06 agosto 2017

COMIDA NO LIXO, NUNCA.

Todos comeram e ficaram satisfeitos e dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios (Mt 14, 20).

Aí na sua casa, sobra muita comida? O que é que vocês fazem com o alimento que sobra? Guardam na geladeira para reutilizar depois? Muito bom, e reutilizam mesmo? O que não é consumido vai para o lixo, dão a algum necessitado? Você sabe quanto por cento se perde dos alimentos que você compra?

A narração da multiplicação dos pães, no evangelho de hoje, está cheia de importantes lições. Mas, hoje, fiquemos atentos a esse cuidado de Jesus de mandar recolher as sobras. Na narração do evangelho de São João, Jesus disse: "Recolham os pedaços que sobraram, para que nada se perca". 

Um povo numeroso tinha ido ao encontro de Jesus num lugar distante. Quando Jesus viu aquele povo todo chegando, ficou tomado de compaixão. A hora foi se adiantando e os discípulos ficaram preocupados com a alimentação daquela gente. Sugeriram que voltassem para casa. Mas, Jesus disse que não. Eles mesmos deviam providenciar o alimento. Coitados, só estavam com cinco pães e dois peixes. Com esse pouco, Jesus rezou bendizendo a Deus, partiu o pão e o repartiu com os discípulos e os discípulos com o povo. Todo mundo comeu e se fartou. Das sobras, o que foi recolhido encheu doze cestos.

Nesse cuidado com a sobra do alimento, há uma indicação importante para o nosso relacionamento com o alimento: evitar o desperdício.  Por que guardar os pedaços de pão que sobraram? Pelo respeito que se deve ter ao alimento, fruto do trabalho e da bondade de Deus, pela possibilidade de serem consumidos depois ou de alimentar alguém que esteja passando necessidade. O consumo posterior pode ser uma reutilização, por exemplo, no caso do pão, pode fazer torradas, farinha de pão para pudim, para sopas, etc. É só um exemplo como o alimento pode ser reciclado ou reutilizado de outra forma. Em todo caso, evitar o desperdício, numa terra onde há tanta gente passando fome.

Nosso país é o quarto produtor mundial de alimentos. O que produz daria para alimentar toda a população e ainda sobraria muito. De toda essa riqueza, grande parte é desperdiçada. O desperdício acontece na colheita, no transporte e armazenamento, na indústria de processamento e na hora de cozinhar e comer. Os especialistas dizem que cada casa desperdiça cerca de 20% dos alimentos que compra. Nos supermercados, quase 5% dos perecíveis se perde. É dinheiro que sai pelo ralo. E é gente que deixa de comer.

Lugar de comida não é no lixo. Temos que cultivar uma outra cultura que não seja a do desperdício. Cozinhar o necessário. Reutilizar. Colocar no prato só o que se vai comer. Não desperdiçar. Respeitar o alimento, que é uma coisa sagrada. Repartir o pão com o faminto.

Na Missa, aprendemos que o pão, o alimento na mesa de nossa casa merece grande respeito. E que não deve haver desperdício. Na apresentação das oferendas, damos graças a Deus pelo alimento que ele põe na nossa mesa, fruto do nosso trabalho e de sua bondade. Na Oração Eucarística, renovamos os mesmos gestos de Jesus na multiplicação dos  pães. E após a comunhão, recolhe-se e guarda-se no Sacrário o que sobrou do pão consagrado. É a reserva eucarística. Ela servirá para a comunhão dos doentes e para a adoração dos fiéis. Guardar o que sobrou, não desperdiçar.

Vamos guardar a mensagem de hoje

O pão é fruto do nosso suor. Mas, é também dom de Deus. Deve ser consumido com respeito, por isso rezamos antes da refeição. Na cena da multiplicação dos  pães, aprendemos que precisamos mudar nossos hábitos para evitar o desperdício, dando um destino digno ao alimento que não é consumido em nossa mesa. Comprar o necessário. Cozinhar o que vai ser consumido. Comer o suficiente e não esquecer quem está passando fome. Comida no lixo, nunca.

Todos comeram e ficaram satisfeitos e dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios (Mt 14, 20).

Vamos acolher a palavra de hoje em oração

Senhor Jesus,
que belas lições deixaste na multiplicação dos pães: a compaixão, a responsabilidade pelas necessidades dos outros, a confiança na Providência Divina, a partilha do que temos e, nunca, o desperdício.  Ajuda-nos, Senhor, a mudar nossos hábitos consumistas e nossa indiferença para com os irmãos necessitados. Que possamos marcar nossa sociedade com o consumo responsável e solidário.  Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  


Pe. João Carlos Ribeiro – 04.08.2017
Postar um comentário