09 setembro 2017

CORRIGIR COM AMOR

Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular (Mt 18, 15)

O amor é o cumprimento perfeito da Lei. É que diz a carta aos romanos. ‘Não fiquem devendo nada a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o próximo está cumprindo a Lei de Deus”.

A comunidade cristã é o lugar da experiência do amor mútuo. Ela é constituída por pessoas amadas pelo Pai, renascidas em Cristo, santificadas pelo Espírito Santo. A comunidade é o lugar do amor, da unidade. É já um reflexo do amor e da comunhão da Santíssima Trindade. Comunidade cristã é a família, a comunidade eclesial da qual participo, a comunidade paroquial, a Igreja.

Na comunidade, buscamos viver o ideal do amor em Deus, amor que nos gerou como filhos pela evangelização e pelo batismo. Deus nos ama, nós o amamos e procuramos viver em fraternidade, em comunhão. Vivendo em unidade, Jesus está presente conosco. “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí, no meio deles”, nos disse o Senhor.  Assim, em unidade, como também nos ensinou, onde dois estiverem concordes sobre o que pedir, o Pai lhes concederá.  Dois é também a menor comunidade, o casal cristão. Os dois estando de acordo, Deus aprova.

Acontece que esse ideal de amor em família, em comunidade, na paróquia, na Igreja muitas vezes é ferido por atitudes egoístas, deslealdades, ofensas.  São pecados contra a fraternidade, a comunhão, contrários ao amor que devemos uns aos outros.  Gente que, por espírito de orgulho e soberba, humilha o irmão ou a irmã, desconsidera, trapaceia, difama o seu próximo. Gente movida pela inveja, por interesses escusos, por sede de poder.... tem de tudo. Estamos mergulhados na grande experiência do amor de Deus na comunidade, mas somos ainda fracos e pecadores.

Diante disso, vem o ensinamento de Jesus no sermão da comunidade, no capítulo 18 de São Mateus. Jesus oferece um passo a passo sobre como reagir no caso de um irmão, na comunidade, pecar contra você. O Profeta Ezequiel, no Antigo Testamento, tinha recebido de Deus a incumbência de comunicar a sua mensagem às pessoas erradas, reprovando sua má conduta. É uma grande chance que Deus dá pra gente se consertar. Somos responsáveis uns pelos outros. Devo corrigir o meu irmão. Não posso deixa-lo no erro e fazer de conta que não tenho nada a ver com isso. É o que chamamos de correção fraterna.

A correção fraterna é a resposta amorosa e responsável de quem se sente ofendido pelo outro ou na obrigação de ajudar o outro a se conduzir melhor. A maioria das pessoas quando se sente ofendida, na comunidade, parte para a murmuração contra aquele irmão ou irmã e procura isolar aquela pessoa dos seus amigos, dos seus grupos de influência. Errado. O caminho para o restabelecimento da fraternidade é o da correção fraterna. Começa quando eu, ofendido, procuro o meu agressor para resolver a situação. “Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo”, ensinou Jesus. Não dando certo, voltar a conversar na presença de uma ou duas testemunhas. Se essas pessoas forem amigos em comum, tanto melhor. Assim, a pessoa se sentirá num ambiente seguro, não de ameaça. Se ainda não se resolver, levar o assunto à própria comunidade, ou às suas lideranças. A Igreja deve chamar a atenção daquela pessoa, recordando-lhe o caminho dos discípulos de Jesus, os apelos do Reino de Deus. Não tendo jeito mesmo, então, reconhecer que essa pessoa se excluiu da comunidade, que está fora do caminho do evangelho. Pode, então, trata-lo como um pagão, não mais como um irmão de comunidade.

Vamos guardar a mensagem de hoje

Não é fácil corrigir o outro. Mas, isso é necessário para o seu crescimento no caminho de Jesus. É um sinal de responsabilidade que tenho para com ele e para com a minha  comunidade. A correção fraterna deve ser feita com caridade e com respeito, e passando pelos passos que Jesus indicou (a conversa a sós, a conversa com testemunhas, a comunicação à comunidade). Também não é fácil receber a correção fraterna. É preciso humildade para reconhecer os próprios erros e espírito de conversão para acolher a graça de Deus e o apoio fraterno na superação das próprias dificuldades. O amor é a forma perfeita de viver a Lei de Deus.

Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular (Mt 18, 15)

Rezemos com as palavras do salmo de hoje, o salmo 94:

— Não fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz de Deus!
— Vinde, adoremos e prostremo-nos por terra, e ajoelhemos ante o Deus que nos criou! Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, e nós somos o seu povo e seu rebanho, as ovelhas que conduz com sua mão.
— Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Pe. João Carlos Ribeiro – 09.09.2017