31 agosto 2017

BARRADAS NO BAILE

Chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor, Senhor, abre-nos a porta!’ (Mt 25, 11)

Você, me diga uma coisa, já barraram você numa festa? Ah, é uma coisa muito chata. Uma vez, eu fui para a festa de formatura de um colega, uma dessas solenidades feitas à noite em casas de festas chic, com todo aquele glamour e, claro, muita segurança. Meu colega tinha me enviado o convite, e junto mandou a senha de ingresso para a festa. Eu já fui um pouco atrasado, dadas outras ocupações, e nem me lembrei da tal senha. Resultado: fui barrado na entrada da festa. E não tive pra quem apelar. Telefones desligados, seguranças mal humorados... Não deu outra, barrado na festa. Você, já passou por uma situação desta? É muito chato.

A história do evangelho de hoje conta uma história parecida, a história de cinco moças que foram barradas numa festa, numa festa de casamento. E o mais chato, sabe o que foi, é que elas eram pagens do noivo, faziam parte de um grupo que acompanharia o ingresso do noivo na cerimônia. Naquele tempo, as casas de festa não eram tão chics, mas o negócio era organizado. Eram dez moças que iam entrar na cerimônia, acompanhando noivo... olha que história!

Dez moças estavam aguardando a hora de entrar com o noivo na festa de casamento. Cada uma com sua lâmpada de óleo na mão. Lembre que, no tempo de Jesus, não havia luz elétrica. O noivo demorou a chegar. Elas acabaram cochilando e dormindo. Acordaram com alguém gritando: “o noivo está chegando!”. Foi aquele alvoroço. Apareceu logo um problema: cinco lâmpadas estavam já se apagando. E suas donas não tinham levado uma reserva de óleo para reabastecê-las. E agora? Pediram às outras cinco para dividir com elas o óleo de reserva que cada uma tinha levado. ‘Não dá. Assim, no meio da festa, todas as lâmpadas de óleo vão se apagar. É melhor vocês saírem para comprar óleo’. Lá se foram esbaforidas as cinco jovens, atrás de comprar óleo numa hora daquelas. O noivo chegou, entrou todo mundo, as portas se fecharam. Quando voltaram, coitadas, não puderam mais entrar. Até o noivo, mandou dizer que não sabia quem eram elas. Barradas na festa.

Eu esqueci a senha para entrar na festa de formatura do meu amigo. Por que me esqueci? Porque de fato não estava muito ligado no acontecimento. Iria à festa se desse tempo, era apenas um programa possível, não uma prioridade daquele meu dia. Esquecer a senha não foi um detalhe. Foi um sinal de que eu não estava realmente ligado naquele evento de formatura. As cinco moças esqueceram-se de levar um óleo de reserva. Por que esqueceram? Com certeza, porque participar do casamento, mesmo como damas de acompanhamento, não era o seu grande objetivo de vida. Com certeza, tinham sido escolhidas para essa tarefa, mas elas não estavam realmente focadas nisso. Não se preparam adequadamente prevendo uma reserva de óleo, nem tiveram tempo nem cabeça pra isso, com outras tarefas do dia, com certeza. Não entrar na festa do meu amigo não estragou minha vida. Fiquei só chateado. Mas, para as moças foi o fracasso de suas vidas. Sabe por que? Porque elas viviam para esse grande momento, para o encontro com o noivo. Bom, aqui precisava maior explicação, mas vamos assim mesmo. Porque o noivo era o noivo delas. O noivo é Jesus. As moças somos nós, sua Igreja. E vivemos para esse grande encontro com o Senhor que está chegando. Reparou que, na historia, não tem noivas? As noivas são elas. A Igreja é a noiva que aguarda a chegada do seu Senhor, para a celebração das núpcias eternas. As noivas, compreendam, somos nós. Não entrar na festa é perder a eterna salvação.

Vamos guardar a mensagem de hoje

O que será que Jesus quis ensinar com essa parábola? A lição está no fim da história. “Portanto, fiquem vigilantes, porque ninguém sabe o dia, nem a hora”. Está no contexto da preocupação de Jesus pra gente não relaxar, enquanto esperamos a sua volta. O noivo está demorando. O noivo é ele. Está demorando, mas chega a qualquer momento. A noiva somos nós, a Igreja. Reparou que cinco se perderam. Ninguém se perde só, já dizia Santa Terezinha. Por isso mesmo, nada de baixar a guarda, de descuidar-se... O tempo de espera é tempo de compromisso, de construção.  Vigilância é a marca desse tempo em que estamos vivendo, enquanto o aguardamos. Vigilância é não deixarmos para depois o que temos que fazer hoje, é fazer bem o que temos que fazer hoje, é estarmos com tudo pronto para o grande encontro. Porque ninguém sabe o dia, nem a hora.

Chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor, Senhor, abre-nos a porta!’ (Mt 25, 11)

Vamos acolher essa palavra com uma prece

Senhor Jesus,
Como são bonitas as tuas histórias. Nessa de hoje, tu és o noivo e estás meio atrasado. Por nós podes até demorar mais, kkk... Mas, esse tempo de espera é tempo de vigilância, lâmpadas acesas, sustentadas pelo óleo da fé, da esperança e da caridade para clarear a grande festa que se aproxima, o casamento profetizado no final do livro do Apocalipse. A Igreja trajada de noiva, a nova Jerusalém, aguarda ansiosamente a tua volta. Como diz o livro santo: “A Igreja e o Espírito dizem: Maranatha! Vem, Senhor Jesus”. Amém.



Pe. João Carlos Ribeiro – 31.08.2017
Postar um comentário