25 junho 2017

O argueiro

Tira primeiro a trave do teu próprio olho, e, então, enxergarás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão (Mt 7, 5)
A sensação de ter um cisco no olho é uma coisa muito chata. É o tal do argueiro. E a pessoa mesma pode tirar o cisco do seu próprio olho, banhando os olhos com água na torneira, no chuveiro ou derramando água no olho com um copo, por exemplo. Mas, nada de ficar esfregando o olho. E todo cuidado com as mãos sujas: elas podem aumentar o problema, irritando os olhos ou transmitindo doenças. Normalmente, a pessoa precisa da ajuda de alguém para remover o cisco do seu olho. Mas, quem vai ajudar tem que estar com as mãos bem lavadas com sabão, e precisa identificar onde está o cisco, o argueiro. Tem que olhar bem, abaixando a pálpebra do olho e pedindo à pessoa para mover o olho para um lado e para o outro. Identificando o cisco – um cílio, um lixinho ou o que seja – precisa ajudar a pessoa a lavar os olhos com água. Não tendo jeito, tem que levar logo num posto de saúde, numa UPA.
Dessa experiência tão simples, Jesus tira uma lição muito séria: “Por que observas o cisco no olho do teu irmão, e não prestas atenção à trave que está no teu próprio olho?”. Achar defeito na vida dos outros, bem que é fácil. Difícil é identificar os próprios erros e querer consertá-los. É claro que os outros precisam de nós, de nossa amizade, de nossa proximidade, de nossa correção também. Por isso, precisamos estar em condições de ajudar. Mas, ajuda a tirar o cisco do olho do outro ou da outra quem está enxergando bem, não é verdade? Você estando com a sua vista prejudicada, como se tivesse uma trave de madeira nela, não vá se meter a tirar o argueiro do olho do seu irmão!

Alguém que chega atrasado todo dia no trabalho não vai poder corrigir um colega que um dia se atrasou. Primeiro, cuide de andar no horário. Um pai que chama palavrão na vista dos filhos não tem moral para reclamar de um filho que soltou um palavrão. Primeiro, tirar a trave do seu olho para ajudar a tirar o cisco do olho do filho. E aquele outro que não pisa na Igreja, mas fica cobrando que os filhos não percam a Missa no domingo. E aquele casal que nunca chegou a celebrar o seu casamento religioso, como pede a Igreja, e fica cobrando que a filha se case na Igreja. A hipocrisia é justamente isso: estranhar o mal feito do outro, quando a sua vida não é nada exemplar.
Realmente, precisamos ajudar quem, ao nosso lado, está com um cisco no olho.  Por isso, temos que purificar nossa visão, acertar nossa vida.​
Senhor Jesus,
Com certeza, em minha vida há muito a corrigir, por isso me convidas à conversão todos os dias. Não posso ensinar sem viver. Não posso cobrar dos outros, se eu mesmo não faço. Ajuda-me, Senhor, a reconhecer a trave que tenho em meus olhos, que me impede de estar em condições de ajudar os outros. Dá-me, especialmente, pela presença do teu Santo Espírito, que eu não me arvore em juiz de ninguém, que eu não julgue para não ser julgado com a mesma medida. Dá-me, Senhor, um coração generoso e bom como o teu, para respeitar, amar e perdoar os meus irmãos em suas faltas e em suas fraquezas.

Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro - 25.06.2017