03 agosto 2017

NÃO FAÇA COMO NAZARÉ

De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? (Mt 13, 54)
Diga-me uma coisa: a sua família é numerosa ou é bem pequena? ... O pessoal mais antigo tinha famílias muito grandes, não é verdade? No tempo de Jesus, na Palestina, as famílias eram numerosas. Havia a tribo, que era formada por diversos clãs e cada clã era formado por muitas famílias. Todos os aparentados com o chefe da casa ou que morassem juntos pertenciam à mesma família. Os parentes moravam na mesma casa ou eram vizinhos. E os filhos, claro, se criavam juntos, convivendo com os parentes da mesma idade. No hebraico, não há palavras específicas para os parentes próximos. Todos são chamados de irmãos. Irmãos podem ser primos, tios, sobrinhos, etc.  Irmãos são todos os que pertencem à grande família.
No evangelho de hoje, aparece uma lista de irmãos de Jesus. Seriam irmãos mesmo ou é uma forma de designar os parentes próximos? Em Nazaré, onde Jesus crescera e foi ensinar na Sinagoga, perguntaram:  “Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs não moram conosco? Então de onde lhe vem tudo isso?”
A Igreja sempre entendeu, lendo a Bíblia Sagrada e escutando a Tradição desde o tempo dos apóstolos, que Maria teve apenas Jesus. Ele é o seu primeiro e único filho. Ser primogênito no povo de Deus era uma coisa muito especial, porque tinha uma relação especial com Deus, era consagrado ao Senhor. Jesus era um primogênito. Mas, isso não quer dizer que depois dele, vieram outros filhos.
“Irmãos” é uma forma de nomear os parentes próximos, possivelmente seus primos, aqueles com quem ele tinha se criado. Esses supostos irmãos Tiago, José, Simão e Judas aparecem em outras partes do evangelho. De Tiago, por exemplo, é dito que é filho de Alfeu. Então, não é de Maria. Aos pés da cruz, há uma Maria dita “irmã de sua mãe”, uma parenta próxima da Virgem.  No Evangelho de Marcos, é dito que uma Maria, aos pés da cruz, era mãe de Tiago e José. É muito comum na Bíblia parentes próximos serem chamados de irmãos. Não são, portanto, irmãos de sangue de Jesus, mas seus parentes próximos, possivelmente primos criados com ele.
Tira qualquer dúvida o fato de Jesus, antes de sua morte na cruz, ter entregue sua mãe ao seu discípulo João, este filho de Zebedeu. Se Maria não ficou com nenhum filho é porque não os tinha, como não tinha mais, àquela altura, o seu esposo José.
Bom, o importante é notar que ter conhecido Jesus, tê-lo visto crescer entre os seus muitos parentes, foi uma razão para muita gente em Nazaré não acolher a pregação de Jesus. “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres?”, se perguntavam descrentes. E, como não tinham fé, Jesus não pode fazer ali muitos milagres. Tinham um conhecimento superficial da pessoa de Jesus. Julgavam conhecê-lo. E isso foi para eles um motivo para fechar o coração para a mensagem de Deus da qual ele era portador, para a pessoa divina que ele era.
Vamos guardar a mensagem de hoje
O povo de Nazaré, por ter acompanhado superficialmente a infância e a juventude de Jesus, por conhecer seus pais e seus parentes, negaram-se a crer na sua pregação. Fecharam o coração às maravilhas de Deus que ele testemunhava com suas palavras, suas atitudes e seus milagres. Tiveram uma grandíssima oportunidade de conhecer e acolher a manifestação de Deus na pessoa do seu filho humanado e fecharam-se no sentimento mesquinho da inveja e do preconceito. Isso pode acontecer com você, com todos nós. Vou aproveitar o dia do padre para lhe dizer uma coisa. Você, por exemplo, conhece o seu padre, vê os seus defeitos, suas fraquezas...  Pode se esconder atrás disso, para não viver sua fé em Cristo e sua adesão à Igreja com entrega, com amor, com entusiasmo. Não faça como o povo de Nazaré, pelo amor de Deus.
De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? (Mt 13, 54)
Vamos acolher a Palavra com uma prece
Senhor Jesus,
Ficaste triste em Nazaré, decepcionado. Não te acolheram. Então, não acolheram o Pai que te enviou. Deram as costas ao anúncio do Reino de Deus que estavas fazendo. Foi quando disseste, com certo amargor: “É, um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família”. Senhor, longe de nós, hoje, te decepcionar. Não queremos que nenhum preconceito ou opiniões duvidosas nos impeçam de acolher o evangelho do Reino que tu nos trazes. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro – 03.08.2017
Postar um comentário