08 abril 2017

O segredo do jumentinho

Quando Jesus entrou em Jerusalém, a cidade inteira se agitou, e diziam: “Quem é este homem?” (Mt 21, 10).

Com certeza, você já participou de muitas romarias. Uma romaria ou uma peregrinação é uma experiência única, que desperta muitos sentimentos e nos deixa muitas saudades. Imagine-se participando da peregrinação anual da páscoa, indo a Jerusalém, com muitos peregrinos. Vamos lá... imaginação funcionando. Pronto?! Já estamos no meio dos peregrinos que estão indo à cidade santa de Jerusalém, na romaria da páscoa. Agora, não haja como turista. Nós somos desse povo. Vai todo mundo a pé, claro. Alguma família leva seu burrinho ou seu jumento com alguém montado e com provisões para a viagem. A páscoa é aquela festa em que se celebra a saída do Egito: Deus libertou nosso povo da escravidão do faraó.  O povo que vem da Galileia, do norte do país, como nós, que é uma região mais baixa, diz sempre que está subindo a Jerusalém.  Então, estamos subindo a Jerusalém, peregrinando para a festa da páscoa.


À medida que se avança, mais gente vai se juntando na caminhada. Olha, não esqueça de saudar quem se aproxima ou responder à saudação que lhe fizerem: Shalom!  Isso, Shalom. Olha, todo esse povo que vem da Galileia já ouviu falar de Jesus. Há três anos ele peregrina por todo o país, sobretudo pela Galileia, com suas pregações e seus milagres. Aliás, grande parte desse povo já o viu, já ouviu alguma pregação dele e todo mundo sabe contar coisas maravilhosas que ele fez. Jesus é um profeta querido desse povo simples. E como ele, como bom judeu que é, também participa das peregrinações a Jerusalém, é bem capaz de a gente encontra-lo por lá.

Por lá, nada. Olha quem está ali na frente... Jesus. Jesus de Nazaré. Vai ali na frente. Corre. Olha os discípulos dele, olha o povo que anda com ele... e eles estão parando. Estão trazendo um jumentinho pra ele montar. Escuta o que eles estão dizendo. Alguém ouviu? Ah, eles disseram que o profeta mandou pedir o jumentinho emprestado. Será que ele está cansado? Acho que não. Escuta o que esse senhor aí está dizendo... ele está dizendo que nas escrituras, livro do profeta Zacarias, está escrito que Jerusalém se alegrasse, porque o seu rei estava chegando montado num jumentinho. Ele sabe o texto de cor... “o teu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento. Ele vai dispensar os carros de guerra, os cavalos e as armas de guerra. Sua palavra é de paz para as nações”. (Zc 9,9).  Quem sabe se o profeta de Nazaré não seja o filho de Davi que o povo está esperando, o rei que Deus prometeu!

Olha que coisa. É como um rei que está chegando à sua capital. Não é um rei montado a cavalo, como os romanos ou como os grandes senhores. Ele não chega com a força de um exército. É um rei pobre, desarmado, cercado de gente simples, um rei de paz. Será que o povo está entendendo o significado de tudo isso? Acho que sim.. olha que o povo está fazendo. Está tirando a capa que é vestida sobre a túnica e formando um tapete para ele passar no seu jumentinho. E outros, estão cortando ramos de árvores para forrar o chão... corre, chega mais perto, estão gritando alguma coisa. Dá para escutar? Alguma coisa com “Davi”.  Estão gritando Hosana. O que é “hosana”? É uma palavra que está exprimindo a alegria que eles estão sentindo. Uns gritam uma coisa outros gritam outra. Estão saudando o rei. “Hosana ao filho de Davi. Bendito o que vem em nome do Senhor.”

É, muita gente... E já estamos entrando na cidade santa. É uma emoção só. A emoção de entrar por esses portões sagrados e a emoção de estar caminhando com Jesus, esse homem de Deus tão surpreendente.  E o povo da cidade está saindo das casas pra ver o que está acontecendo. O barulho está chamando a atenção. A mulher ali está perguntando: “Quem é este homem? Quem é este homem?” Responde você... certo.. “Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia”. Respondeu bem.

A gente volta daqui. É só o começo de uma semana muito especial, aqui em Jerusalém. E na vida da gente também. Amanhã, a gente se encontra na casa de Lázaro. Sim, lá em Betânia. Obrigado pela companhia. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb - 08.04.2017