12 fevereiro 2017

Os mandamentos do Senhor

Não pensem que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas dar-lhe pleno cumprimento  (Mt 5, 17).

O povo de Deus tinha uma Lei. Uma lei religiosa, a Lei da Aliança que está escrita na Bíblia. Mas, muitos mandamentos, regras e normas circulavam também oralmente. As pessoas se esforçavam para cumprir os mandamentos da Lei, sobretudo os fariseus que zelavam pelo seu fiel cumprimento.

O Evangelho de Mateus, que estamos lendo nesse ano, nasceu entre comunidades cristãs que estavam em ambiente judeu, com a maioria das pessoas vindas do judaísmo. Gente, portanto, que prezava demais a Lei que Deus lhes tinha dado, por meio de Moisés.


Nessas comunidades vindas do judaísmo era muito necessário esclarecer bem qual tinha sido a relação de Jesus com a Lei de Moisés. Havia sempre uma dúvida: Será que Jesus deu valor à Lei de Moisés que está na Bíblia? E ele, realmente era praticante fiel dessa Lei? Será que ele não veio mudar essa Lei? Então, a esse respeito, foram lembrados os ensinamentos de Jesus que estão no Sermão da Montanha.  Jesus disse: “Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento”. Então, para tranquilidade de todos, estava claro, Jesus deu valor à Lei. Não veio acabar com ela. Nem modifica-la.

Mas, de verdade, a Lei era utilizada como uma forma de opressão do povo.  Eram tantas normas e regulamentos que circulavam oralmente, obra dos rabinos e mestres da Lei, que o povo mesmo não conseguia cumprir tudo aquilo.  A Lei estava servindo para marginalizar muita gente. Uma das reclamações de Jesus contra os fariseus é que eles amarravam fardos pesados nas costas do povo, com sua interpretação da Lei.

No Sermão da Montanha, está como Jesus explicou a Lei e como devemos realiza-la.  E como devemos seguir a Lei de Deus? As leituras deste domingo nos dão a resposta. Três respostas podem resumir o seu ensinamento.

A primeira resposta está em Eclesiástico 15 ( Primeira Leitura): Devemos seguir a Lei de Deus com a Liberdade que ele nos deu. É na liberdade que escolhemos o bem, a verdade. Está escrito assim: “Diante de ti, ele colocou o fogo e a água; para que o quiseres, tu podes estender a mão”. Somos livres para escolher o bem ou o mal. Deus nos fez livres para escolher o bem. Devemos seguir a Lei de Deus com a Liberdade que ele nos deu.

A segunda resposta está em 1 Coríntios  2 (Segunda Leitura): Devemos seguir a Lei de Deus com a Sabedoria que ele nos dá. Não a sabedoria do mundo, nem a sabedoria dos poderosos. A Sabedoria de Deus. Ele preparou coisas maravilhosas para nós, um mistério que só o Espírito Santo nos revela. Devemos seguir a Lei de Deus com a Sabedoria que ele nos dá.

A terceira resposta para a pergunta “Como devemos seguir a Lei de Deus?” está no Sermão da Montanha, Mateus 5 (O Evangelho deste domingo). Devemos seguir a Lei de Deus com a Caridade para os com irmãos. O que está escrito na Lei? Não matarás. Perfeito. Mas, não matar quer dizer também não odiar o irmão, não desqualifica-lo, não humilhá-lo. A Lei ordena: “Não cometerás adultério”.  Perfeito. Mas, não cometer adultério é também não desrespeitar a mulher com um olhar malicioso ou expor a esposa ao adultério ao manda-la embora de casa. A Lei também ordena: Não jurarás falso. Perfeito. Mas, não jurar falsamente é ter uma conversa só. Seu sim seja sim. Seu não seja não. A caridade é uma das marcas da nossa vivência da Lei.

Resumindo...  Como devemos seguir os mandamentos de Deus, a sua Lei? Com a Liberdade que nos faz escolher o bem; Com a Sabedoria de Deus que nos revela seus mistérios; Com a Caridade que nos faz amar e respeitar os irmãos.

Para maior aprofundamento, leia Mateus 5, 17-37.

Pe. João Carlos Ribeiro - 11.02.2017