01 outubro 2017

O ADULTO, O ANJO E A CRIANÇA


Os seus anjos nos céus vêem sem cessar a face do meu Pai (Mt 18,10)
O texto do evangelho de hoje nos traz muitas lições. De saída, podemos perceber, ao menos quatro ensinamentos: 1. O maior no Reino dos Céus é quem se faz pequeno como uma criança; 2. Precisamos nos converter e nos tornar como crianças, senão não entraremos no Reino de Deus: 3. Quem acolhe uma criança, um pequenino, em nome de Jesus, acolhe a ele mesmo; 4. Não se pode desprezar nenhum pequenino. Os seus anjos estão em comunicação com Deus, o tempo todo.
Como hoje é o dia dos Santos Anjos da Guarda, a Igreja lê essa palavra de Jesus atenta a esse ensinamento: “os seus anjos nos céus vêem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”. O nosso Deus, no seu infinito amor, colocou ao lado de cada um de nós, um dos seus anjos. Os anjos são seres espirituais criados pelo Altíssimo. Sua missão, junto a nós, é nos proteger e nos conduzir para a Pátria Celeste. Esse cuidado de Deus com os seus filhos mostra, ao mesmo tempo, nossa fragilidade (precisamos sempre de ajuda), mas também nossa grandeza (em Cristo, somos filhos de Deus). A certeza da proteção do anjo da guarda ao nosso lado nos deixa um recado muito especial: Deus cuida de nós.  
E por que Jesus insistiu que a gente precisa se converter e se tornar como criança? É claro que Jesus não nos quer infantis. Certamente, ele nos quer com um coração de criança em nosso relacionamento com Deus nosso Pai. Criança, por exemplo, se deixa conduzir. O Pai ou a mãe a toma pela mão e a conduz. Ela segue com confiança, com docilidade.  Essa virtude o adulto nem sempre tem. Ele prefere dirigir, não aceita facilmente ser dirigido. Conviria melhor para o nosso relacionamento com o Pai a atitude de docilidade e de confiança de criança que se deixa guiar por seus pais.
Entre nós e Deus, um sentimento natural é o da dependência. Nossa vida está em suas mãos.  Nós dependemos dele. Ele é Providente e cuida de nós. Esse é o sentimento do filho, sobretudo do filho pequeno que depende inteiramente dos pais, que precisa de sua proteção. O adulto é independente, auto suficiente, está mais para pai do que para filho. E o grande anúncio do Reino é que somos filhos e irmãos. “Se vocês não se converterem, e não se tornarem como criança, não entrarão no Reino dos Céus”.
Vamos guardar a mensagem de hoje
A discussão era sobre quem seria o mais importante no Reino de Deus. Jesus chamou uma criança para o meio da roda e a apontou como exemplo. Na criança, vemos muito do que precisamos ser como filhos de Deus e do que não podemos perder como adultos. Precisamos conservar a espontaneidade, a docilidade, a confiança e o amor filial, tão fortes do tempo de criança. Não podemos perder o encantamento da criança diante das surpresas de Deus. Não podemos esquecer que, nas horas difíceis e sempre, temos com quem contar: um pai amoroso que cuida de nós. Jesus estava com a razão. Quem não se torna como uma criança não entra no Reino de Deus.
Os seus anjos nos céus vêem sem cessar a face do meu Pai (Mt 18,10)
Vamos acolher a mensagem de hoje com uma prece
Senhor Jesus,
Que belo é o ensinamento da tua Igreja: “Desde a infância até a morte, a vida humana é cercada pela proteção e pela intercessão dos anjos. Cada fiel é ladeado por um anjo como protetor e pastor para conduzi-lo à vida. Ainda aqui na terra, a vida cristã participa, na fé, da sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens, unidos em Deus.”(É que está escrito no Catecismo da Igreja Católica, 336). E na sua liturgia, a Igreja associa-se aos anjos para adorar a Deus três vezes santo: “Santo, Santo, Santo é o Senhor, Deus do Universo. O céu e a terra proclamam a sua glória”. Seja bendito, Senhor, o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro, - 01.10.2017