15 maio 2018

ESTAMOS NO MUNDO, MAS NÃO SOMOS DO MUNDO.


Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno (Jo 17, 15)

16 de maio de 2018.

Na oração que Jesus fez ao Pai, rogando por nós, ele disse que não pedia que o Pai nos tirasse do mundo, mas que nos guardasse do maligno. De fato, no Pai Nosso, ele nos ensinou a pedir ao Pai que nos livre do mal. Não que nos tirasse do mundo, mas que nos guardasse do mal que está no mundo, foi o pedido dele.

Neste sentido, há uma outra expressão nessa oração de Jesus muito especial: “Eles não são do mundo, como eu também não sou do mundo”. Nós não somos do mundo, estamos no mundo. Jesus também não é do mundo. Mas, veio ao mundo com a missão de salvá-lo.

No evangelho de João, aparece muito clara a oposição entre Jesus e o mundo. O mundo seria a ruindade que está no nosso meio, essa parte perversa em nós e na sociedade que se opõe a Deus, o domínio do pecado. Poderíamos entender essa palavra ‘mundo’ como a humanidade decaída. E Jesus identifica que o mal desse mundo tem sua inspiração e seu comando no demônio, sendo este, no seu dizer, o pai da mentira. Este está em oposição ao Espírito da Verdade, o Santo Espírito de Deus.

O mundo é, então, esse conjunto de forças que está longe de Deus e que se opôs a Jesus, levando-o à morte. E que se opõe também aos discípulos, penalizando-os com a mesma perseguição. A rejeição e a perseguição foram muito fortes nas primeiras gerações de cristãos. O mundo que rejeitou Jesus rejeitou também a pregação e o modo de vida dos seus seguidores.

Às vezes, somos tentados a pensar numa separação completa entre o que é do mundo e o que é de Deus. E pensamos, erradamente, que de Deus são as coisas religiosas e do mundo são as coisas seculares. Engano. Tudo é de Deus, ele está em tudo e em todos. Deus se manifesta e comanda também o que nos parece secular, fora da órbita do sagrado. O que Deus criou é dele. O sonho é que tudo seja reino de Deus.

Às vezes, somos tentados também a pensar que, de um lado está o bem e do outro está o mal. Também este é um engano. As coisas podem estar misturadas, como Jesus mostrou na parábola do joio e do trigo. Não dá para arrancar logo o joio, senão prejudica o trigo que está crescendo ao seu lado. E só dá pra saber mesmo certinho quem é quem quando chega a hora de dar frutos. Quer coisa mais santa do que o grupo dos apóstolos, que Jesus pessoalmente escolheu, depois de uma noite de oração?! Pois, o traidor foi um dos doze apóstolos.

Mesmo habitado pelo mal, o mundo foi amado por Deus. E Jesus veio para convidá-lo à conversão. “Deus tanto amou o mundo que enviou o seu filho unigênito”. E o próprio Jesus explicou, para escândalo dos fariseus: “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”.

Vamos guardar a mensagem

Na ceia, Jesus pediu ao Pai por nós: que ele nos livrasse do maligno. Nós não somos mais do mundo, somos de Deus. Mas, estamos no mundo. Jesus também não era do mundo, mas veio ao mundo para salvá-lo. Mesmo não sendo do mundo, estamos nele e temos uma missão dentro dele. E reconhecemos que esse mundo que Deus criou está cheio de coisas boas e promissoras. Mas, experimentamos também que há muita perversidade e maldade no meio do mundo. E temos certeza, como Jesus tinha, que sem desmerecer a responsabilidade humana, por trás de tanto mal há a atuação do inimigo da humanidade e de Deus. E temos consciência que o mal não está só fora do ambiente religioso. Também ali estão sementes de egoísmo, de violência e desamor.

Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno (Jo 17, 15)

Vamos rezar a palavra

Senhor Jesus,

Que a mentalidade do Reino de Deus – a fraternidade, a justiça, a paz – marque nossa vida de cristãos e nossos compromissos nesse mundo. E que a mentalidade do mundo – o individualismo, a luxúria, a exploração– não enfraqueça o espírito cristão que professamos. Livra-nos, Senhor, do mal. Amém.

Vamos viver a palavra

Estamos na semana de oração pela unidade dos cristãos. É possível que na sua família haja alguém que não seja católico. Hoje, dedique um momento de oração em favor dessa ou dessas pessoas. Peça pelo seu bem, pela sua felicidade, pela sua fidelidade ao evangelho.

Pe. João Carlos Ribeiro – 16.05.2018
Postar um comentário