a comunidade para serem, na sociedade, uma força de transformação. O amor se torna um fermento de paz, de justiça e de solidariedade.

Amem-se uns aos outros, como eu amei vocês (Jo 15, 12)

Vamos rezar a Palavra

Senhor Jesus,
Não somente nos mandaste amar, mas nos amar, como tu nos amaste. E tu nos amaste, sobretudo, sacrificando-se por nós. Amar é ficar feliz com a alegria do outro, vencendo o egoísmo. Amar é tomar como seu o sofrimento do outro, vencendo a indiferença. Amar é assumir o seu posto de cidadão pra melhorar o mundo, vencendo a alienação. Ajuda-nos, Senhor, a por em prática tua palavra, a viver no amor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a Palavra

O amor que Jesus ensinou logo materializou-se na inclusão, na queda de preconceitos, em gestos de solidariedade, na missão voltada para os de fora. É o que você vai concluir lendo a história de Cornélio. Leia, hoje, na sua Bíblia, em Atos capítulo 10, a história de Cornélio e sua família.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.05.2018
Postar um comentário