10 dezembro 2017

COMO FAZER A FAXINA DA CASA INTERIOR


MEDITAÇÃO 
PARA A SEGUNDA-FEIRA, 
DIA 11 DE DEZEMBRO 
Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)
Nós começamos essa segunda semana do advento com o apelo da conversão. Ouvimos, ontem, que João Batista preparou o povo para receber Jesus, convidando-o a consertar seus caminhos errados, confessar os seus pecados e batizar-se no rio Jordão. É o advento: preparar o encontro com Jesus, fazendo a faxina da casa interior e tomando um belo banho. O que suja e enlameia a nossa vida é o pecado.
E quem pode perdoar os nossos pecados?  O evangelho de hoje tem a resposta. Os fariseus acharam que Jesus estava blasfemando. Ele perdoou os pecados do paralítico. Havia muita gente ouvindo Jesus, o local está lotado. Um grupo trouxe um paralítico e arrumou um jeito de apresenta-lo ao Mestre. Desceram o doente pelo telhado. Jesus viu a fé deles e disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”. Foi o bastante para uma onda de críticas. “Só Deus pode perdoar os pecados!”, murmuraram os fariseus.
O perdão dos pecados é a obra de Jesus no sacrifício da cruz. Por sua morte e ressurreição, ele nos reconciliou com Deus. Senhor Fariseu, é verdade, é Deus quem perdoa! É Deus quem foi ofendido. E Deus nos perdoa, pelos méritos da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Quem perdoou o paralítico foi o próprio autor da salvação. E até o curou de sua doença. Mas, fez ver que isso não era mais importante do que o perdão dos pecados. E até mesmo o curou para mostrar, como ele disse, que “o filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados”.
E nós recebemos o perdão dos nossos pecados, em primeiro lugar,  no batismo. É a nossa primeira conversão. O batismo é o banho purificador  pelo qual o Espírito Santo nos lava do pecado.  E como continuamos a pecar depois do batismo, precisamos de uma segunda conversão, que precisa ser contínua em nossa vida. Para voltar à comunhão com Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão, chamado também de sacramento da penitência. Aqui, entra o neo-fariseu de hoje com a mesma crítica: ‘Só Deus pode perdoar os pecados!’, tentando desqualificar esse serviço exercido pelos ministros da Igreja.
Jesus, o filho de Deus, nos reconcilia com o Pai, por meio do seu sacrifício redentor. E ele encarregou os seus apóstolos para darem continuidade na história a esse ministério de reconciliação. Depois de ressuscitado, tendo soprado sobre eles comunicando-lhes o santo Espírito, ele disse: “A quem vocês perdoarem os pecados, eles serão perdoados”. Os ministros da absolvição (os bispos e os padres) realizam esse ministério em nome de Cristo. Eles participam do seu sacerdócio. Em seu nome, escutam a confissão dos pecados dos seus irmãos, em seu nome os aconselham, em seu nome conferem a absolvição dos seus pecados. É claro, só Deus pode perdoar os pecados, senhor neo-fariseu! E ele o faz por meio dos seus ministros. Foi assim que Jesus deixou.  
Vamos guardar a mensagem de hoje
Ontem, meditamos que para preparar o encontro com Jesus, precisamos fazer uma boa faxina em nossa vida. Como fazer isso? Pela conversão dos nossos pecados. E como nos livramos dessa sujeira do pecado, sobretudo do pecado mortal que nos afasta da comunhão com Deus? Resposta: pelo arrependimento e pela confissão dos nossos pecados. A nossa primeira conversão é celebrada no batismo. Nele, somos lavados do pecado, pelos méritos da paixão do Redentor. Para nos ajudar a reencontrar a graça de Deus, Jesus deixou o sacramento da confissão ou penitência. Nele, celebramos a nossa segunda e permanente conversão. Arrependidos, confessamos/dizemos os nossos pecados e recebemos a absolvição dos ministros da Igreja que fazem isso em nome de Cristo. Assim, somos reconciliados com Deus e com a comunidade eclesial, a quem também ofendemos com nossos pecados.
Quem pode perdoar os pecados, senão Deus? (Lc 5, 21)
Vamos acolher a mensagem com uma prece
Rezemos com as palavras com que cada membro da Igreja pede perdão dos seus pecados, no início da Santa Missa.

Confesso a Deus Todo-Poderoso
e a vós, irmãos e irmãs,
que pequei muitas vezes
por pensamentos, palavras,
atos e omissões,
por minha culpa,
minha tão grande culpa.
E peço à Virgem Maria,
aos anjos e santos
e a vós, irmãos e irmãs,
que rogueis por mim a Deus,
nosso Senhor. Amém.
Vamos vivenciar a palavra que meditamos
Se a gente parar pra pensar um pouco e abrir espaço para a ação do Espírito Santo em nós, logo compreendemos nossas falhas e nossos pecados.  É o que a gente faz no exame de consciência. Dê uma paradinha em algum momento do dia de hoje e faça seu exame de consciência. Pergunte-se:  EM QUE EU ESTOU FALHANDO COM O MEU DEUS?

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.12.2017

Nenhum comentário: