25 agosto 2017

OS DOIS MANDAMENTOS

Mestre, qual é o maior mandamento da Lei? (Mt 22, 36)
No tempo de Jesus, havia grupos religiosos muito influentes no meio do seu povo. Um desses grupos era o dos fariseus. Eles formavam uma grande confraria que era formada exclusivamente por homens e seus adeptos estavam espalhados por todas as comunidades. Eles eram reconhecidos como fieis cumpridores da Lei de Moisés, das normas religiosas que estavam escritas e das que se conheciam oralmente. Por serem assim tão praticantes da Lei, os fariseus discriminavam as outras pessoas que lhes pareciam relaxadas, ignorantes, pecadoras. Uma parte dos fariseus dedicava-se ao estudo das Escrituras Sagradas. Estes se tornavam mestres ou doutores da Lei, ensinando ou pregando a Lei nas sinagogas ou no Templo.
Claro, esse grupo dos fariseus não se batia bem com Jesus. Eles achavam Jesus um relaxado, um mau cumpridor da Lei de Moisés. Aborreciam-se muito porque Jesus curava em dia de sábado, acusando Jesus de estar profanando o dia santo. Outra crítica era porque Jesus frequentava a casa de gente tida como pecadora, como os cobradores de impostos. Na verdade, eles não engoliam aquela intimidade que Jesus demonstrava com Deus e a sua pregação sobre o Reino. Também não suportavam aquela atenção especial que Jesus dava aos pobres, aos sofredores, aos marginalizados. Mais tarde se uniriam a outros grupos poderosos e passariam a fazer parte de um complô, visando a prisão e a morte de Jesus.
Um dia, vieram com uma pergunta para o lado de Jesus. Claro, eles não estavam querendo tirar uma dúvida. Queriam encontrar motivos para condenar Jesus diante do povo, para apontá-lo como um infiel, um herege. A pergunta era simples e já era um dos temas de debate nas reuniões dos mestres e doutores da Lei. De todas as Leis Sagradas, escritas e orais, qual era a mais importante? Essa pergunta era importante na vida religiosa do povo eleito e eles já sabiam a resposta. A resposta já estava na oração diária de todo judeu daquele tempo, conforme está no Livro do Deuteronômio, a oração do Shemá (Ouve, ó Israel, o Senhor teu Deus é o único Senhor....e assim vai). Jesus respondeu com as palavras da oração do Shemá: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento”. E concluiu: esse é o maior e o primeiro mandamento.
E Jesus completou a resposta sobre o maior mandamento. Disse que havia outro mandamento semelhante a esse: ‘Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’, o segundo mandamento. Em outras partes da Escritura, já estava esse mandamento do amor ao próximo. Mas, Jesus juntou os dois,  dizendo que eles resumem toda a Escritura (a Lei e os Profetas). Um ensinamento de Mestre. Os fariseus ficaram quietos, calados.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Os fariseus, para arrumar problema, perguntaram a Jesus qual era o maior mandamento da Lei. O maior mandamento já estava na oração diária deles, o Shemá. Jesus disse, com as palavras da oração, que o maior mandamento era amar a Deus, com todo o coração, com toda a alma, com todo entendimento. E, completou dizendo que esse grande amor encontra sua contrapartida no amor ao próximo. Como escreveu depois o evangelista João em uma de suas cartas, amar a Deus sem amar o próximo, é uma mentira. Adorar a Deus sem defender e servir os sofredores é uma contradição.
Vamos acolher a Palavra de hoje com a prece
Rezamos a Oração do Shemá, como está no Livro do Deuteronômio (Dt 6), e como era rezado pelo povo do tempo de Jesus:
Ouve, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ama o Senhor, o seu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e com todas as tuas forças.
Que todas estas palavras que hoje te ordeno estejam em teu coração.
Ensina-as com persistência a teus filhos. Conversa sobre elas quando estiveres sentado em casa, quando estiveres andando pelo caminho, quando te deitares e quando te levantares.

Amém.