24 dezembro 2017

NO PRESÉPIO, NÓS SOMOS OS PASTORES DE BELÉM.


MEDITAÇÃO PARA O DIA DE NATAL,

25 DE DEZEMBRO

E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam (Lc 2, 18)

Dia de Natal. Todo mundo festejando. O que será que realmente estão festejando? O que há de especial nesse nascimento ou nesse recém-nascido que provoque esse frenesi todo no mundo cristão?
Para a festa do natal, nos preparamos com o advento: uma caminhada de quatro domingos. O advento nos prepara para o encontro com o Senhor que vem. E onde essa peregrinação de quatro domingos nos leva? À gruta de Belém. Quem melhor pode nos representar em nossa peregrinação a Belém são os pastores. Vamos ver o que está narrado e ver se estamos no mesmo caminho.

Os pastores foram avisados do nascimento do Salvador. Eles estavam, de noite, no campo, tomando conta dos seus rebanhos. Chegou um anjo e comunicou a grande alegria: “Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vocês o Salvador”. E lhes deu uma dica: vocês vão encontrar um recém-nascido envolto em faixas e deitado numa manjedoura. E mais anjos apareceram e formaram um coro cantando a glória de Deus.

Veja como os pastores estão nos representando. Eles foram avisados pelo mensageiro de Deus. Nós também somos avisados pelos evangelizadores, os mensageiros de Deus. Eles nos avisam sobre a presença de Jesus na história humana. É a evangelização. Note também que os pastores estavam no campo, à noite, tomando conta dos seus rebanhos. Você lembra de como começou o advento? “Fiquem acordados, aguardem a vinda do Senhor vigilantes”. Os pastores estavam despertos, vigiando. É a atitude que temos manter sempre. Despertos, acordados, antenados.

Os pastores, nossos representantes, depois que os anjos foram embora, combinaram  de ir a Belém, ver de perto o que estava acontecendo. Lendo o texto: “Os pastores foram às pressas a Belém e encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura”. A evangelização nos põe em marcha, nos faz ir ao encontro do Senhor. Por isso, precisamos estar despertos, prontos para novas atitudes e novas ações. Vendo aquela cena, reconheceram o que o anjo lhes tinha indicado.

O que terá passado no coração dos pastores? O mesmo que pode passar no seu coração diante do presépio. De repente, perceberam a revolução do amor de Deus. Na gruta, não havia anjos, nem luzes, nem conforto de qualidade alguma. Tinha, sim, o frio, a escuridão da noite, animais talvez... e uma mãezinha jovem acalentando seu bebê, enrolado nuns paninhos, deitadinho no coxo dos animais. E um pai solícito ao seu lado, vendo se podia de alguma forma ajudar e proteger a criancinha e sua mãe. Talvez estivesse até envergonhado e chateado por não ter provido algo melhor para o nascimento do seu filho. Um casal de peregrinos vindos de Nazaré, muitas léguas a pé ou puxando um jumentinho. Gente que não encontrou abrigo na casa de parentes ou em pousada alguma. Não havia lugar para eles. Um menininho nascido na periferia, excluído da segurança e do conforto, como tantos outros. E, no entanto, ali estava, como dissera o anjo, o Salvador prometido, o Cristo Senhor, motivo de alegria para eles e para o povo todo.

Com certeza, o evangelista Lucas narrou tudo isso, vendo uma ligação entre o nascimento e a morte de Jesus. Veja que ele escreveu, e repetiu 3 vezes, que Maria enrolou o menino em faixas e o colocou na manjedoura. Na morte, esse mesmo evangelista anotou que José de Arimateia enrolou o corpo de Jesus em faixas e o colocou no sepulcro. E onde foi sepultado Jesus? Num sepulcro escavado na pedra, portanto, numa gruta, igual ao nascimento. Então, diante dos olhos e do coração dos pastores, a quem os anjos tinham evangelizado, está o Messias. E eles o reconhecem. Deus veio morar com a gente. E nasceu no meio dos pobres, na periferia e foi acolhido pelos mais humildes. Por enquanto, esqueça a história dos Magos, contado pelo evangelista Mateus. Eles chegaram em outro momento e a visita deles tem outro significado.

E o que fizeram os pastores que reconheceram o Messias na Gruta de Belém? Contaram ali mesmo, e por todo canto, o que o anjo lhes disse sobre o menino e o que eles próprios encontraram. E voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham visto e ouvido. Voltaram para os seus campos. Mas, não voltaram os mesmos. Voltaram missionários do novo tempo que estava se inaugurando na gruta de Belém. Testemunhas do menino de Belém.

Vamos guardar a mensagem de hoje

Nós, como os pastores, recebemos o aviso, a boa notícia, pela evangelização. Despertos como estávamos, assumimos uma nova atitude. Fomos ao encontro do Senhor que veio em nossa humanidade. E o reconhecemos em sua encarnação entre os pobres e desprezados desse mundo. Não o procuramos em Jerusalém, na capital, como os Magos o fizeram. Não ficamos esperando uma manifestação de grandeza, típica da lógica do poder. Nós o reconhecemos na fragilidade de uma criança. E, assim, nos tornamos testemunhas dessa maravilha: Deus veio a nós como nosso irmãozinho mais necessitado.

E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam (Lc 2, 18)

Vamos acolher a mensagem com uma prece

Receba a bênção do natal:
O Deus de infinita bondade que, pela encarnação de seu filho, expulsou as trevas do mundo e, com seu glorioso nascimento transfigurou este dia, expulse do teu coração as trevas dos vicios e te transfigure com a luz das virtudes.
T: Amém.

C: Aquele que anunciou aos pastores, pelo anjo, a grande alegria do nascimento do salvador derrame em teu coração a sua alegria e te torne mensageiros do evangelho.
T: Amém.
C: Aquele que pela encarnação do seu filho, uniu a terra ao céu te conceda sua paz e seu amor e te torne participantes da igreja celeste.
T: Amém.

C: E te abençoe o  Deus todo-poderoso, Pai e Filho † e Espírito Santo.
T: Amém


Vamos viver na palavra que meditamos

Hoje, pare um minutinho diante do presépio. No presépio, você está representado por um daqueles pastores. Fale com Jesus no seu coração, diante do presépio, como peregrino que está chegando à Gruta do seu nascimento. Feliz natal!


Pe. João Carlos Ribeiro – 24.12.2017

Nenhum comentário: